Brexit e União Europeia: O que muda? Veja análise de Joan del Alcázar

Em artigo publicado na revista Política Democrática online da FAP (Fundação Astrojildo Pereira), historiador diz que bloco deve buscar unidade (Foto: Reprodução)

“Há importante déficit de liderança na Europa, sobretudo se recordarmos os líderes que tivemos no passado”.

A avaliação é do historiador Joan del Alcázar, catedrático em História Contemporânea da América Latina da Universidade de Valencia, na Espanha. Em artigo produzido exclusivamente para a nova edição da revista Política Democrática online (veja aqui), ele analisa o Brexit, que é a saída do Reino Unido da União Europeia, e diz que os europeus deverão tomar medidas para reforçar as instituições continentais.

Com colaboração de renomados especialistas e pesquisadores, revista mensal Política Democrática online é produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao partido político Cidadania. Todos os conteúdos podem ser acessados de forma gratuita no site (www.fundacaoastrojildo.com.br) e na página da fundação no Facebook.

De acordo com Alcázar, em momentos como o atual, os cidadãos devem assumir suas responsabilidades e saber transmitir aos mais variados dirigentes políticos que não resta outra opção, a não ser reforçar a União Europeia.

“A Europa, mais concretamente o território da União Europeia, é a região mais habitável do planeta Terra, e com diferenças, como verificaram todos e cada um dos que viajaram a qualquer outro continente nas últimas décadas”, analisa o autor, em outro trecho.

Considerando a segurança na cobertura social e a cultura de liberdades individuais como parâmetro, conforme o artigo publicado na revista Política Democrática online, a Europa permite uma qualidade de vida a seus cidadãos superior à de qualquer outra região.

“Infelizmente, como deixou patente nas últimas eleições britânicas – além dos resultados tanto para a Escócia como para a Irlanda do Norte –, a ideia da unidade europeia não é tão hegemônica como nos conviria”, afirma o historiador.

Segundo o autor, essa unidade é necessária, imprescindível, e não só para os cidadãos.

“Fez-se evidente na Cúpula do Clima, reunida em Madri, apesar dos desacordos sobre a obrigação de endurecer a redução de emissões”, escreve ele.

Alcázar também é autor de diversos livros, dentre os quais “Política y utopia en América Latina – las izquierdas en su lucha por un mundo nuevo” (Tirant humanidades, València, 2019). Além disso, ele é responsável pelo blog El cronista periferico (elcronistaperiferico.blogspot.com).

Todos os artigos desta edição da revista Política Democrática online serão divulgados no site e nas redes sociais da FAP ao longo dos próximos dias. O conselho editorial da publicação é composto por Alberto Aggio, Caetano Araújo, Francisco Almeida, Luiz Sérgio Henriques e Maria Alice Resende de Carvalho. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Curso de formação política Jornada da Cidadania começa nesta quarta-feira

Aulas serão disponibilizadas em plataforma EAD; mais de 4,6 mil pessoas se inscreveram no curso em todo o País  (Foto: Reprodução/FAP)

O curso de formação política Jornada da Cidadania, realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), será iniciado na próxima quarta-feira (12). As aulas serão disponibilizadas em uma plataforma de educação a distância (EAD) online, gratuita e interativa e, no total, terão 36 horas de duração, distribuídas ao longo de 14 semanas. O objetivo é formar e capacitar cidadãos acerca de conteúdos relevantes à política, além de fornecer bases fundamentais para possíveis candidatos que pretendem disputar as eleições municipais deste ano.

Marco Marrafon, coordenador-geral da Jornada da Cidadania (Foto: Cleomar Almeida)

De acordo com o coordenador-geral da Jornada da Cidadania, professor Marco Marrafon, o curso também pretende formar e capacitar cidadãos com foco em construção inovadora, democrática e em políticas baseadas em evidências e resultados. “Queremos que os conteúdos apresentados aqui possam oferecer conhecimento para o desenvolvimento de ações práticas que melhorem a vida no seu bairro, na sua cidade, no seu estado e no seu país”, diz ele.

