Míriam Leitão: No deserto, a visão da floresta

Marina fala sobre como pode ser a reconstrução da política ambiental no país e diz que o mundo quer ajudar o Brasil

Marina viajou pelo deserto no Egito. “Foram quase três horas até o Monte Sinai e comecei a ficar angustiada. Quando os cientistas dizem que o desmatamento transformará a Amazônia em um deserto é disso que se trata. Nós temos esse privilégio, produzimos a nossa própria chuva. O agronegócio é uma potência porque temos essa potência florestal, uma parte do agronegócio já entendeu isso”. A Amazônia é de fato uma fábrica de chuvas para todo o país. É esse patrimônio que o governo Lula quer de novo proteger, mas agora será muito mais difícil do que há vinte anos porque o crime avançou muito. A ex-ministra sabe o que é preciso fazer para reconstruir a ação do governo nessa área. Ela defende também a criação de um órgão técnico, que tem sido chamado de Autoridade Climática.

— O presidente Lula deu o sinal, durante a campanha e agora diante da comunidade internacional, de que a questão ambiental terá alta prioridade em seu governo. Os instrumentos da ação governamental terão que ser atualizados, e alguns mantidos, como o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento, o PPCDAm. Houve um desmonte das instituições de monitoramento, de fiscalização e de gestão. Houve também uma desconstrução dos orçamentos. Equipes técnicas foram substituídas por policiais sem afinidade com a questão ambiental. O governo punia os agentes quando eles combatiam criminosos e mudava as leis para elas ficarem em conformidade com o crime —afirmou Marina Silva em uma entrevista que me concedeu para a Globonews.

Ela concorda que o governo tem que ser da frente democrática, mas ressalta o protagonismo do PT.

— A Frente Ampla precisa entender que o PT é majoritário, foram eles que estiveram com o presidente Lula durante todo o tempo. Quando surgiu aquela ideia de usar mais branco, ouvi algo que me tocou muito. Duas pessoas simples conversando e um disse. ‘Estão querendo tirar o nosso vermelho, mas quando a gente estava na porta da prisão em Curitiba era com as bandeiras vermelhas’. Temos que ter muita sensibilidade para isso.

Marina voltou agora da COP 27, no Egito, e lá conversou com todo mundo que era relevante. Perguntei o que ela ouviu de John Kerry, o representante do governo Biden para o clima.

– A primeira coisa que John Kerry me disse foi parabenizar o Brasil. Falou da alegria que os Estados Unidos e ele pessoalmente tinham em ver o Brasil voltando ao protagonismo da agenda climática e reassumindo seu compromisso com a democracia. E falou em vontade de cooperar financeiramente com o Brasil. Ouvi o mesmo dos ministros da Alemanha, Noruega, Reino Unido, Canadá, diretores do Banco Mundial.

Na visão da ex-ministra do Meio Ambiente, o presidente Lula tem demonstrado em todos os seus atos e discursos absoluta consciência da centralidade do problema ambiental e climático e como isso inclui a questão social, que sempre o preocupou, e inclui também a defesa dos povos indígenas. Sua ida à COP mostrou isso.

Marina defende a ideia de que o governo crie uma espécie de autoridade climática, inspirada na autoridade monetária, ou na de risco nuclear que já existem. Para que haja alguém de perfil técnico acompanhando a redução das emissões de gases de efeito estufa.

– O Brasil é um país vulnerável. A agricultura já está pagando um preço alto pelo desequilíbrio climático.

Outro ponto sensível da nova política ambiental é a da energia. Foram exatamente o conflito com o agronegócio e sua divergência em relação às hidrelétricas na Amazônia que a separaram do PT, de Lula. Sobre a energia, ela lembrou as declarações recentes de Lula em favor de que só sejam feitas na Amazônia as usinas cujo aproveitamento não impliquem em riscos para o meio ambiente e para a população local. E ele considera que há outras fontes, como solar, eólica e biomassa.

Marina gosta de tons terrosos. Assim é sua roupa, sua maquiagem e seus enfeites da artesania indígena. Ela é terra, e usou a imagem do barro para falar da reaproximação com Lula depois de tanto distanciamento.

– O presidente Lula está em paz, eu estou em paz. É como se houvesse uma argila endurecida, mas essa crise e o risco que a democracia correu amoleceram a argila. Quando vi tantos segmentos no palanque pensei em como isso era potente. Foi por um triz que a gente não perdeu. E o Brasil não podia perder. Agora temos que ter como governar. (O Globo – 24/11/2022)

Leia também

O “transformismo” tomou conta da política brasileira

Tanto nas alianças eleitorais, a começar por São Paulo, quanto nas recentes votações do Congresso, verifica-se a presença ascendente das forças de direita aliadas ao bolsonarismo.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!