Mulheres do Cidadania manifestam apoio a Baleia Rossi

Os movimentos de Mulheres do Cidadania, PSDB, MDB, DEM, PSB, PT, Rede, PDT, PV e PCdoB lançaram manifesto na noite deste domingo (31) em apoio à candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) à Presidência da Câmara dos Deputados. O documento foi elaborado pela secretária Nacional de Mulheres do Cidadania, Juliet Matos, em parceria com Anne Karoline, secretária Nacional de Mulheres do PT, com contribuições dos demais 9 partidos que compõem a frente ampla de apoio a Rossi.

Elas se reuniram no mesmo dia com o candidato para a entrega do manifesto. Rossi recebeu o documento das deputadas federais Tabata Amaral (PDT-SP) e Benedita da Silva (PT-RJ), que reforçaram a importância de aumentar a participação feminina na política, combater a violência política de gênero, dentro e fora do Parlamento, e defender os direitos das mulheres.

No documento, elas apontam a necessidade de defesa da democracia, motivo pelo qual se uniram em prol do candidato que tem como compromisso a independência do Legislativo. Citam o trabalho fundamental do Congresso para levar à população o auxílio emergencial, diante na inoperância do governo, que acentuou as desigualdades sociais, aumentou a crise econômica, o desemprego, a violência doméstica e levou o país a uma crise generalizada de desabastecimento de insumos básicos da Saúde.

As lideranças femininas também lembram que a pandemia afetou mais significativamente as mulheres que, com escolas fechadas, tiveram de cuidar de seus filhos em casa e dar conta do trabalho, quando conseguiram mantê-lo. Com o fim do auxílio emergencial em janeiro, muitas que já estavam na linha da pobreza serão lançadas à condição de pobreza extrema, além de terem que enfrentar situações de violência e feminicídio, que aumentaram com a crise sanitária.

Durante a reunião, Baleia Rossi reafirmou o compromisso com as bandeiras levantadas, como a defesa da reserva de cadeira para mulheres nas câmaras municipais, proporcionalidade nas comissões da Câmara dos Deputados e paridade de gênero nas instâncias partidárias.

Leia abaixo o manifesto:

O uruguaio Pepe Mujica no #ProgramaDiferente

Há 10 anos, José Alberto Mujica Cordano, conhecido popularmente como Pepe Mujica, era eleito presidente do Uruguai pela coalizão de esquerda Frente Ampla. Governou o país de 2010 a 2015. Agora, aos 84 anos, acaba de se eleger novamente senador (veja abaixo).

No ano passado ele havia renunciado ao cargo no Senado, quando justificou que “estava cansado da longa viagem” e se afastaria “antes de morrer de velho”.

Ao decidir retornar à política, Mujica foi candidato pelo MPP (Movimiento de Participación Popular), que faz parte da Frente Ampla, há 15 anos no poder. O partido disputa a Presidência do Uruguai com Daniel Martínez contra o candidato de direita Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional. A eleição ocorre neste domingo, dia 24 de novembro.

Agricultor e ativista político, ele teve importante papel no combate à ditadura militar no Uruguai. Passou 14 anos na prisão, de onde só saiu com a redemocratização do país, em 1985. Mas, afinal, como ele virou o queridinho da esquerda mundial? Quem é Pepe Mujica, o que ele pensa e o que pensam dele?