“Tudo isso conciliado ao pensamento crítico para que os estudantes possam participar construtivamente do debate político, da formulação de políticas públicas e da fiscalização do que é de todos”, destaca Marrafon. Ele é mestre em Direito do Estado pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), com estudos doutorais na Università degli Studi di Roma Tre, na Itália.

O Senador Cristovam Buarque
Cristovam Buarque é presidente do Conselho Curador da FAP (Foto: Agência Senado)

O presidente do Conselho Curador da FAP, Cristovam Buarque, ressalta a importância da iniciativa de formação política da fundação. “É uma forma de democratizar e popularizar conceitos fundamentais e essenciais sobre política a um maior número de pessoas em todo o país”, diz. Ele ressalta que o curso é também um importante caminho para contribuir para um debate plural em busca de uma sociedade com menos injustiças e desigualdades.

Acesso à plataforma e perfil dos alunos

Para iniciar o curso, cada aluno terá um acesso individual com login e senha, que serão enviados, na quarta-feira, ao e-mail cadastrado no ato da inscrição. Esses dados deverão ser preenchidos em um link específico da plataforma EAD que será disponibilizado, a partir do mesmo dia, no site da Jornada da Cidadania.

Ao todo, 4.630 alunos de todos os 26 Estados e Distrito Federal se inscreveram no curso. Os maiores números de inscritos são de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. Em relação ao perfil dos alunos, 64% informaram ter curso superior; 34%, ensino médio; e 2%, ensino fundamental. Além disso, 60% são homens e 39%, mulheres, enquanto 1% não informou o gênero. Por outro lado, 95% disseram que não tiveram mandato eletivo até o momento da inscrição e 5% informaram o contrário. E mais: 44% já confirmaram que pretendem se candidatar nas eleições deste ano, enquanto 56% afirmaram que não.

Receberão certificados de conclusão todos aqueles que cumprirem 75% das tarefas no prazo determinado. Tudo será monitorado pelas métricas da plataforma, a partir de índices de audiência, visualização, respostas aos questionários, participação em lives e cumprimento das missões e jogos a serem encaminhados pela coordenação.

Conteúdo programático

O conteúdo programático da Jornada da Cidadania está dividido em cinco pilares: ética e integridade na ação política; comunicação eficaz; fundamentos de teoria política e democracia, comunicação eficaz e casos de sucesso. Sempre às quartas-feiras, a plataforma vai disponibilizar uma nova aula com novo tema. Dessa forma, o aluno poderá se organizar ao longo de uma semana para aproveitar todos os conteúdos de cada aula.

Por semana, será disponibilizada uma aula de duas horas de conteúdo, que será dividida da seguinte forma: uma videoaula de 15 minutos; 3 miniaulas de 3 minutos cada uma; leitura obrigatória de um artigo ou capítulo de livro que será disponibilizado na plataforma; um filme ou vídeo complementar, além de podcast e lives para concluir a carga horária de estudos dirigidos ou da própria aula. Em regra, os alunos terão 10 dias para cumprir as tarefas e avaliação será realizada de forma contínua e em conjunto com monitores. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

FAP convoca monitores da Jornada da Cidadania para treinamento online

Participantes irão otimizar interação entre professores e alunos do curso de formação política e receberão certificado de capacitação

A FAP (Fundação Astrojildo Pereira) convoca os 50 monitores do curso de formação política Jornada da Cidadania para participarem, na próxima segunda-feira (3), do treinamento online de uso da plataforma de educação a distância, com duração de duas horas, das 10h às 12h. A atividade também será realizada na próxima terça-feira (4), das 15h às 17h, para quem não puder participar no primeiro dia ou quiser reforçar o aprendizado. Os participantes receberão da entidade certificado de capacitação.

A plataforma da Jornada da Cidadania deverá estar plenamente adequada à LGPDP (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais). Durante o curso, os monitores terão acesso à plataforma para auxiliar os professores e acompanhar os alunos, estabelecendo contato direto com ambos, a fim de otimizar a interação e aprendizagem dos interessados.

