Paula Belmonte defende comissão da reforma tributária comprometida com a mudança

A deputada lembrou que há muitos anos se tenta fazer mudanças no sistema tributário do País (Foto: Robson Gonçalves)

A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) defendeu, nesta quarta-feira (4), que a comissão especial que trata da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma tributária tenha um compromisso com a “mudança verdadeira na vida das pessoas”.

A parlamentar afirmou que se emociona ao pensar no trabalho do colegiado e que desde a instalação dele enxerga crianças sorrindo e um País crescendo e se desenvolvendo. Na instalação da comissão, ela disse ter se sentido “vivendo um momento histórico para elaborar uma legislação que, com certeza, terá impacto na vida da população”.

A deputada lembrou que há muitos anos se tenta fazer a reforma tributária.

A parlamentar afirmou que se emociona ao pensar no trabalho do colegiado (Foto: Robson Gonçalves)

“E eu peço que tenhamos cautela para fazermos um texto-base. Não adianta um prédio bonito sem uma fundação sólida. Um texto-base é fundamental, pois 45 dias para tratar de assuntos tão relevantes e complexos é muito pouco. Então tenhamos cautela para desonerar [pessoas e empresas], para promover o desenvolvimento econômico, para fazer com que o País seja reconhecido como uma lugar que tem segurança jurídica e democracia”, disse.

Jorge Kajuru defende reforma para tornar sistema tributário menos complexo

“No Brasil, quem paga imposto é pobre. Ricos não pagam”, afirmou o senador do Cidadania de Goiás (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) afirmou que a discussão da reforma tributária pela comissão especial mista do Congresso Nacional instalada na semana passada deve observar princípios que tornem o sistema nacional menos complexo e atendam aos interesses do setor produtivo e dos contribuintes pessoas físicas.

Ele lembrou que o objetivo da comissão mista de senadores e deputados é formular um texto unificado, a partir de propostas que já tramitam nas duas casas, e lamentou que um grupo de trabalho criado pelo Executivo para estudar o tema está há três meses sem se reunir e não cumpriu o prazo estabelecido para a formulação de ideias.

Para Jorge Kajuru, o Brasil precisa ter um sistema tributário mais justo, fazendo com que os mais ricos passem a pagar impostos

“No Brasil, quem paga imposto é pobre. Ricos não pagam”, afirmou

“Fundamental na discussão que vamos empreender sobre a reforma tributária é estarmos atentos para que o resultado do trabalho do Legislativo esteja à altura das necessidades do Brasil, um país extremamente rico, mas avaro na qualidade de vida que oferece para a sua população”, completou.

Kajuru voltou a questionar quais foram os critérios usados pelo governo na distribuição de verba extra no valor de R$ 3,8 bilhões, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional, na última semana de dezembro. Segundo ele, é preciso dar transparência a essa medida, para que a população possa concluir se a distribuição tenha ou não sido direcionada para atender a interesses políticos e eleitorais de um pequeno grupo de parlamentares. (Agência Senado)