Bruno Boghossian: Viagem à Rússia obriga Bolsonaro a retornar ao baixo clero

Após encontrar Vladimir Putin, o presidente Jair Bolsonaro descreveu Brasil e Rússia como “duas grandes potências”. O capitão tentou transmitir a imagem de que aquela era uma conversa entre iguais, mas não convenceu muita gente. Na passagem da comitiva brasileira por Moscou, quem apareceu foi o político de baixo clero dos velhos tempos.

O Bolsonaro que visitou Putin exibiu sua própria falta de expressão. Ninguém se incomodou muito quando o presidente disse que os brasileiros eram “solidários à Rússia” –o que poderia indicar que o país apoiava o Kremlin nas tensões com a Ucrânia. Na mesa dos adultos da diplomacia, ele praticamente desapareceu.

O presidente preferiu investir na retórica e na propaganda, suas ferramentas políticas favoritas desde os tempos de deputado. Tentou pegar carona na piada que o associava ao recuo das tropas russas na fronteira e, para conseguir uma foto ao lado de Putin, se curvou silenciosamente às regras que costuma contestar com valentia no Brasil, como o confinamento e o uso de máscara.

Como compensação, Bolsonaro buscou dar a seus apoiadores algumas migalhas ideológicas. Citou o apoio de Putin num fantasioso embate internacional sobre a Amazônia e disse compartilhar com o russo valores “como a crença em Deus e a defesa da família”. Deu pouco destaque, é claro, à visita que fez ao túmulo de soldados soviéticos.

Tal qual um político com poder limitado, Bolsonaro ficou sem forças até para cometer exageros sobre os resultados concretos da viagem. Coube a ele destacar as negociações em torno do comércio de fertilizantes entre os dois países –um assunto estratégico para a agricultura brasileira, mas que poderia ter sido discutido por um punhado de ministros, numa visita mais modesta.

Não fosse a pompa oferecida a chefes de Estado, o presidente poderia ter sido confundido com um de seus auxiliares. A viagem serviu a alguns dos propósitos de Bolsonaro, mas também o obrigou a assumir sua verdadeira estatura política. (Folha de S. Paulo – 17/02/2022)

Bruno Boghossian, jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!