M23 e Roberto Freire lamentam morte de Ágatha Félix e criticam política de extermínio

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, lamentou o assassinato da menina Ágatha Félix,  de oito anos, vítima de arma de fogo no morro do Alemão, no Rio de Janeiro, na última sexta-feira (20).  A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania-M23 também emitiu nota (veja abaixo) manifestando indignação pelo assassinato da menina.

“Visão desumana”

Freire criticou o que chamou de “visão desumana” da segurança pública defendida pelo governo federal e do Rio de Janeiro e destacou que o caso não se encaixa no chamado excludente de ilicitude. 

“Isso [a morte] é inadmissível numa sociedade que se diz civilizada. O caso da Ágatha não é o típico excludente de ilicitude, mas se insere na visão desumana de que segurança pública no Brasil concede licença para matar. Pela rejeição da excludente de ilicitude”, defendeu.

Roberto Freire criticou ainda parcela da sociedade que tenta justificar a morte de uma criança e outros inocentes na defesa da execução de traficantes e bandidos pelas forças policiais.

“Se unem os conservadores de todos os matizes, que reagem a liberdade e aos novos tempos do mundo que vivemos. O mito aplaude e defende os que dizem que bandido bom é bandido morto. Deveriam se lamentar e não buscar justificativas para o assassinato [de Ághata]. É desumano uma pessoa querer justificar o assassinato absurdo de uma criança de oito anos. É execrável. Quanta infelicidade dos familiares de Ágatha, dos cariocas e de nós brasileiros”, lamentou.

Banalização da vida

No mesmo tom, a Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania M23 divulgou nota  de indignação e de repúdio a política de segurança pública adota no estado carioca.

O documento questiona até quando o País aceitará políticas de estado que estimulem o extermínio de população pobre e desassistida pelo Estado e presta solidariedade à família da criança.

“NOTA PÚBLICA

A M23 vem a público manifestar imensa indignação pelo assassinato da menina Ágatha Félix, de apenas 8 anos de idade.

Não podemos mais tolerar uma política de Estado que estimule o extermínio da população pobre e negra, em nome de uma falida e falsa “guerra às drogas”. Apenas este ano foram 16 casos de crianças baleadas ou mortas no Rio de Janeiro. Duas delas ainda na barriga da mãe.

Até quando vamos assistir a banalização da vida? Até quando mães irão sofrer o luto da perda precoce de seus filhos?

Basta! Queremos nossas crianças e jovens vivos!

As vidas nas favelas importam!

Manifestamos solidariedade à família da Ágatha, na figura de seu avô, cujo desabafo foi um grito de dor e indignação. “Foi a filha de um trabalhador, tá? Minha neta fala inglês, tem aula de balé, tem aula de tudo. Ela é estudiosa. O polícia atirou em quem? Foi em traficante? Foi na filha dele? Não! Foi na minha neta. Agora tá aí, perdi minha neta. Não era pra perder, nem eu nem ninguém.

Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania M23

O caso

A criança morreu na noite de sexta-feira dentro de uma Kombi com o avô, quando foi baleada nas costas. De acordo com os moradores, PMs atiraram contra uma moto que passava pelo local acertando Ághata. Ela chegou a ser levada para a UPA do Alemão e transferida para o hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu os ferimentos.

Com a morte da menina, sobe para 29 o número de mortes por bala perdida no Rio de Janeiro em 2019.

Cidadania realiza I Encontro de Secretárias Estaduais da M23 dias 20 e 21, em Brasília

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania realizará nesta sexta-feira (20) e sábado (21), em Brasília, o I Encontro de Secretárias Estaduais M23 (veja abaixo a programação), no Hotel San Marco. O objetivo é fortalecer as secretarias estaduais do núcleo para o novo momento político do Cidadania, debater estratégias para atrair novas filiadas e discutir os preparativos para a participação das mulheres do partido nas eleições municipais do próximo ano.

Segundo a secretária e dirigente do partido, Raquel Dias, o encontro faz parte de uma programação pré-estabelecida voltada para o planejamento estratégico das secretarias do M23 em todo o País.

