Marcelo Godoy: O populismo e a banda podre

Por que dois candidatos ao governo de São Paulo – Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Márcio França (PSB) – atacam o programa de câmeras corporais da PM? Explicações simples, como a de que Tarcísio repete o padrão de negacionismo de seu mentor, o presidente Jair Bolsonaro, são insuficientes para entender a posição do candidato. Assim como acreditar que França, por querer separar as polícias estaduais em vez de integrá-las – política que nasceu com Mário Covas –, seja só mais um palpiteiro desinformado, desses que provocam desastres quando empalmam o poder.

O programa da PM tornou a polícia mais transparente, eficiente e moderna. Seja preto, branco, rico ou pobre, quem se relaciona com ela é filmado. Acabam o desacato, a cervejinha, a carteirada, o jeitinho que arredonda a vida para uns e desce o látego em outros. É a igualdade de todos perante a lei.

O PM honesto – a maioria da corporação – acrescenta à sua palavra a imagem de seus atos, desaconselhando falsas denúncias de interessados em conturbar a prova e manchar a instituição para ficar impune. Combate-se a viatura fazendo acerto ou execuções, como a do dentista negro Flávio Santana. E não será preciso esperar 40 anos pela confissão ao Estadão do coronel Erasmo Dias para saber a verdade sobre o caso Rota 66.

Com as câmeras, só um PM morreu em tiroteio em 2021, recorde em 31 anos. É que policiais passaram a respeitar procedimentos operacionais, impedindo a reação de bandidos. O equipamento salvou vidas de PMS.

Os batalhões que o adotaram reduziram em 87% as mortes de suspeitos, quase o dobro de unidades sem câmeras. Reações a abordagens caíram 32%, flagrantes cresceram 41% e apreensões de armas aumentaram 12,9%.

Ontem foi lançado o manifesto Câmeras Sim, na Universidade Zumbi dos Palmares. Disse o reitor José Vicente: “Essa ferramenta permite ao cidadão ter garantidas a integridade e a segurança. É experiência virtuosa”. Segundo a coronel Daniela Poletti, a prova judicial fica melhor. “A tecnologia mostra a importância do serviço da PM.”

Então por que França e Tarcísio são contra o programa? A resposta é o voto policial. A corporação dispõe de pesquisa com seus homens que mostra que o equipamento, apesar das vantagens, é impopular na tropa, que ainda vê nele um invasivo controle do comando sobre seu trabalho. E os policiais e suas famílias somam mais de 500 mil votos, essenciais às ambições da bancada da bala. É o populismo na Segurança que está por trás da repulsa às câmeras. Ao ceder aos humores da tropa, esse jeito de se fazer política ameaça tornar a PM ingovernável. A banda podre da sociedade agradece. (O Estado de S. Paulo – 22/06/2022)

Leia também

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Confronto entre Irã e Israel escala a guerra de Gaza

NAS ENTRELINHASMuitos são os sinais de que um conflito...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!