Aliança de Haddad com Lira e Pacheco garante deficit zero

NAS ENTRELINHAS

Muitos no governo associam essa meta ao baixo crescimento econômico, daí a pressão para aumentar os investimentos e gastos

O governo descartou a possibilidade de alterar a meta fiscal de deficit zero para 2024, ou seja, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, venceu a queda de braços com o ministro da Casa Civil, Rui Costa, com argumentos técnicos nas reuniões entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministros da área econômica. Houve uma trégua nessa disputa, até março do próximo ano. Articulações de bastidores com o Congresso foram decisivas, porque também garantiram o apoio dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) sem alteração dessa meta.

O relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias no Congresso, deputado Danilo Forte (União-CE), anunciou, nesta quinta-feira, que manterá o deficit zero na proposta a ser aprovada pelo Congresso, a pedido do próprio governo. Logo depois, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, confirmou a posição do Palácio do Planalto. Haddad e Padilha se aliaram na defesa da meta.

Após provado o Orçamento da União de 2024, pela regra, o governo terá de gastar apenas o que arrecadar, sem aumentar a dívida pública para cumprir despesas de custeio e investimentos. Esse é o pomo da discórdia, porque significa o contingenciamento de gastos, caso a arrecadação não aumente como o previsto, apesar da reforma tributária e de outras medidas. Uma delas é a regulação das apostas esportivas, que enfrenta resistências no Senado.

Danilo Forte fechou o acordo durante reunião com Haddad, Padilha, Esther Dweck (Gestão e Inovação) e Simone Tebet (Planejamento e Orçamento), além do líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), no Palácio do Planalto. Enquanto recebe emendas de deputados e senadores, ainda negocia detalhes do texto final com a equipe econômica. A LDO deve ser votada na próxima semana. Na segunda-feira, haverá outra reunião com Haddad para bater o martelo.

A moeda de troca para aprovação do deficit zero pelo Congresso, porém, é um novo aumento de gastos com os partidos políticos. Os líderes da Câmara pretendem incluir na LDO uma elevação do fundo eleitoral para as eleições municipais do próximo ano, de R$ 2 bilhões, que foi quanto custou o pleito de 2022, para R$ 5 bilhões. A proposta obedece à lógica da preservação dos atuais mandatários, que precisam cevar suas bases eleitorais no próximo ano, de olho na própria reeleição. Estima-se que apenas os cinco maiores partidos da Câmara, se a proposta for aprovada, recebam de R$ 400 milhões a R$ 1 bilhão.

Crescimento

O pano de fundo das divergências no governo em relação ao deficit zero são as projeções de crescimento da economia. A última previsão do boletim semanal Focus, do Banco Central, é de 2,9% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023 e, pasmem, 1,5% no próximo ano. Isso é tudo o que o presidente Lula não quer no segundo ano de mandato, ainda mais com uma disputa eleitoral no caminho.

Muitos no governo associam o deficit zero ao baixo crescimento econômico, daí a pressão para aumentar os investimentos e gastos governamentais, mesmo que isso tenha impacto na inflação. Embora o acordo interno com Lula seja só reabrir a discussão sobre deficit zero em março do próximo ano, caso o aumento de arrecadação não corresponda às expectativas, novas tensões poderão ocorrer em dezembro, quando for divulgado a taxa de crescimento do PIB do terceiro trimestre.

Os resultados obtidos até agora, 1,8% de crescimento do PIB no primeiro trimestre e 0,9% do PIB no segundo, foram proporcionados pela grande safra agrícola, a PEC da Transição e o Bolsa Família. Teme-se, porém, que a economia tenha estagnado depois disso. O setor de serviços puxa o desempenho para baixo. Ou seja, o cenário da atividade econômica não é favorável ao aumento da arrecadação, mesmo com a reforma tributária, a não ser que haja aumento significativo da carga tributária.

Para um governo que foi eleito principalmente pelos mais pobres, a redução da taxa de crescimento de 2023 para 2024 pode afetar bastante a popularidade. Não se trata apenas dos programas sociais do governo, mas também das perspectivas dos jovens e empreendedores, que sofrem com o desemprego e a desestruturação de seus negócios, respectivamente. Ainda que tenha havido crescimento dos empregos com carteira assinada.

Essa situação, caso se confirme, acirrará as contradições internas do governo, principalmente entre o ministro da Casa Civil, Rui Costa, que gerencia o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, responsável pelo equilíbrio fiscal. O xis da questão é que a elevação do deficit para garantir a execução das obras e os programas sociais do governo impacta imediatamente a taxa de juros (Selic), cuja trajetória declinante, mantida, estimulará investimentos e reduzirá a dívida pública. (Correio Braziliense – 17/11/2023)

Leia também

Impacto das mudanças climáticas

As mudanças climáticas têm sido um tema central em...

Eliseu e a luta contra a homofobia

Desde a primeira vez que botei o bago dos...

O dilúvio às vésperas das eleições gaúchas

NAS ENTRELINHASO governador Eduardo Leite propõe adiar as eleições...

Um novo desafio do SUS para Nísia Trindade

NAS ENTRELINHASO Ministério da Saúde está diante de outro...

Lula já politizou socorro aos gaúchos

NAS ENTRELINHASLula e Leite têm um adversário comum, Jair...
Artigo anterior
Próximo artigo

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!