Vinicius Torres Freire: Meninas prostitutas e suspeita de crime no ministério da Defesa

Fiscalização das urnas por militares e caso das venezuelanas são caso de polícia

O ministério da Defesa tem de entregar ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o relatório da fiscalização eleitoral ou de seja lá o que fuçaram nas urnas na eleição de 2 de outubro. O prazo acaba na quinta-feira (20), tempo bastante para que se invente alguma desculpa, farsa ou chicana a fim de se burlar a boa-fé.

Para explicar sua decisão, Alexandre de Moraes, ministro do TSE, afirmou também que esse trabalho das Forças Armadas pode ter sido em favor de um candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), o que em tese é desvio de finalidade e abuso de poder.

Ou seja, é suspeita de crime de militares em favor de um presidente-candidato. A gente não liga mais, pois a delinquência oficial foi normalizada, mas isso é muito grave.

Se bolar uma chicana ou entregar um papelucho farsesco, o ministério que administra as Forças Armadas terá procedido outra vez segundo o padrão do bolsonarismo: se flagrado, ainda mais sob risco de cadeia, minta, camufle ou choramingue pedindo desculpas como um covarde cínico.

É apenas uma das espécies de conduta mentirosa do gênero bolsonarista. Em geral, o programa é disseminar a confusão na conversa pública, desacreditar o debate e a pesquisa objetivos e, se puder, proibi-los —vide a ofensiva contra as pesquisas de opinião.

A covardia cínica é o modo de agir de Bolsonaro, como ficou outra vez evidente no caso das meninas venezuelanas que chamou de prostitutas. É também o caso de Damares Alves (Republicanos), senadora eleita pelo Distrito Federal, ex-ministra de Bolsonaro, que alardeou a história do tráfico de crianças pequenas para prostituição.

Trata-se de crimes nojentos. Bolsonaro e Damares até agora não disseram que providência tomaram em relação aos delitos de que tiveram conhecimento —se nada fizeram, é crime. Bolsonaro pediu desculpas chorosas com o fim de fazer propaganda eleitoral. Damares desconversou.

O ministério da Defesa, seu comando militar e outros oficiais superiores fizeram parte da campanha do presidente de desacreditar o método de votação brasileiro, ofensiva que era parte das campanhas golpistas de Bolsonaro (se ele perder a eleição, não vale).

Mais especificamente, esses militares disseram que fariam alguma espécie de fiscalização do sistema de votos e apuração. Usaram recursos públicos para tanto e, até agora, passadas mais de duas semanas da eleição, não se manifestaram publicamente sobre o assunto.

O plano militar era confuso o bastante para facilitar a burla. Podem dizer agora que não auditaram ou fiscalizaram nada e, portanto, não têm nada para entregar ao TSE. Seria uma chicana óbvia. É a estratégia ouvida de gente do Planalto.

Impedir que qualquer debate público seja razoável é o padrão de conduta bolsonarista. Isto é, abolir a conversa baseada em princípios aceitos de diálogo racional, no conhecimento das melhores informações disponíveis e na boa-fé.

Qualquer adulto sabe que a política atropela frequentemente esse corpo de princípios. Mas o bolsonarismo o tortura e o assassina; vilipendia o cadáver e o enterra em vala comum, em local desconhecido.

A guerra suja bolsonarista começa a suscitar reações da mesma categoria, vide a imundície crescente da campanha eleitoral. Sob Justiça tardia e pontual, quando não inoperante, salve-se quem puder.

Bolsonaro mente sem limite sobre qualquer coisa: sobre vacinas, estatísticas oficiais de emprego, urnas, ditadura militar, fantasmas da rachadinha. Não é ocasional, é mais do que um padrão: é um plano. Onde não houver confusão, haverá censura (sigilos de cem anos, proibição de pesquisas). A autocracia já é uma obra em progresso. (Folha de S. Paulo – 19/10/2022)

Vinicius Torres Freire, jornalista, foi secretário de Redação da Folha. É mestre em administração pública pela Universidade Harvard (EUA)

Leia também

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Confronto entre Irã e Israel escala a guerra de Gaza

NAS ENTRELINHASMuitos são os sinais de que um conflito...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!