Marcha dos Prefeitos é largada pré-eleitoral

NAS ENTRELINHAS

Neste ano, por causa dos vetos às desonerações da folha de pagamento com a Previdência dos pequenos municípios, Lula enfrentou uma plateia mais difícil

Não foi à toa que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido na Marcha dos Prefeitos com um misto de vaias e aplausos. O evento ocorre num ano eleitoral, no qual governo e oposição se digladiam em busca de apoios políticos e votos. Prefeitos em dificuldades financeiras e eleitorais gostam de terceirizar seus problemas e transferir responsabilidades. Se as dificuldades de Lula com o Congresso resultam do fato de que o PT somente elegeu 70 deputados, em todo o país, o partido de Lula, nas eleições de 2020, elegeu 183 prefeitos e 258 vice-prefeitos, num universo de 5.567 municípios.

Os cinco partidos que mais elegeram prefeitos foram MDB (772), PP (680), PSD (649), PSDB (512) e DEM, hoje União Brasil (459). Das 95 cidades com mais de 200 mil eleitores no país, o PSDB venceu a eleição em nove delas, seguido de MDB (6), DEM e PSD (5), PP (4) e PL (2). Cidadania, PDT, Podemos, PSB, PSC e Solidariedade elegeram um prefeito cada. Entretanto, com a eleição de Lula, em 2022, para seu terceiro mandato na Presidência, inicia-se um processo de migração de prefeitos de outras legendas para o PT. O partido conta, agora, com 265 prefeituras.

Os maiores índices de migração aconteceram em cidades do Nordeste. No Ceará, de 18 eleitos, em 2020, agora são 45 prefeituras. Piauí, onde o PT elegeu 24 prefeitos, atualmente conta com 51. E a Bahia, que saltou de 32 para 49. Embora de forma mais modesta, também houve avanço no Sudeste. São três novas prefeituras em Minas Gerais, que agora tem 31, e outras duas no Rio de Janeiro, que passou a ter três cidades governadas por petistas.

Reverte-se um processo de profundo declínio, iniciado em 2012, quando PT elegeu 644 prefeitos, em meio à Lava-Jato. Com a turbulência política no país a partir de 2013, três anos depois, viu a representatividade cair para 256 eleitos. Em 2020, reduziu ainda mais sua representação nas prefeituras, com apenas 183 eleitos. Ou seja, mesmo presentes, os petistas são poucos em relação aos 3 mil prefeitos que comparecem ao evento, que reúne cerca de 10.500 pessoas, entre as quais vice-prefeitos, secretários municipais e vereadores, e só termina amanhã.

A Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios contou também com a participação do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que estão com o prestígio em alta por causa da queda de braço com Lula na questão das desonerações fiscais. Encontros de prefeitos sempre foram momentos difíceis para presidentes da República, ainda mais em ano eleitoral, quando o evento praticamente dá a largada geral para a disputa.

Neste ano, por causa dos vetos às desonerações da folha de pagamento com a Previdência dos pequenos municípios, Lula enfrentou uma plateia ainda mais difícil, embora seja um craque em reuniões desse tipo. Sabe lidar com vaias e administrar ambientes adversos para sair por cima, graças à experiência dos agitados tempos sindicais. Não foi para o encontro de mãos vazias. Além de levar os ministros diretamente envolvidos com assuntos municipais, anunciou a renegociação de dívidas previdenciárias das prefeituras e pediu que as eleições municipais deste ano não causem a perda da civilidade entre adversários. (Correio Braziliense – 22/05/2024)

Leia também

Valdemar é o artífice da aliança com Lira e Pacheco

Quando se olha para o tabuleiro político, o que se vê é a forma eficiente como os aliados do ex-presidente Bolsonaro operam posições estratégicas no Congresso.

Quanto mais Lula reza, mais assombrações aparecem

Segundo relatório da CGU, em mais um exemplo de patrimonialismo oligárquico, 80% da estrada custeada pela emenda beneficiou propriedades de Juscelino e de seus parentes.

Pacheco devolve parcialmente MP do PIS-Pasep

"O governo esperava arrecadar R$ 29,2 bilhões com a MP, para compensar, com sobras, as desonerações da folha de pagamento, estimada em R$ 26,3 bilhões", lembra o jornalista.

França, Bélgica e Alemanha: direita, volver!

A revolução digital desencadeou um processo de modernização cuja velocidade as instituições democráticas não estão preparadas para acompanhar.

Os bons rapazes ainda estão perdendo na política

A delação premiada consiste em o acusado ou indiciado dar detalhes sobre o crime cometido em troca de benefícios, como progressão do regime ou a redução da pena.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!