Nelson Mota: Alegria e anarquia, amor e humor, música e poesia

Pecadora incorrigível, Santa Rita de Sampa é a padroeira da dança, do sexo e da celebração da vida

Rita Lee transborda em muito a música brasileira, mesmo sendo um dos nossos maiores compositores e intérpretes de todos os tempos, e a nossa maior letrista — que abriu caminho para as mulheres, que eram relegadas a intérpretes, poderem se expressar na música popular. É uma heroína na luta contra o machismo, os preconceitos de gênero, classe, raça, idade, a violência contra animais, o autoritarismo e, em princípio, contra qualquer proibição.

Guerreira anárquica da liberdade, abriu caminhos e cabeças com seu humor, sua irreverência e sua inteligência, criticando o conservadorismo e a caretice, e fazendo da transgressão a sua maior inspiração, tanto que até o fim da censura, em 1988, ninguém teve mais músicas proibidas do que ela.

Rebelde incorrigível dos primeiros até seus últimos dias, escreveu a mais sincera e crua autobiografia de artista que conheço, contando em detalhes e “sem perfumar sua flor, sem poetizar seu poema”, como dizia João Cabral, a sua extraordinária história de vida pessoal e artística, com humor agudo e autodeboche sem piedade, seus mergulhos nos infernos das drogas e do álcool, e como saiu de todos eles machucada mas íntegra, renascida e fortalecida, e sua arrebatadora história de amor com Roberto de Carvalho, que fez deles uma só entidade musical em duas pessoas que se amaram apaixonadamente e superaram todos os desencontros e dores do amor fazendo arte. E filhos.

Ao contrário do que ela dizia (“Não sou exemplo para ninguém, mas sou gente fina”), tornou-se um exemplo libertador e inspirador para várias gerações de garotas brasileiras, e garotos e não binários também, cantando o prazer e a alegria do amor e do sexo sem pudor, da força e do poder da mulher, da coragem de viver intensamente seus desejos e aspirações. De arrebentar com o patriarcado a golpes de humor, amor e rock and roll, rebolando a bunda e fazendo todo mundo dançar com o corpo livre e sem respeito a limites.

Sua trajetória artística também transcende a música, com suas participações em vários programas de televisão, sempre no binômio amor-humor, fazendo crítica social, discutindo comportamento, ensinando e divertindo sempre, cada vez melhor com o tempo. Foi da eterna adolescente rebelde à mulher madura que destruiu preconceitos de envelhecimento e idade com sua atividade e sua beleza. E o poder de sua arte imortal.

Pecadora incorrigível, Santa Rita de Sampa é a padroeira da dança, do sexo e da alegria, da celebração da vida em liberdade de homens e mulheres, de humanos e bichos, de diferentes e iguais. Além de eterna, será sempre moderna. (O Globo – 10/05/2023)

Leia também

Cristovam Buarque: Lula e Netanyahu

A corajosa declaração de Lula deixa-o ao lado dos humanistas contra a desumanidade.

Marco Aurélio Nogueira: Luiz Werneck Vianna (1938-2024)

Homenageá-lo hoje é manter viva a memória de um combativo, erudito, generoso e indignado intelectual, que olhou um país desigual, injusto e violento como o Brasil com lucidez e esperança.

Flávio Dino amplia a interlocução de Lula com Supremo

Gilmar e Toffoli foram os principais interlocutores do Supremo com o mundo político, mas Lula tem, agora, outros dois ministros de suas relações de confiança. Há limites éticos para isso.

As dívidas da democracia

Por sorte, dessa vez, o atentado da máfia golpista fracassou devido à incompetência e ao despreparo do líder, um militar da reserva que, por pouco, não foi expulso do Exército por indisciplina na década de 1980.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!