Simone Tebet faz ato nesta quarta-feira em Brasília para reforçar a campanha de Lula

Coordenação da campanha do candidato prepara uma grande mobilização na reta final das eleições no DF

A candidata a presidente pelo MDB, PSDB e Cidadania no primeiro turno, senadora Simone Tebet (MT) estará em Brasília, nesta quarta-feira (19), para reforçar a campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Distrito Fedral para o segundo turno da disputa.

Aliada importante nas estratégias da campanha do candidato, a emedebista participará de uma ato popular marcado para às 16h, na Praça do Povo, no SCS (Setor Comercial Sul), de onde partirá numa ‘Caminhada pela Paz’ junto com a população e militantes de mais de uma dezena de partidos que aderiram à campanha do petista no DF.

A coordenação da campanha de Lula em Brasília prepara uma grande mobilização. Todos os candidatos eleitos e não-eleitos da frente pró-Lula foram acionados para levarem suas bases ao ato. O objetivo é que o evento alcance uma grande repercussão e seja capaz de convencer os eleitores indecisos a votarem no petista.

“A adesão de Simone Tebet e sua vinda ao DF nos dá mais vigor para a reta final dessa campanha”, afirma Geraldo Magela, da coordenação da campanha no DF.

“Vamos fazer um grande evento destacando a importância da participação das mulheres na política e reunindo toda a nossa militância num grande ato em favor da paz e de Lula presidente”, completa Rosilene Corrêa, da coordenação política.

Tebet é considerada peça-chave na disputa eleitoral, graças ao bom desempenho alcançado na disputa do primeiro turno. No DF, ela obteve mais de 100 mil votos, alçando a terceira colocação dentre os candidatos. A senadora afirmou ter declarado voto em Lula por entender que o candidato não representa riscos para a democracia, ao contrário do atual presidente Jair Bolsonaro (PL).

“É hora de união. Vamos com Lula por um Brasil que combata a fome e todos os preconceitos, que defenda a vida, a ciência e o meio ambiente”, declarou Tebet à imprensa.

A senadora incluiu três propostas de sua campanha ao programa de governo de Lula. São elas, a criação de uma poupança para jovens que completarem o ensino médio, sancionar a lei que garante igualdade de salários entre homens e mulheres que exerçam a mesma função e a criação de um ministério plural. (Assessoria de imprensa/DF com Lula)

Roberto Freire: Por que não ser neutro

Estamos votando em Lula e vetando Bolsonaro, pelo que este representa de obscurantismo

Resposta que dei a um eleitor de Simone Tebet que listou uma série de crimes e escândalos nos governos lulopetistas e pregou a neutralidade:

“Caro […], nós do Cidadania – na época em que tudo isso acontecia nos governos de Lula e Dilma fazíamos uma firme oposição – podemos dizer que hoje, nos tempos de Bolsonaro, temos (em muito menos tempo de governo) tantos crimes e escândalos de corrupção como antes. Não vamos desempatar com o voto no segundo turno.

Estamos votando em Lula e vetando Bolsonaro, pelo que este representa de obscurantismo (vide posição na pandemia). Como órfão da ditadura, comete atos de desrespeito aos direitos humanos e atenta contra a democracia. Está pronta, inclusive, uma PEC para o caso de ele ser vitorioso, aumentando o número de ministros do STF para controlar o Judiciário. Não podemos esquecer que Chávez, pela esquerda, iniciou a escalada ditatorial com o controle do Judiciário, igualzinho a Orban na Hungria, pela extrema-direita, que também aumentou o número de ministros da Corte Suprema. E o resultado é o fascismo reinando no país dos magiares.

Não podemos admitir que isso ocorra entre nós. Daí o voto em Lula, que, apesar de corrupto (tal como Bolsonaro), nos mais de 13 anos de governo não promoveu nenhum ato para criar um regime autoritário. Convém não esquecer que ele próprio foi investigado e muitos dos dirigentes do PT condenados durante seu próprio governo.” (Texto publicado no Facebook da Esquerda Democrática https://bit.ly/3Mv1WNU)