Alessandro Vieira diz que manobra para barrar CPI da Covid-19 não vai funcionar

Estratégia do governo é convencer parlamentares a retirarem assinaturas do requerimento da CPI para inviabilizar sua instalação (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

Em entrevista ao Broadcast Político do Estadão nesta quinta-feira (19), o líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), disse que há uma articulação da presidência da Casa (veja aqui e leia abaixo) para a retirada de assinaturas da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) protocolada pela oposição para investigar ações e omissões do governo Bolsonaro no combate à pandemia de Covid-19.

“O presidente do Senado está tentando esticar o tempo para ver se o governo consegue retirar assinaturas. Não vai funcionar, a situação só vai piorar”, afirmou o senador.

Governo Bolsonaro age para barrar CPI da covid-19 no Senado

Líderes partidários concordaram em abrir comissão de acompanhamento, modalidade que teria menos poder do que órgão de investigação

Daniel Weterman –  O Estado de S. Paulo

O governo de Jair Bolsonaro age para evitar ou pelo menos adiar a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado que pode investigar ações e omissões do Executivo no combate à pandemia de covid-19. O pedido de instalação da CPI aguarda decisão do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Nesta quinta-feira, 18, líderes do Senado concordaram em abrir uma comissão de acompanhamento da covid-19 na semana que vem. O colegiado teria menos poder do que uma CPI e não poderia, por exemplo, realizar convocações. Enquanto isso, a estratégia do governo é convencer parlamentares a retirarem assinaturas do requerimento da CPI, inviabilizando a instalação.

Em 2020, o Congresso abriu uma comissão de deputados e senadores para acompanhar as ações do governo na crise. O funcionamento formal, porém, encerrou em dezembro, com o fim do estado de calamidade pública. Agora, o presidente do Senado concordou em reativar um colegiado semelhante na Casa enquanto avalia a possibilidade de uma CPI.

Na semana passada, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi a uma audiência pública no Senado e passou por uma sabatina de senadores. O governo esperava que o ato reduzisse a pressão pela CPI, o que não ocorreu.

“O presidente do Senado está tentando esticar o tempo para ver se o governo consegue retirar assinaturas. Não vai funcionar, a situação só vai piorar”, afirmou o líder do Cidadania na Casa, Alessandro Vieira (SE), em entrevista ao “Papo com Editor”, do Broadcast Político.

O pedido de instalação da CPI foi protocolado no último dia 4 com 30 das 27 assinaturas necessárias. Parlamentares pressionam pela abertura independentemente da comissão de acompanhamento. “A comissão de monitoramento daria um certo estofo para o governo justificar a instalação mais demorada da CPI. Não basta, nós não nos demos por satisfeitos”, disse o líder da minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN), em entrevista coletiva mais cedo.