Luiz Carlos Azedo: Entre o mito do super-herói e a fama de traidor

NAS ENTRELINHAS – CORREIO BRAZILIENSE

Do Val pode ser o elo perdido da conspiração para impedir a posse do Lula e, depois, para destituí-lo. A sua reunião com o presidente Bolsonaro e Daniel Silveira se encaixa perfeitamente na trama golpista

Autor do best-seller O Nome da Rosa, o escritor italiano Umberto Eco nasceu em 1932, em Alessandria, no noroeste da Itália, e cresceu à sombra do fascismo. Aos 10 anos, venceu um concurso de redação sobre o tema “Devemos morrer pela glória de Mussolini e pelo destino imortal da Itália?”. Muitos anos mais tarde, num ensaio publicado no The New York Review of Books, relembrou o episódio para explicar as muitas faces do fascismo: “Minha resposta foi positiva. Eu era um garoto esperto”, escreveu, ironicamente.

Para ele, uma das características do fascismo é a obsessão pela trama, segundo a qual todos os eventos da história são resultados de conluios secretos. Obviamente, essa é uma das características de seus livros, entre os quais O pêndulo de Foucault, Cemitério de Praga e Seis passeios pelos bosques da ficção. Número Zero, o último romance de Eco, põe em cena um jornalista italiano que tenta provar a tese de que Mussolini não foi morto em 1945. Umberto Eco era um estudioso da cultura de massas, em particular dos heróis das histórias em quadrinhos.

É o caso, por exemplo, do Superman. Eco define a mitificação como um simbolismo inconsciente, a identificação nem sempre racional, que projeta desejos, comportamentos e medos emergente nos indivíduos, nas comunidades ou em toda uma época histórica. O Superman é um mito moderno. O herói dotado de poderes superiores aos do homem comum é uma constante da imaginação popular.

Entretanto, os super-heróis das histórias em quadrinhos se humanizam na medida em que alguns de seus atributos são os mesmos de um homem comum, como é o caso do personagem Clark Kent, o herói que possui uma identidade secreta. Com óculos e penteado diferenciado, Clark consegue confundir seus colegas de trabalho e fazer com que ninguém desconfie que, na verdade, é o Superman. A aproximação entre o herói e o leitor se dá no campo dessa possibilidade.

O homem comum pode exercer a mesma virtude, aquela que dará o desfecho mais importante da história, mas não é baseada na força física ou em características supra-humanas. No trabalho, Kent é um tanto atrapalhado, não tem projeção social relevante e é míope, apesar de ter uma visão de raio-x. Constrói-se um mito, também, pela identificação e aproximação. O indivíduo comum, funcionário, sem recursos, dotes e força, se identifica imediatamente.

Eco era professor da Universidade de Bolonha, nos campos da crítica cultural, da semiologia e do medievalismo, além de romancista. Como ensaísta e crítico, navegou entre James Joyce e o Super-Homem. Morreu em decorrência de câncer, em 19 de fevereiro de 2016, aos 84 anos, em Milão, na companhia da mulher e de 30.000 livros. Em 2015, ao ser homenageado na Universidade de Torino, criou grande polêmica ao dizer que a internet deu voz a multidões de imbecis.

Teorias conspiratórias

O senador Marcos Do Val (Podemos-ES) é um personagem das redes sociais que nos remete às histórias em quadrinhos. Criado por um velho mestre japonês de Aikido, arte marcial na qual é faixa-preta 2º dan, depois de prestar serviço militar no Exército, no início dos anos 1990, fundou a CATI, empresa de segurança voltada ao treinamento avançado de policiais, focado no uso não violento da força. Por meio dessa empresa, ministrou cursos e palestras que visam a difusão de diversas técnicas e doutrinas inerentes a abordagens e imobilizações táticas não letais.

Ganhou fama após se tornar instrutor da polícia de Dallas, Texas, nos EUA, nas unidades da SWAT, no final dos anos 1990. Isso lhe abriu as portas para o treinamento de agentes do FBI, DEA, U.S. Marshalls, o grupo antiterrorismo da equipe de Operações Especiais da Nasa (a Marshall Space Flight Center), a segurança do Vaticano, a Carabineri da Polícia de Roma e para militares das Forças Armadas Americanas. Tornou-se, assim, uma espécie de mito entre os capixabas e ganhou muita projeção nas redes sociais entre os bolsonaristas, que lhe garantiu a eleição ao Senado.

Do Val pode ser o elo perdido da conspiração para impedir a posse do Lula e, depois, para destituí-lo, em 8 de janeiro. A sua reunião com o presidente Jair Bolsonaro e Daniel Silveira, na qual teria sido proposto que gravasse uma conversa comprometedora com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, se encaixa perfeitamente na trama golpista. Os dois supostos encontros com o ministro, no qual relatou o convite e as conversas ocorridas no encontro, também. A troca de mensagens com Silveira, idem.

Isso explicaria o teor da minuta de decreto encontrada na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, outros fatos protagonizados por Bolsonaro e seus aliados de extrema direita, bem como as decisões tomadas por Moraes na sequência desses episódios. Mas acontece que, a cada entrevista, Do Val muda a versão dos fatos, a ponto de não lembrar se a reunião clandestina com Bolsonaro foi no Palácio do Alvorada ou na Granja do Torto.

É aí que surgem as teorias conspiratórias de que estaria fazendo a denúncia para provocar uma CPI no Senado ou, mesmo, provocar o afastamento de Moraes nas investigações. Num de seus depoimentos, queixou-se de ser chamado de traidor nas redes sociais pelos bolsonaristas, o que teria motivado a sua decisão de contar tudo o que sabe. Tanta contradição, agora, também alimenta a tese de que Do Val se tornou um mitômano. A persona do super-herói nas redes sociais está sendo desconstruída por seus adversários de esquerda e antigos aliados de direita. (Correio Braziliense – 03/02/2023)

Leia também

“Rocada” democrata é aposta multiétnica contra Trump

NAS ENTRELINHASKamala protagonizará um choque dramático entre dois Estados...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!