“O encontro integra uma estratégia de fortalecimento dos agrupamentos das secretarias estaduais no sentido de preparar essas dirigentes para atrair novas filiadas. O objetivo é promover o encontro presencial entre as bases do M23 para elas se conhecerem, se comprometerem com o partido, trocarem experiências e dúvidas, e também entenderem esse novo momento político por qual passamos. É um momento de organização, estruturação e fortalecimento”, disse a coordenadora.

Debates

Raquel Dias adiantou que os debates do encontro serão dos mais variados possíveis, com a discussão de temas como a organização política e a legislação eleitoral.

“Os debates vão desde a apresentação dos organismos das Secretarias como ferramentas de organização política, passando pela legislação eleitoral vigente e indo até a gestão de boas práticas internas. Falaremos sobre a formação pré-eleitoral para essas secretárias. Será um momento bastante rico no qual as mulheres do M23 serão preparadas, não só para multiplicar o que for debatido em seus municípios, como também fazer a utilização do conhecimento adquirido para ajudar no fomento de novas candidaturas femininas, e auxiliar as direções locais na formação das chapas para 2020”, destacou.

Eleições

A dirigente falou ainda ao Portal de Notícias do Cidadania sobre os preparativos do M23 para a disputa eleitoral das mulheres do partido. Ela afirmou que a Secretaria Nacional de Mulheres tem realizado pesquisas internas de disputas anteriores para traçar um plano de ação realista, com o intuito de eleger o maior número possível de candidatas femininas.

“Temos sequenciado uma série de planejamentos estratégicos. Passa por pesquisas realizadas por nós que falam sobre os últimos momentos eleitorais das mulheres no PPS, agora Cidadania. Além disso, uma profunda avaliação para a implementação do fundo especial de campanha e dos 30% do recorte do fundo [partidário] voltado para as mulheres. Além disso, estamos preparando as nossas Secretarias para implementar a campanha de filiação que estaremos lançando, ainda nesse ano, para atrair quadros competitivos e garantir qualidade na recepção dessas novas pessoas”, afirmou.

PROGRAMAÇÃO

I Encontro de Secretárias Estaduais M23

De 20 e 21 de setembro de 2019

Local: Hotel San Marco -Brasília/DF

Dia 20/09

9h

Credenciamento

9h15

Formação da Mesa de Abertura

As cinco secretárias e as representantes do Igualdade, do Diversidade e Juventude para a saudação inicial

9h40

1. M23 uma história de luta e ação

Tereza Vitale 

2. As Secretarias M23 como espaço de poder

Raquel Dias

Debate

10h15

Apresentação do balanço de cada M23 estadual

Elissa Felipe – Balanço dos dados gerais 

Secretárias Estaduais – Apresentação de balanço

13h

Almoço

14h30

1. A comunicação como ferramenta de estratégias de organização

Juliet Matos

Lairson Geisel

Debate

2. Comunicação externa e mobilização

Juliet Matos

Lairson Geisel 

Debate

15h30

Intervalo para café

15h45

Boas práticas de gestão interna

Francisco Almeida 

Debate

17h – Legislação Eleitoral, direitos e deveres específicos das mulheres nas campanhas

Dr. Gustavo Ferreira

Debate

18h

Estratégias de atuação no Legislativo

Mariana Rocha

Debate

18h30

Encerramento

20h

Jantar 

DIA 21/09

9h

Oficina de Formação Política Pré-eleitoral

Vereadora Loreny Roberto

Debate

10h

#vidadeverdade

#naodigaquenaoavisei

#amopolíticaassimmesmo

Vereadora Soninha Francine

Debate

12h30

Encerramento

13h

Almoço

14h

Check-out

Secretaria de Mulheres estende prazo para criação do M23 em estados e municípios

A Secretaria de Mulheres do Cidadania divulgou comunicado (veja abaixo) estendendo o prazo de criação do M23 nos estados e municípios para o próximo dia 25 de julho. De acordo com a Secretaria, a mudança é necessária para a organização das inscrições visando a participação das integrantes do núcleo no Encontro Nacional do M23, marcado para dia 30 de agosto.

COMUNICADO DA SECRETARIA DE MULHERES DO CIDADANIA

Prezadas companheiras do Cidadania,

Estamos caminhando a passos largos em nossa organização, vários estados já criaram suas secretarias municipais e a Secretaria Estadual. Estamos fazendo um balanço para apresentá-las a vocês.

