‘Atraso absurdo em todas as áreas’, diz Alessandro Vieira sobre os mil dias de Bolsonaro no governo

“Quem se elegeu para ‘mudar tudo isso aí’ se juntou ao PT e o Centrão para acabar com a Lava Jato”, criticou o senador (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), criticou na rede social nesta segunda-feira (27) o ‘legado’ de mil dias do governo do presidente Jair Bolsonaro, marcado pelo ‘atraso absurdo em todas as áreas’, com  14,7 milhões na extrema pobreza, 14,4 milhões de desempregados, a volta da inflação, quase 600 mil mortos pela pandemia de Covid-19 e o atraso no combate à corrupção.

“Os 1000 dias de Bolsonaro representam um atraso absurdo em todas as áreas, mas uma em particular exige atenção: quem se elegeu para ‘mudar tudo isso aí’ se juntou ao PT e o Centrão para acabar com a Lava Jato e atrasar todo o trabalho de combate à corrupção”, afirmou o parlamentar no Twitter.

Com a baixa avaliação do governo e da popularidade do presidente, a Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência) lançou hoje (27) uma campanha nas redes sociais para marcar os mil dias de Bolsonaro na Presidência da República e recuperar sua imagem desgastada como chefe do Executivo.

Ele tem a segunda menor taxa de popularidade entre os presidentes pós-redemocratização ao chegar ao milésimo dia de governo, no último domingo (26). Só ganha do ex-presidente Fernando Collor de Mello (PROS-AL), que deixou o cargo no 1.020º dia de gestão.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment