Vera Magalhães: É a cara do Bolsonaro

Jair Bolsonaro se jactou, como parece que vem se esmerando em fazer em viagens ao exterior, de mais um legado de retrocesso: sim, depois de três anos de desmonte do Ministério da Educação, o Enem está deformado, a cara do governo.

Bolsonaro, é claro, falava daquela pasta ideológica que faz as vezes de suas ideias. Segundo seu tortuoso raciocínio, deve ser celebrado o fato de as questões da prova que deveria medir o conhecimento apropriado pelos estudantes do ensino médio e ser um dos passaportes desses alunos para a universidade reproduzirem essa mesma mixórdia pseudoconservadora em que ele acredita.

Sim, desta vez Bolsonaro acertou, mesmo por essas vias tortíssimas. O Enem tem a cara de um governo que destrói todas as políticas públicas e todos os marcos civilizatórios em que resolve tocar.

Bolsonaro implodiu o Bolsa Família. Achou que deveria ter um programa social com a sua cara, já que o anterior, uma política consolidada, com eficácia comprovada por evidências sociais e estatísticas e institucionalizada ao longo de sucessivos governos, teria a cara do Lula. Imaginem o pavor para um presidente inseguro e paranoico ter de pagar todo mês um benefício com a cara do principal adversário.

Então Bolsonaro foi lá e imaginou um programa a sua imagem e semelhança: provisório, improvisado, acochambrado, eleitoreiro e com maldades desnecessárias embutidas, como desvincular o pagamento da cobrança de vacinação infantil.

Afinal, para que o antes imitado internacionalmente Programa Nacional de Imunizações ficasse a cara do Bolsonaro, não bastava ter atrasado a compra de vacinas contra a Covid-19, ido a eventos públicos pôr em xeque a eficácia da vacina, mentido numa live ao associar a vacinação contra o novo coronavírus a um risco maior de contrair aids. Ainda assim, não estava parecido o suficiente. Para isso, o bom mesmo é esculhambar também todas as demais campanhas de vacinação, que, aliás, já sofrem com a adesão cada vez menor e a divulgação cada vez mais “a cara” do Bolsonaro.

Para colocar em prática o programa “meu governo, minha fuça”, Bolsonaro resolveu implodir também a tal da responsabilidade fiscal, esse edifício que veio sendo erguido a duras penas desde Itamar Franco.

Para aprovar a PEC dos Precatórios, a maior excrescência fiscal já votada no Congresso, uma pedalada que vai sendo aceita bovinamente pela Câmara, pelo TCU e por outros cúmplices, vale até buscar o apoio dos servidores públicos, prometendo um reajuste salarial eleitoreiro para que eles pressionem os senadores, até aqui um pouco mais resistentes à lambança. Poucas coisas poderiam ser mais a cara de Bolsonaro.

E Paulo Guedes, que a cada dia vai se mostrando mais e mais um clone, separado no nascimento, do chefe a que escolheu servir não importa o que lhe peça, vai topar mais essa afronta àquilo que sempre defendeu.

“Espelho, espelho meu. Que outras áreas do governo devem ficar tão lindas quanto eu?”, deve pensar o governante narcisista quando avalia o saldo de seus três anos de estripulias.

Ah, o meio ambiente. Esse é a carinha do papai. A floresta não pega fogo porque é úmida, pontifica o capitão, para espanto de um mundo que vê a Amazônia arder e ser consumida por clareiras mês a mês.

Poucas coisas são mais semelhantes a quem governa o Brasil quanto o massacre dos índios ianomâmis documentado em reportagem devastadora do “Fantástico” no último domingo, que, atendendo a um pedido de socorro, mandou uma equipe para mostrar crianças desnutridas, um povo consumido pela malária e a ameaça concreta do garimpo ilegal à maior reserva indígena do país. Ninguém precisa pedir DNA de mais esse desmonte. Afinal, ele avisou antes mesmo de ser eleito o que pensava da pauta indígena.

O Brasil que derrete, queima, sangra e morre é a cara do Bolsonaro. (O Globo – 17/11/2021)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!