Bruno Boghossian: Auxílios, vales e ameaças

Depois de esbravejar, abrir uma guerra política e lançar ameaças públicas à direção da Petrobras, o governo decidiu fazer algo parecido com governar. A equipe de Jair Bolsonaro e aliados do presidente começaram a discutir a ampliação do Auxílio Gás que é pago aos brasileiros mais pobres e a criação de um vale-combustível para os caminhoneiros.

Nenhuma das duas propostas resvala no que Bolsonaro chamou de “lucro estúpido” da Petrobras ou na “ganância incontrolável” da empresa, nas palavras do presidente da Câmara. Elas também não mexem na definição de preços dos combustíveis, que continuam sob forte aperto no mercado internacional.

O governo pode até oferecer um alívio imediato a grupos mais sensíveis e desviar o foco das tensões com a companhia, mas tudo indica que a pressão política sobre a Petrobras vai continuar. Bolsonaro já deu repetidos sinais de que pretende manter sua campanha de intimidação contra a empresa para evitar novos reajustes até a eleição.

O presidente tem pouca gordura política para queimar ao longo dos próximos meses. Qualquer aumento de preços a partir de agora pode ser suficiente para corroer o valor dos auxílios e vales entregues pelo governo, além de aborrecer ainda mais os milhões de motoristas que estão fora desses programas.

O time governista deve continuar trabalhando para que isso não aconteça. As ameaças preventivas lançadas sobre o novo comando da Petrobras, que ainda nem tomou posse, fazem parte dessa equação.

Os recados vieram em sequência. Aliados de Bolsonaro mantiveram a coleta de assinaturas para uma CPI e começaram a elaborar uma mudança na lei para facilitar a demissão de diretores daqui por diante. O chefe da Casa Civil cobrou “sensibilidade” da petroleira e o ministro de Minas e Energia falou em “sacrifício”.

Ninguém apresentou uma proposta concreta para mudar a política de preços da companhia. A ideia é que uma nova política já esteja valendo, na prática, até outubro. (Folha de S. Paulo – 22/06/2022)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!