Eliane Cantanhêde: Medo

Esta não é uma eleição alegre, propositiva, na base do “ganhe o melhor”. Até aqui, o que prevalece são ataques e falta de compromisso, numa competição insana sobre a rejeição, e chama a atenção o medo que a manutenção do presidente Jair Bolsonaro e a volta do PT do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva despertam nos brasileiros.

Pela pesquisa Quaest para a Genial Investimentos, 45% têm medo de mais um governo Bolsonaro e 40%, da volta de Lula ao poder, o que comprova uma das muitas peculiaridades da atual eleição: a forte, intensa, busca por uma terceira via que não veio.

Demanda para o produto havia de sobra, mas os líderes políticos foram incapazes de produzir esse produto, engalfinhados em disputas internas, guerrinhas de vaidades, interesses pessoais se sobrepondo ao interesse nacional. Quando finalmente apresentaram opções, era tarde demais.

Colocados frente a frente pelo início oficial da campanha, na semana passada, e mais ainda pela estreia da propaganda eleitoral de rádio e televisão, na próxima sexta-feira, Bolsonaro e Lula tratarão de falar bem deles próprios, mas principalmente de falar mal um do outro. Vai ser um festival de ataques, desconstrução, fake news.

A Justiça Eleitoral, que já está sobrecarregada com as acusações vazias e irresponsáveis, lideradas pelo presidente da República, contra a eficiência e a segurança das urnas eletrônicas, terá um trabalho gigantesco até outubro para reagir o mais rápido possível às mentiras e à irresponsabilidade criminosa. E não apenas entre os candidatos à Presidência, porque esse horror vai decantar pelos Estados.

Bolsonaro vai bater firme nas teclas que mais disparam o medo da volta do PT, como a corrupção, as alianças com as ditaduras de Cuba, Venezuela e Nicarágua, o fiasco de regimes mais à esquerda, como o da Argentina, e o empoderamento de pautas como aborto, LGBTQIA+ e drogas.

Mas Lula também tem arsenal contra o principal rival, já que boa parte do eleitorado teme a incapacidade do presidente de investir e executar medidas de combate à pobreza e à fome, o acirramento do discurso de ódio contra minorias, o despreparo para enfrentar crises, como a pandemia. Sem falar no risco de golpes que paira no ar e no isolamento internacional.

Assim, o que vem pela frente, até a eleição, é uma guerra sem fim entre os dois candidatos, as suas campanhas e, o pior, esse estado de espírito está sendo levado à sociedade brasileira pelas redes sociais.

Nem Deus e as religiões estão sendo poupados, empurrados para o centro da arena eleitoral, num país desde sempre multirracial e multirreligioso. Eleições e governos passam, as cicatrizes ficam. (O Estado de S. Paulo – 23/08/2022)

Eliane Cantanhêde, comentarista da Rádio Eldorado, Rádio Jornal (PE) e do telejornal GloboNews em Pauta

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!