Vinicius Torres Freire: Mudança na equipe econômica de Lula tem um tanto de mistério

A indicação de Gabriel Galípolo para o BC é um contraponto a certas ideias petistas; seu substituto, um mistério

A indicação de Gabriel Galípolo para o Banco Central motivou as especulações de praxe sobre a política para a taxa de juros, grosso modo. Rendeu muito menos conversa a nomeação de Dario Durigan para o lugar de Galípolo, o de secretário-executivo, vice-ministro da Fazenda de Fernando Haddad.

A desproporção do debate, ou da fofoca, sobre as nomeações não faz muito sentido. Galípolo no Banco Central não vai provocar reviravolta, por vários motivos. O papel de Durigan como vice-ministro da Fazenda é um mistério e a mudança é precoce. Talvez Haddad quisesse ocupar um lugar no BC antes que alguém sugerisse a Lula um nome ruim.

Durigan, 39, graduou-se em direito na USP e é mestre em direito pela UnB. Sua dissertação de mestrado, “Desobediência Democrática no Brasil” (2020), é uma discussão atualizada da ideia de desobediência civil, da perspectiva do contexto brasileiro recente. Até 2020, fez carreira no serviço público, em assuntos jurídicos. Desde então, trabalha na área de relações institucionais do Meta/WhatsApp.

Essa formação não é demérito. Mas nada tem a ver com economia, na teoria ou na prática. Durigan pode ser um articulador político, com experiência nas burocracias do estado, em particular em seus meandros jurídicos. Foi escalado na mesma posição de Galípolo, mas função tática e habilidades são outras. Por ora, uma incógnita.

Galípolo é um contraponto às ideias econômicas mais anacrônicas e equivocadas do petismo. Opõe-se a tabelamentos, decretos de intervenção em atividade econômica ou estatais, desestatizações equivocadas. Sugere incentivos ao investimento privado. É a favor de algum teto de gastos (como é o dito arcabouço fiscal). Presidiu um banco pequeno, o Fator, e foi consultor de concessões e parcerias público-privadas.

Tem a simpatia de Luiz Inácio Lula da Silva e se dá bem com as lideranças de centrão e da Câmara, inclusive com Arthur Lira (PP-AL). Já antes de ir para o governo, era muito ouvido por Haddad, em especial sobre mercados financeiros, assuntos fiscais e investimentos.

A julgar pelos preços da praça financeira, os donos do dinheiro na finança deram de ombros para as nomeações, até agora, pelo menos.

Ainda que Galípolo fosse ou vá compor a “bancada governista” no BC, será muito minoritário até fins de 2024, ao lado do outro indicado, Ailton dos Santos, uma incógnita e funcionário de carreira da instituição. De qualquer modo, sabe que o trabalho no BC não é o de “virar voto” ou causar tumulto. É preciso persuadir; há limites institucionais (metas de inflação e suas implicações técnicas ou argumentativas) e a finança para tourear.

E não é só isso.

É muito difícil dizer se a Selic deveria estar em 14% ou 13,25% ao ano, mesmo se fosse possível abstrair o contexto político. Ou dizer se a taxa básica deve terminar o ano em 13,75%, presente caso da direção do BC, ou 12,5%, como está em previsões de economistas do setor privado ou indicam as taxas de juros da praça.

Quanto menos dúvida houver sobre o crescimento da dívida pública ou sobre metas de inflação, por exemplo, menos improvável que a Selic termine este 2023 mais para baixo. Na ponta do lápis do BC, fica em 13,75% até perder de vista. Mas até essa perspectiva dura pode ajudar a conter expectativas de inflação e facilitar a queda de juros, tudo mais constante. De qualquer modo, note-se, não vão ser esses pontos de percentagem que farão o país crescer mais, nem mesmo no curto prazo.

Galípolo pode até mudar a perspectiva da discussão. Mas não tem muito como escapar desse campo de jogo. Claro que, se Lula fizer uma maioria heterodoxa aloprada no BC de 2025 (ou indicar que vai fazê-lo), tudo muda. Para começar, haveria um tumulto tão grande que o tiro sairia pela culatra.

Pode bem acontecer. Mas não é a perspectiva, agora. Interessante é saber o que Haddad pretende, na Fazenda e, mais adiante, no BC. (Folha de S. Paulo – 10/05/2023)

Leia também

A luz do poeta Joaquim Cardozo na arquitetura de Brasília

NAS ENTRELINHASMuitos arquitetos e engenheiros vieram para Brasília com...

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!