Luiz Carlos Azedo: Contra quem se articula a terceira via?

NAS ENTRELINHAS – CORREIO BRAZILIENSE

Na arte da guerra, não identificar o inimigo principal pode ser um erro capaz de levar ao desastre. Numa ordem democrática, é melhor chamar o “inimigo” principal de adversário, porque ele pode ser o aliado de amanhã, como está acontecendo agora, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB), seu rival no segundo turno das eleições de 2006, então pelo PSDB. Numa eleição polarizada entre Lula e o presidente Jair Bolsonaro, o desafio da chamada terceira via é identificar o adversário principal no primeiro turno.

A história está repleta de erros de avaliação sobre essa questão. O mais notório foi o confronto entre comunistas e social-democratas na Alemanha, que dividiu o movimento sindical e a intelectualidade, abrindo caminho para Adolf Hitler chegar ao poder. Os comunistas chamavam os social-democratas de social-fascistas, o que era um equívoco, mas havia lá suas razões: o assassinato de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, que representavam o espírito revolucionário da época. Eles acusavam a Social-Democracia Alemã de traição, por ter aprovado os créditos de guerra no Reichstag (parlamento alemão), em 4 de agosto de 1914. Liebeneck foi o único deputado a votar contra a guerra.

Quando a onda da Revolução Russa impactou a Alemanha derrotada na guerra, em 1918, com o surgimento de conselhos operários, a queda do Kaiser e a Proclamação da República, o governo ficou nas mãos dos dirigentes mais conservadores da social-democracia, que fizeram um pacto com o estado-maior militar para liquidar o levante dos operários da Liga Spartacus, núcleo inicial do Partido Comunista Alemão. Em 15 de janeiro, um destacamento de soldados prendeu Liebknecht e Rosa, que lideravam o levante. Foram levados para o Hotel Éden, quartel-general dos Freikorps — veteranos do exército do Kaiser —, no centro de Berlim, paramilitares com os quais o governo social-democrata havia feito um acordo para reprimir a insurreição. Os dois líderes foram espancados, arrastados e mortos a tiros. O trauma da guerra dividiu a esquerda mundial, principalmente depois de Revolução Russa, e nunca mais foi superado.

Lula x Bolsonaro

Aqui no Brasil, erro igualmente trágico ocorreu às vésperas do golpe militar de 1964. João Goulart havia assumido o governo como vice de Jânio Quadros, que renunciara em 1961, em meio a forte crise institucional, na qual os militares não queriam dar-lhe posse. Houve um acordo para isso: a adoção do parlamentarismo. A posse de Jango fora garantida pela confluência de uma grande mobilização popular, liderada pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, e uma hábil articulação parlamentar, na qual se destacaram Tancredo Neves e San Tiago Dantas. Para recuperar parte do poder, Jango viria a convocar e vencer um plebiscito para a volta do presidencialismo, realizado em 6 de janeiro daquele ano.

As eleições presidenciais estavam convocadas para 1965. Os candidatos mais fortes eram Juscelino Kubitschek, do antigo PSD, que pretendia voltar ao poder, e Carlos Lacerda, o governador da antiga Guanabara, principal líder da UDN. Brizola não podia ser candidato, era cunhado do presidente da República. Prestes articulava a reeleição de Jango. A chave para isolar a UDN e evitar o golpe era recompor a aliança entre o PSD, o PTB e o antigo PCB, que havia sido vitoriosa em 1955. Mas a esquerda considerava isso um retrocesso, por causa da política de conciliação de Juscelino com os Estados Unidos. No auge da guerra fria, o desfecho da crise foi a destituição de Jango e a implantação do regime militar, que durou 20 anos. Juscelino e Lacerda apoiaram a destituição de Jango, mas acabaram tendo os direitos políticos cassados.

Perguntem ao ex-governador João Doria, candidato do PSDB: quem é o seu adversário principal? A mesma pergunta pode ser feita a Simone Tebet (MDB) ou a Ciro Gomes (PDT), que continuam na pista. Não quererão responder agora. Eduardo Leite e Sergio Moro, sem legenda para concorrer, também. O problema da terceira via não é somente chegar a um acordo em torno daquele que for mais competitivo. Se fosse, hoje, o candidato único seria Ciro Gomes, como poderia ser Moro, se não houvesse tropeçado na própria esperteza ao trocar o Podemos pela União Brasil.

A unificação da terceira via tem um polo centrípeto: a questão da democracia. Bolsonaro defende um projeto de “democracia restrita”, ou “iliberal”, como agora se diz. Contra esse projeto se batem todas as forças que defendem a nossa “democracia ampliada”, consagrada na Constituição de 1988. Mas isso é considerado assunto para o segundo turno. O xis da questão é polo centrífugo: quem é o adversário a ser deslocado no primeiro turno. Pela lógica das pesquisas, o segundo colocado, Bolsonaro, seria mais fácil de remover da disputa do que Lula, o primeiro. Entretanto, a terceira via desloca sua linha de tiro de Bolsonaro para Lula, que busca velhos aliados ao centro para inviabilizá-la de vez. (Correio Braziliense – 12/04/2022)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!