‘Bolsonaro traiu os eleitores dele ao abraçar o Centrão’, diz Alessandro Vieira

Em live da revista IstoÉ, o senador do Cidadania de Sergipe critica o presidente da República e detalha o projeto de sua autoria que institui a ‘Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet’ que deverá ser votado no plenário virtual do Senado na próxima quinta-feira (Foto: Reprodução)

Senador Alessandro Vieira critica presidente: ‘Bolsonaro traiu os eleitores dele ao abraçar o Centrão’

IstoÉ

Na tarde da sexta-feira (19), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) foi o entrevistado da live de ISTOÉ [veja abaixo]. Policial Civil, delegado Alessandro, como é eleitoralmente conhecido, foi entrevistado por Germano de Oliveira, diretor de redação da revista.

Na conversa, o senador detalhou o projeto legislativo de autoria dele que institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet que deverá ser votado no plenário virtual do Senado nos próximos dias.

Segundo o parlamentar, o texto contém uma série de normas e mecanismos de transparência e fiscalizações para as mais diversas plataformas das redes sociais e serviços de mensagens da internet. O objetivo do PL é combater abusos, manipulações, perfis falsos e a disseminação de fake news.

“Mais da metade dos brasileiros não sabem que às vezes estão interagindo com robôs nas redes sociais”, disse. “Isso tem que acabar”, frisou.

Gaúcho da cidade de Passo Fundo, mas radicado em terras sergipanas desde criança, Vieira foi delegado de repressão aos crimes virtuais, em Sergipe. Na encontro virtual, ele diz que seu projeto visa perseguir, em suma, três objetivos: fortalecer a democracia por meio do combate a informações falsas ou manipuladas, buscar maior transparência sobre conteúdos pagos oferecidos ao usuários e, por fim, desestimular o uso de contas duvidosas, criadas ou usadas para desinformar ou plantar informações enganosas contra alguém.

“Estou elevando o nível da liberdade de expressão”, diz o parlamentar. “Garantindo a liberdade de expressão com responsabilidade.”

No entender dele, “as redes sociais não podem ser palcos de guerra e de ofensas”, afirma.

“Temos que cortar as contas fakes e punir quem publica notícias falsas”, disse.

Aos 47 anos, Alessandro Vieira foi para o nordeste porque a família queria trabalhar vendendo churrasco, mas desgarrou-se das ideias dos pais, se formou em Direito, virou delegado e acabou se tornando um dos nomes mais influentes da segurança pública da região.

Eleito com o discurso de combater a corrupção, ele derrotou as raposas políticas do estado, incomodou políticos, empreiteiros e financiadores de campanha eleitorais sergipanas. À frente de prisões inéditas na história de Sergipe, ao mesmo tempo em que a Operação Lava Jato desmontava a imagens de diversos caciques da política nacional, Delegado Alessandro afirma na live “que o crime não tem ideologia.”