Nesta semana que passou fomos apresentar ao nosso presidente Roberto Freire o nosso trabalho, nossos resultados imediatos e nossa satisfação com as estratégias que colocamos em prática por todo o País com a adesão das lideranças estaduais.

Estamos à frente na organização partidária com a criação das M23 municipais, num lastro positivo com a entrada de muitas e muitas mulheres com grande disposição para militar e para oferecer seu nome como candidata.

Em virtude de uma estratégia global do Cidadania, decidimos pela realização dos congressos nacionais dos grupos de cooperação somente após esgotadas todas as articulações do partido, para que possamos conquistar o melhor alinhamento partidário possível.

Em substituição ao I Congresso Nacional de Mulheres do Cidadania, realizaremos o I Encontro Nacional de M23 Estaduais, no qual faremos um balanço geral das M23 municipais, discutiremos seu funcionamento, comunicação e estratégia eleitoral.

O prazo de construção de secretarias estaduais e municipais será estendido para 25 de julho de 2019, a fim de organizarmos todas as inscrições para a participação no Encontro Nacional da M23, no dia 30 de agosto. Em função deste adiamento do Congresso Nacional de Mulheres 23, a Resolução Orgânica 01/2019, datada em 22 de abril passado, também será reformulada. Entretanto, OS ESTADOS QUE JÁ TIVEREM REALIZADO SEU CONGRESSO OU FEITO CONVOCAÇÃO PARA REALIZÁ-LO, DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO Nº 01/2019, TERÃO PRESERVADO O SEU DIREITO.

Contamos com a compreensão e determinação de todas vocês, para que juntas, possamos levar a M23 para muitas cidades e também estados brasileiros.

Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania 23

Brasília, 06/07/2019

Mulheres do Cidadania celebram acordo de cooperação com a juventude do partido

No encerramento do 1º Encontro de Mulheres Jovens do Cidadania neste domingo (30), em Brasília, o núcleo de Mulheres M23 celebrou um acordo de cooperação (veja aqui) com o coletivo de juventude J23 por dois anos. O termo foi assinado pelas dirigentes Juliet Matos, secretária nacional do M23 e Indaiá Pacheco, da J23.

Raquel Dias (esq.), secretária do M23

Segundo Raquel Dias, organizadora do evento, integrante do M23 e do Igualdade 23, o acordo faz parte da estratégia de ação da Secretaria Nacional de Mulheres para o empoderamento feminino.

A dirigente disse que o desafio do acordo é dar voz às mulheres por meio de candidaturas femininas na eleição municipal de 2020, e fazer com que as participantes do encontro conquistem mais mulheres para a luta contra o preconceito e a consolidação de direitos.

“Queremos fazer valer o acordo para que de fato ele saia do papel e nos ajude a reforçar enquanto grupo social”, disse Raquel, ao agradecer a presença de representantes de mulheres jovens do partido de 15 estados no encontro.

Experiência Parlamentar

Integrantes do M23 durante o encontro

A deputada estadual do partido em Sergipe, Kitty Lima, e as vereadoras Jéssica Serra (Terra Roxa-PR) e Loreny Caetano Roberto (Taubaté-SP) falaram no encontro de suas experiências na política da atividade parlamentar. Elas relataram as participantes do encontro, em uma roda de conversar, suas experiências com a campanha eleitoral e as dificuldades partidárias e legais  para o exercício do mandato: preconceito, discriminação e machismo.

A secretária do M23, Tereza Vitale, disse que o núcleo está atento a questão do machismo nas instâncias partidárias e que o combate a essa prática dever ser enfrentadas por todas as mulheres do partido. “Nossa luta [contra o machismo] se dá no coletivo: uma fortalecerá a outra”, afirmou.

Redes e fake news

A última roda de conversa do evento foi sobre redes sociais e fake news, com o coordenador de Comunicação do Cidadania, Lairson Giesel, e a secretária do M23, Juliet Matos.  

Encontro foi encerrado neste domingo

Lairson abordou as mídias sociais e deu exemplos de como usá-las de forma responsável. Ele também defendeu que a tecnologia deve ser utilizada como ferramenta para combater a desinformação nas redes sociais. 

