Reforma tributária é vitória estratégica de Lula

Além do ganho de produtividade e de qualidade do financiamento da máquina pública, a reforma dará mais segurança jurídica aos negócios e investimentos

Há 30 anos em discussão no Brasil, a reforma tributária (PEC 45/2019) foi aprovada na sexta-feira com o plenário praticamente vazio, mas com 510 deputados presentes, a maioria remotamente, por 365 votos a favor e 118 contrários, além de uma abstenção. Na primeira rodada de apreciação, o placar foi de 371 a 121, com três abstenções. Agora, será promulgada pelo presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), depois de muita negociação com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e os relatores das duas casas legislativas, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) e o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), em razão das mudanças feitas pelo Senado.

A reforma é uma vitória estratégica do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estabeleceu a mudança da estrutura tributária como prioridade de seu primeiro ano de governo, e fortalece o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que a negociou exaustivamente com deputados e senadores. Seu principal artífice foi o economista Bernard Appy, secretário extraordinário da Reforma Tributária de Haddad, que enfrentou forte contestação do ex-secretário de Receita do governo Fernando Henrique Cardoso Everardo Maciel, muito respeitado como tributarista. No Congresso, o deputado Luís Carlos Hauly (Podemos-PR), batalhou pela reforma por sete mandatos e participou de todos os debates sobre o tema, com a experiência de ex-prefeito e ex-secretário estadual de Fazenda no Paraná.

O novo sistema tributário transforma cinco tributos (ICMS, ISS, IPI, PIS e Cofins) no Imposto sobre Valor Agregado (IVA) dual: o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) vai substituir os tributos estadual e municipal e a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) ficará em lugar dos tributos federais. O texto estipula a alíquota padrão a ser paga na maioria dos produtos. Haverá uma alíquota reduzida, de 30%, 60% ou 70% para produtos ou serviços considerados exceção nos debates da Câmara. A PEC criou, ainda, o Imposto Seletivo (IS), para sobretaxar produtos que façam mal à saúde.

Desde o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), discutia-se a substituição do imposto sobre circulação de mercadorias (ICMS), recolhido na fonte, em exceção dos combustíveis, e outros tributos, pelo imposto sobre valor agregado (IVA), que será arrecadado no destino, o coração da reforma tributária. A grande dificuldade era refazer o pacto federativo. A Constituição de 1988 manteve o sistema tributário vigente desde a década de 1960 e as alterações que fez só foram possíveis porque havia moedas de troca para atender as diversas regiões do país, como a Sudene e a Sudan, o extinto Fundap, no Espírito Santo, a Zona Franca de Manaus e diversos subsídios. Para ser aprovada agora, não foi muito diferente, foram feitas muitas concessões, que podem reduzir seu impacto imediato, mas não alteram a essência da mudança.

Inovação e transição

A forma como foi aprovada, por votação remota, traduz a marca da reforma: a inovação. Muitas pessoas associam a inovação ao uso intensivo de tecnologia, mas ela é muito mais que isso. A diferença entre uma ideia, invenção e inovação está no retorno financeiro que a inovação deve trazer para as empresas, seja aumento de faturamento; redução de custos; aperfeiçoamento em processos, produtos e serviços; acesso a novos mercados; mudanças no modelo de negócio; melhorias nas condições de trabalho e no engajamento dos colaboradores de uma organização; entre outros.

Esse é o maior impacto que a reforma tributária deve ter na economia, não é a capacidade de ampliar a base de arrecadação e, com isso, aumentar as receitas do Estado, uma óbvia motivação do governo, diante do déficit fiscal. A reforma tributária transcende esse aspecto, daí o apoio que está recebendo dos agentes econômicos. Era uma contradição a manutenção do complexo sistema de arrecadação tributário brasileiro, com dezenas de decretos, leis e portarias, em níveis federal, estadual e municipal, tendo o Brasil um sistema financeiro operacionalmente considerado um dos mais modernos do mundo. Além do ganho de produtividade e de qualidade do financiamento da máquina pública, a reforma dará mais segurança jurídica aos negócios e investimentos.

Entretanto, toda mudança tem fricção. Não dá para saber por antecipação o impacto das boas expectativas criadas pela reforma nos resultados fiscais de 2024, ou seja, se a meta de déficit zero da equipe econômica do governo será alcançada, diante das desonerações fiscais aprovadas nesta semana e da disposição do presidente Lula de não realizar cortes de investimentos nem nos gastos sociais. Por ironia, o novo nasceu, mas o velho ainda não morreu. Segundo a proposta de reforma tributária, o período de transição para unificação dos tributos vai durar sete anos, entre 2026 e 2032. A partir de 2033, os impostos atuais serão extintos. A transição foi prevista para não haver prejuízo de arrecadação para estados e municípios. (Correio Braziliense – 17/12/2023)

Leia também

Lula chamou Netanyahu para dançar um minueto

Lula errou politicamente. Não sabemos se foi arroubo de oratória ou deliberado. Não vai se desculpar, porém já sabe que precisa relativizar as declarações sobre a guerra de Gaza.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Muitos militares não assimilaram a nova doutrina de defesa

A velha doutrina de segurança nacional se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso quando os EUA apoiaram o Reino Unido contra a Argentina.

A mutilação do progresso

As greves na educação provocam mais danos que as da indústria.

Preservar as Forças Armadas faz bem à democracia

Se tem uma coisa que sempre perturbou a vida democrática do país é a anarquia nas Forças Armadas, com recorrentes indisciplina e quebra de hierarquia nas crises políticas.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!