Hélio Schwartsman: Acomodação incômoda

O papel a que as Forças Armadas se prestaram na questão das urnas eletrônicas foi vergonhoso

Embora eu fique desconfiado quando ouço Lula pontificar contra a responsabilidade fiscal, penso que as críticas ao petista são precipitadas. Ele ainda não definiu nem quem comandará a economia nem a linha exata que seu governo perseguirá.

Como político conciliador formado no sindicalismo, Lula adapta seus discursos à audiência e atrasa as decisões que explicitam perdas até o último momento. Não é porque ele critica a contenção de gastos que vai necessariamente promover a farra fiscal. Teremos de ser pacientes para saber para que lado a balança penderá.

É numa outra área que o jeitão conciliador de Lula me deixa mais preocupado. O petista deverá buscar a acomodação com os militares e meu receio é que, ao fazê-lo, ele deixe de tomar medidas que me parecem necessárias.

É verdade que nossos generais não embarcaram numa aventura golpista com Bolsonaro, mas daí não se segue que sua atitude tenha sido exemplar. Eles abusaram de imprudências, ambiguidades e até de flertes com caminhos extrainstitucionais.

O papel a que as Forças Armadas se prestaram na questão das urnas eletrônicas foi vergonhoso. Deixar de punir o general Pazuello, que cometera transgressão disciplinar diante dos olhos de todos, e ainda decretar sigilo sobre o caso foi um tapa na cara do próprio Exército.

Para afastar o espectro do intervencionismo militar, acho que precisaríamos de um pacote de medidas. Eu começaria restringindo fortemente a participação de militares da ativa e da reserva remunerada em cargos na administração. Também reforçaria as regras contra manifestações políticas. Penso que é só após a reforma que generais devem ser autorizados a dizer qualquer coisa que lhes venha à cabeça, não enquanto ainda têm ascendência sobre as tropas. Por fim, eu reformularia bastante os cursos de formação de oficiais.

É disso que o país precisaria, mas temo que Lula optará por não pisar no calo de ninguém. Pena. (Folha de S. Paulo – 23/11/2022)

Leia também

Os últimos dias do reinado de Lira

Lira precisa do apoio de Bolsonaro e do PL para eleger seu candidato a presidente da Câmara, Elmar Nascimento, o que explica a sua agenda contraditória.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!