A fake news sobre os fatos de grande repercussão foi um dos temas abordados por Juliet. A dirigente chamou atenção para necessidade que se tem de prestar atenção aos grupos que propagam notícias falsas. Para ela, é preciso cada vez mais criar redes para denunciar fake news.  

Poesia

O encontro foi encerrado pelo Slam – DéF com a apresentação de poesias de temática feminina. No sábado (29), o grupo também se exibiu em um “batalha de poesias” entre as integrantes. 

1º Encontro de Mulheres Jovens: Formação política para o empoderamento feminino

O 1º Encontro de Mulheres Jovens do Cidadania foi aberto neste sábado (29), em Brasília, com a participação de representantes femininas do partido de 15 estados. Promovido pelo núcleo de Mulheres do partido M23, o evento dá sequência a estratégia de formação política das militantes para o empoderamento feminino na luta contra à violência e à discriminação no Brasil.

A mesa de abertura do encontro contou com a participação do presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; da deputada estadual do partido em Sergipe, Kitty Lima; das vereadoras Jéssica Serra (Terra Roxa-PR), presidente da Câmara Municipal; Loreny Caetano Roberto (Taubaté-SP), 2ª vice-presidente da Câmara; Juliet Matos, Secretária Nacional do M23; e de Indaiá Pacheco, do núcleo de Mulheres e da Juventude 23.

Ao fazer a saudação , Raquel Dias (Igualdade 23 e M23), uma das organizadoras do encontro, falou sobre a “política inclusiva” da Secretaria de Mulheres de dividir recursos do núcleo com as “facetas femininas” dos demais agrupamentos do partido, como o Juventude 23, Igualdade 23 e Diversidade 23.

Encontro de Mulheres Jovens em Brasília

“As mulheres do Igualdade estiveram aqui na semana passada [no 1º Encontro de Mulheres Negras], as mulheres da J23 estão presentes nesta mesa”, reforçou.

Segundo ela, a estratégia da Secretaria de Mulheres é transformar sua “plataforma geral em plataforma inclusiva”.

“[É ]ouvir as especifidades das mulheres e permitir que as políticas públicas defendidas por nós, mulheres do Cidadania, sejam de inclusão de todas faces e desafios do que é ser mulher nesse País”, disse, ao explicar que ao final do encontro será celebrado um acordo de cooperação entre J23 e M23.

Roberto Freire lembrou que a vitória e conquista de qualquer movimento só acontecem quando ganham a sociedade. “Enquanto ele ficar só entre nós, ele se perde”, provocou, lembrando que o partido (PPS-PCB) foi o primeiro a discutir o aborto.

Mulheres do Parlamento

Deputada estadual Kitty Lima

A secretária nacional do M23, Tereza Vitale, destacou a importância da presença das mulheres no Parlamento. Ela disse que o encontro dá continuidade a formação política do grupo feminino do partido para a conquista de direitos e busca de espaços na política para o empoderamento das mulheres.

Após a abertura, as mulheres participaram de dinâmica de grupo e assistiram ao vídeo “Agradeça a uma feminista”. A programação do dia foi encerrada pelo grupo Slam – DéF, de Brasília, com uma “batalha de poesias”. O Slam – DéF também se apresentou no início dos trabalhos com poesias de temática feminina.

Participam do encontro representantes do Cidadania do Pará, Paraná, Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, São Paulo, Sergipe, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

Saúde e redes sociais

O 1º Encontro de Mulheres Jovens prossegue neste domingo (29) com relato do ex-deputado federal Arnaldo Jordy (Cidadania-PA) sobre os resultados da CPI do Tráfico de Pessoas no Brasil, roda de conversa sobre a saúde da mulher e o uso das mídias sociais com responsabilidade.

Encontro de Mulheres Indígenas e Negras do Cidadania debate participação feminina na política

O Cidadania, por meio do núcleo de Mulheres do partido M23, iniciou neste sábado (22), em Brasília, o 1º Encontro de Mulheres Negras e Indígenas. O evento (veja abaixo a programação deste domingo) tem como objetivo debater as especificidades das mulheres negras e indígenas, assim como as dificuldades enfrentadas no cotidiano e as politicas públicas voltadas para esse público.

