Míriam Leitão: Entre os ruídos e a nova melodia

Governo precisa acertar o tom na economia, para que esses ruídos não atrapalhem a melodia que voltou a ser ouvida em diversos pontos de Brasília

Existem os ruídos e a melodia. É preciso alertar sobre os ruídos antes que eles desliguem a música que se ouviu de maneira tão forte aqui em Brasília nos últimos dias. Marina disse que a defesa do meio ambiente “não é uma forma de fazer, é uma forma de ser”. Silvio Almeida convocou cada um de nós para dizer que existimos e somos importantes para o Estado brasileiro. Os indígenas percorreram as salas da Funai, com cantos e chocalhos, tomando posse do que sempre foi deles. “Nada sobre nós sem nós”, disse Sonia Guajajara. Isso é música.

Brasília nesta transição de poder está tomada de emoção e está intensa. Posses, discursos, mudanças, declarações, conflitos, acertos e erros, tudo ao mesmo tempo. É um daqueles momentos em que a História se acelera. Toda a transição de poder tem seus fortes simbolismos, mas essa ocorre depois de um longo padecimento do país e de um ataque direto à democracia.

A Marina voltou. A posse dela não podia ser no auditório do Ibama porque era pequeno, pensou-se no CCBB e acabou sendo no auditório do Planalto, que também não foi o suficiente. Ela falou em “estancar a barbárie”. Não exagerava. É impossível esquecer que lá se sentou um ministro que sugeriu aproveitar a pandemia para destruir mais o meio ambiente. E o fez numa reunião naquele mesmo Planalto onde ontem se firmava o pacto de proteção das nossas florestas. O Fundo Amazônia voltou. O Conama voltou. O respeito aos servidores do Ibama, ICMBio, Serviço Florestal Brasileiro voltou. Isso é música.

No meio disso houve muito ruído nos últimos dias. Os combustíveis fósseis continuarão não pagando impostos aos cofres federais e isso tira deles mais de R$ 50 bi por ano se a medida for mantida. Não combina com um governo que promete combater a mudança climática e o déficit público. O ministro da Previdência defendeu a tese mais velha, mais equivocada e mais perigosa para o equilíbrio previdenciário que é dizer que o déficit não existe. O ministro do Trabalho diz que vai acabar com um dos poucos acessos do trabalhador ao seu dinheiro, suspendendo o saque-aniversário do FGTS. Deveria melhorá-lo. Hoje, quem faz o saque não tem acesso ao Fundo de Garantia durante dois anos mesmo se for demitido. Ontem, diminuiu um pouco o ruído que tem sido insistente de que o governo vai controlar o preço dos combustíveis. O governo deu sinais ruins nestes primeiros dias e de novo na economia. Sempre ela.

A economia não pode continuar sendo aquele lugar em que o PT erra quando coloca em prática as suas ideias. Para cumprir seu ideal de inclusão, de redução da pobreza, de combate às desigualdades, é preciso estabilidade econômica. Ontem, o governo negou que vá desfazer a reforma da Previdência. Isso não tem mesmo cabimento. Todos os governos, inclusive o primeiro de Lula, fizeram reformas na Previdência.

O vice-presidente, Geraldo Alckmin, ao assumir o Ministério do Desenvolvimento, prometeu unir inovação, inclusão social e sustentabilidade ambiental. Quer que o Brasil volte a ter uma indústria forte, mas que esteja mais integrada às cadeias globais de produção e aproveite o momento geopolítico mundial que pode abrir novas oportunidade de negócios. Isso parece música, se não bater nas ideias antigas de protecionismo e subsídio à indústria.

No domingo da posse, o mercado financeiro ouviu com desconfiança certas partes do discurso de Lula, que eram estranhas mesmo, e desabou no dia seguinte. O problema é que só ouviu o ruído. O jornal mais famoso do mundo percebeu a música. Na capa, o “New York Times” trouxe uma enorme foto da diversidade brasileira subindo a rampa. O jornal favorito do mundo das finanças, o “Financial Times”, ressaltou na primeira página que “Lula impõe controle mais rigoroso de armas e contém garimpo na Amazônia”. O mercado brasileiro tem visão curta, é verdade, mas é melhor interromper a sucessão de ruídos produzidos pela bateção de cabeças na área econômica. Esse será o assunto da primeira reunião que o presidente Lula convocou para amanhã.

O governo precisa acertar o tom, porque há muita coisa voltando ao lugar certo. Na Saúde, a ministra disse que as decisões serão tomadas com base na ciência, na Educação, o ministro terminou o discurso citando Paulo Freire. O Ministério do Meio Ambiente vai proteger a floresta, o das Mulheres defenderá as mulheres, o da Cultura vai promover a cultura. Tudo isso é música. (O Globo – 05/01/2023)

Leia também

“Rocada” democrata é aposta multiétnica contra Trump

NAS ENTRELINHASKamala protagonizará um choque dramático entre dois Estados...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!