Diretrizes orçamentárias contingenciam o governo Lula

NAS ENTRELINHAS

Para fechar com chave de ouro a LDO, os recursos destinados às eleições municipais passaram de R$ 900 milhões para surreais R$ 4,9 bilhões

Alguém já disse que a política é a economia concentrada. Via de regra, acompanhamos a política econômica a partir das decisões dos ministérios da Fazenda e do Planejamento, não damos muita atenção às decisões de natureza econômica tomada pelo Congresso, muitas vezes no âmbito das comissões técnicas da Câmara e do Senado, que deliberam em caráter terminativo no caso de leis ordinárias, exceto quando há recurso ao plenário. Damos mais atenção às articulações de bastidor e à trama política para ocupação de espaços de poder na votação dessas matérias. A grande exceção é a aprovação do Orçamento da União.

O Congresso aprovou, nesta terça-feira, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024, que estabelece as regras para elaboração do Orçamento do ano que vem, que ainda será votado. Gastos e as metas são detalhados no Orçamento, mas as regras do jogo são estabelecidas pela LDO. A grande novidade deste ano não foi o avanço em relação aos investimentos do governo federal, que já vinha ocorrendo ano a ano, mas o calendário para excecução obrigatória dessas emendas pelo Executivo.

Até então, essa era uma prerrogativa do Ministério da Fazenda, habilmente usada como moeda de troca pelo Palácio do Planalto na aprovação de seus projetos. Entretanto, com o calendário, o governo ficou ainda mais refém do Parlamento. O colégio de líderes e, portanto, o próprio presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também perderam poder de intermediação das demandas do chamado “baixo clero” da Casa junto ao governo, o que vai tornar ainda mais complexa a relação entre o Executivo e o Legislativo.

As emendas impositivas são as individuais, ou seja, de autoria de cada deputado ou senador, e as de bancada são emendas coletivas destinadas aos estados. De autoria do deputado Danilo Forte (União-CE), agora a LDO prevê que o empenho (reserva) dos recursos deve ser feito 30 dias após a divulgação das propostas.

Como 2024 é um ano de eleições municipais, o pagamento deve ser feito no primeiro semestre de 2024, por meio de transferências fundo a fundo, da União para os entes federados, nas áreas de saúde e assistência social. Estão previstos R$ 48 bilhões para esses gastos, que não têm nenhum compromisso com os projetos estruturantes do governo federal, mas, sim, com os interesses imediatos da maioria dos parlamentares nas suas bases eleitorais.

O governo poderá contingenciar o pagamento apenas no caso das emendas de comissões da Câmara e do Senado, que não são impositivas, porém, na mesma proporção das suas despesas discricionárias, que não são obrigatórias. Ou seja, em vez de contingenciar, foi contingenciado a não adiar o pagamento de emendas. Em vez de investir em projetos estruturantes, terá de fazer um corte linear. Essas emendas foram “anabolizadas” após o Supremo Tribunal Federal (STF) acabar com o chamado orçamento secreto, considerado inconstitucional.

‘Fundo eleitoral’

Segundo a LDO, pelo menos 0,9% da receita corrente líquida (RCL) de 2022 será destinado às emendas de comissão, sendo dois terços para a Câmara e um terço para o Senado. São mais R$ 11,3 bilhões sob controle de deputados e senadores. Em 2002, foram R$ 329,4 milhões; neste ano, R$ 6,9 bilhões. Agora, quase dobrou. Forte, porém, manteve a meta de deficit zero para 2024, o que atende à narrativa da equipe econômica, mas parece até cinismo diante da voracidade do Congresso em relação ao Orçamento da União de 2024.

O fato de R$ 5 bilhões em investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) terem ficado fora da meta fiscal das estatais federais corrobora a sensação de que a meta de deficit zero foi mantida por mera formalidade, embora isso possa ter consequências muito sérias para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se não for cumprida, em caso de perda de sustentação no Congresso. Poderá até ser pretexto para um impeachment, vide as famosas pedaladas fiscais do governo Dilma Rousseff, se a meta não for alterada em caso de deficit fiscal.

Para fechar com chave de ouro a LDO, os recursos destinados às eleições municipais passaram de R$ 900 milhões, o que era irreal, para surreais R$ 4,9 bilhões, que serão administrados pela cúpula dos partidos. A lei ainda não prevê a origem desses recursos, o que vai gerar uma queda de braços entre o Executivo e o Congresso na hora de aprovar o Orçamento de 2024: a Fazenda quer que o dinheiro saia das emendas de comissão, os parlamentares pretendem pongar os recursos do PAC. (Correio Braziliense – 20/12/2023)

Leia também

Lula chamou Netanyahu para dançar um minueto

Lula errou politicamente. Não sabemos se foi arroubo de oratória ou deliberado. Não vai se desculpar, porém já sabe que precisa relativizar as declarações sobre a guerra de Gaza.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Muitos militares não assimilaram a nova doutrina de defesa

A velha doutrina de segurança nacional se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso quando os EUA apoiaram o Reino Unido contra a Argentina.

A mutilação do progresso

As greves na educação provocam mais danos que as da indústria.

Preservar as Forças Armadas faz bem à democracia

Se tem uma coisa que sempre perturbou a vida democrática do país é a anarquia nas Forças Armadas, com recorrentes indisciplina e quebra de hierarquia nas crises políticas.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!