Na abertura, as participantes assistiram a apresentação de maculelê do grupo Suelen Saboia. Com a formação da mesa, a deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF), representando a bancada do partido no Congresso Nacional, afirmou a importância da participação das mulheres na política. A parlamentar elogiou a iniciativa do Mulheres 23 em proporcionar um debate mais aprofundado sobre as problemas enfrentadas pelas mulheres negras e indígenas no País. Paulo Belmonte ressaltou ainda a importância da união de todas as mulheres para ocupar, cada vez mais, os espaços de poder.

A deputada estadual do Cidadania de Roraima, Lenir Rodrigues, que também compôs a mesa de abertura, destacou a importância do evento e lembrou que as pautas femininas são diferentes de acordo com a realidade vivenciada. A parlamentar, que tem uma longa história em defesa dos povos indígenas, afirmou que o encontro norteará o partido na criação de um posicionamento político voltado ao público do encontro.

Como representante das mulheres indígenas na mesa, Silvana Terena destacou que cada vez mais mulheres indígenas participam da política. Porém, Silvana lamentou o fato das autoridades públicas ainda ignorarem a mulher indígena com políticas públicas. Ela elogiou o partido e ressaltou que a legenda é aberta para todos os segmentos da sociedade e, principalmente, democrática. Também participou da mesa a Coordenadora Executiva do Igualdade 23, Jullyana Vieira de Sousa.

Autonomia financeira

Após a abertura, Janete Lili, da etnia Terena, fez uma apresentação sobre a autonomia financeira das mulheres indígenas. Ela falou sobre as dificuldades enfrentadas em uma sociedade machista e destacou a força das mulheres Terena. Segundo Janete, umas das principais formas da mulher conseguir autonomia é por meio da educação.

“A mulher indígena precisa ser forte. Ela consegue superar os problemas, pois não existem problemas que não possam ser resolvidos. Hoje, o estudo é prioridade das mulheres Terena. A saída é por meio do ensino”, disse.

Descoberta de vida

Seguindo a programação, a dirigente do Cidadania e integrante do Igualdade 23, Raquel Dias, falou sobre o preconceito da sociedade brasileira em relação aos negros. Segundo ela, a mulher negra é forçada ao que ela classificou de “embraquecimento”. Para Raquel Dias, diariamente a mulher negra é forçada a perder sua identidade.

PROGRAMAÇÃO

O encontro prossegue neste domingo (23) às 9h com apresentação de documentários, palestras e rodas de conversa. Ao final do encontro será assinado um Acordo de Cooperação entre as instâncias Igualdade 23 e Mulheres 23. Veja abaixo a programação.

1º Encontro de Mulheres Negras e Indígenas do Cidadania

Dia 23/06

9h – Documentários

1. UMA LEI PARA TODAS
Provocação: Silvana Terena

2. A dona do terreiro
Provocação: Jô Abreu e Yalorixá e Griôt, Mãe Joana Bastos
Mediadora: Elissa Felipe

10h30 – Troca de Saberes

1. ARTE NEGRA COM EMPODERAMENTO JUVENIL
Suelen Saboia

2. O GRAFISMO E ETNODESIGN
Benilda Kadiweu

3.ECONOMIA CRIATIVA
SOL ( Solisangela Montes)
Mediadora: Raquel Dias

11h- Apresentação do vídeo: Agradeça a uma feminista

Apresentação do livro: Myrtes Bevilacqua. Memórias em Fragmentos

Elissa Felipe
Secretária Nacional M23

Tereza Vitale
Secretária Nacional M23

12h30 – Almoço

14 – Roda de Conversa

VIOLÊNCIA: OS NÚMEROS E CAUSAS QUE FALAM SOBRE SER MULHER INDÍGENA E SOBRE SER MULHER NEGRA

Juliet Matos
Secretária nacional M23

Márcia Ledesma
Secretária Nacional M23

15h- Apresentação Cultural

POESIA NA LÍNGUA KADIWEU
Benilda Kadiweu

16h – Assinatura de Acordo de Cooperação

Igualdade 23 (Juliana) e Mulheres 23 (Raquel Dias)

17h – Encerramento

Elissa Felipe
Juliet Matos
Marcia Ledesma
Raquel Dias
Tereza Vitale

Transmissão

Para aqueles que não assistiram a transmissão ao vivo e queiram rever o encontro pode acessar o canal do Cidadania no Youtube (aqui).