Alessandro Vieira recebe alta de hospital e volta para casa

Recuperado da Covid-19, senador lamenta as quase 300 mil mortes pela doença e diz que ‘o país precisa e vai reagir’ (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O lider do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE) recebeu  alta nesta sexta-feira (19) do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Após o diagnóstico de Covid-19 em 1º de março, o senador iniciou o tratamento em casa, mas posteriormente foi hospitalizado para o acompanhamento da doença.

Em nota pública (veja abaixo), Alessandro Veira diz que hoje é ‘um dos dias mais felizes de sua vida’, agradece o apoio de médicos e profissionais de saúde, as orações de amigos e familiares pela sua recuperação, e lamenta profundamente a morte do senador Major Olimpio (PSL-SP), ‘que lutou até o fim’ contra a Covid-19. 

NOTA

Estou de volta à minha casa, ao abraço da minha família. Um dos dias mais felizes da minha vida, profundamente grato ao bom Deus e às orações e correntes positivas de familiares, amigos e todos, pela chance e responsabilidade de seguir em frente. Ao mesmo tempo, é impossível ignorar que vivemos dias tristes. Por ver nosso país desgovernado acumulando cadáveres para construir sua tragédia, diante de uma pandemia de Covid que caminha para chegar a 300 mil mortes. E pela perda de gente próxima, como o senador Major Olímpio, que lutou ontem até o fim. Essas centenas de milhares de vidas não podem ter padecido em vão. O país precisa e vai reagir. Merecemos um Brasil curado de tanta doença e maldade.

Além da família e os amigos, agradeço novamente pelo atendimento qualificado de diversos profissionais de saúde de Sergipe e São Paulo. Os médicos da família, Dra. Hérika e os Drs. Wilson e Venâncio, que estiveram comigo em todos os momentos.

Agradeço aos amigos médicos que também somaram neste cuidado, Drs. Eduardo e Rilton e Dra. Jani. A primeira equipe de atendimento de urgência, no Hospital Primavera, sob comando do Dr. Fabrício. E as equipes dos Drs. Kalil e Uip no Hospital Sírio Libanês. Homens e mulheres que prestam um serviço extraordinário para a sociedade.

Espero em breve poder retribuir a cada mensagem de carinho e a cada oração feitas em meu nome.

Senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE)”

Comissão aprova projeto de Carmen Zanotto que permite visita de crianças e adolescentes a pais internados

Para a parlamentar, “a presença ou o acompanhamento dos filhos é muitas vezes fator de estímulo à recuperação do paciente (Foto: Robson Gonçalves)

 A Comissão de Seguridade Social e Família de Câmara aprovou nesta terça-feira (29) projeto de autoria da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC)  que permite a visita de criança ou do adolescente à mãe ou ao pai  internado em instituição de saúde pública e privada, como hospitais e clínicas, pelo tempo que durar a internação.

 A medida altera  dispositivo do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei  8.069/90).

Atualmente, muitas instituições só permitem as visitações a partir dos 12 anos de idade, sob a alegação de risco de infecções pela fragilidade imunológica.

De acordo com o projeto (PL 9990/2018), no caso de vontade manifesta e de ser um dos pais a pessoa internada, os benefícios superam em muito os riscos.

A proposta foi sugerida por um grupo de pacientes com câncer.

“A presença ou o acompanhamento dos filhos é muitas vezes fator de estímulo à recuperação do paciente. Os benefícios são cada vez mais comprovados, principalmente nas unidades de terapia intensiva, onde os resultados têm sido bastante favoráveis”, afirma Carmen Zanotto.  

A  Política Nacional de Humanização preconiza a visita aberta, amplia os horários e o acesso a membros da rede social do paciente. “A nossa iniciativa é inteiramente harmônica com essa posição”,acrescenta Zanotto.

Condições adequadas

No voto favorável à aprovação da proposta, o deputado federal Eduardo Barbosa (PSDB-MG),  encarrega os serviços de saúde de proporcionar as condições adequadas à visitação.

“Não há dúvida de que, uma vez manifestada a vontade de visitar o genitor ou a genitora, a criança ou o adolescente devem  ser atendidos dentro de um aparato que lhe garanta proteção contra agentes físicos e apoio psicológico”, concluiu.  

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo nas comissões e depois de ser apreciada pela  Constituição e Justiça e de Cidadania será encaminhada ao Senado Federal.