No dia do treinamento, a FAP vai enviar um link pelo qual os monitores terão acesso à capacitação online por meio de smartphone, tablet ou computador. A orientação dos organizadores da Jornada da Cidadania é para que os participantes tenham internet de boa qualidade.

A Lisata Tecnologia venceu a concorrência para fornecimento da plataforma digital de gestão do curso. O sócio-diretor da empresa, Daniel Philip de Moura, explica que o treinamento é baseado em uma apresentação de 40 minutos. O tempo restante, segundo ele, é destinado a tirar dúvidas ou a outros esclarecimentos necessários.

“É uma plataforma completamente intuitiva e bem didática”, afirma.

Antes do treinamento online, a FAP enviará aos monitores um manual que servirá de tutorial para uso da plataforma. O documento será disponibilizado pela Lisata. Nele, segundo Moura, haverá passo a passo de tudo o que os participantes visualizarão diretamente na página do curso da Jornada da Cidadania, durante a capacitação. A FAP é vinculada ao Cidadania. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Elimar Nascimento: Nova exclusão social ameaça a democracia

Professor da UnB participou do IV Encontro de Jovens Lideranças promovido pela FAP em Corumbá de Goiás (Foto: FAP)

“A nova exclusão social ameaça a democracia porque tende a estigmatizar determinados grupos que ficam ameaçados”.

A declaração e do sociólogo e professor da UnB (Universidade de Brasília) Elimar Nascimento, em palestra para os participantes do IV Encontro de Jovens Lideranças. O evento foi realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira) em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília, entre os dias 15 e 18 de janeiro. A FAP é vinculada do Cidadania.

De acordo com Nascimento, a nova exclusão social é, basicamente, a construção de grupos vistos pelas elites econômica, política e social com três características (veja aqui o vídeo).

“São desnecessários economicamente, socialmente perigosos e politicamente incômodos porque não sabem votar”, explica.

O elemento perigoso da nova exclusão social é que, já que são vistos como desnecessários economicamente, esses grupos não têm importância se morrem ou vivem, segundo o professor da UnB.

“Nem escravo é visto assim porque ele precisa ficar vivo para continuar sendo explorado”, ressalta.

Nascimento também abordou a crise ecológica no Brasil.

“Dos nove indicadores da saúde ambiental, estamos derrotados em oito, conforme artigos internacionais”, afirma.

“No país, está aumentando gases de efeito estufa, a perda da biodiversidade, a pesca degradante”, acentua.

Segundo o sociólogo, a crise ambiental também ameaça a democracia porque esse regime de governo não tem instrumento para enfrentá-la.

“As pessoas não estão conscientes dos riscos que a destruição ambiental representa”, alerta.

O meio ambiente e a sustentabilidade também são ameaçados tanto por ricos quanto por pobres, conforme avaliação do palestrante. No primeiro caso, para aumentar a riqueza e, no segundo, por uma questão de sobrevivência.

“A população pobre tem dificuldade de entender as questões da sustentabilidade porque tem de comer amanhã. Por isso, passa a ser a favor da ocupação irracional da Amazônia, por exemplo, porque quer emprego. É a necessidade dela”, analisa.

Já os ricos também destroem o meio ambiente “porque querem ficar ricos o mais rápido possível, pouco importa o que vem depois”.

“Querem ganhar dinheiro”, enfatiza o professor da UnB.

Segundo ele, um dos caminhos é criar alternativas de emprego que não sejam necessariamente a destruição da natureza. (Cleomar Almeida/Aassessor de Comunicação da FAP)

Multiplicadores do País conhecem detalhes da Jornada da Cidadania

Realizado pela FAP, curso de formação política tem time de mobilizadores de 26 Estados e DF; inscrições até 29 de janeiro (Foto: FAP/Reprodução)

O coordenador-geral da Jornada da Cidadania e professor de direito, Marco Aurélio Marrafon, apresentou, neste domingo (19), os detalhes do curso de formação política a 64 multiplicadores dos 26 Estados e Distrito Federal que vão reforçar a divulgação, a interação e o engajamento com o público interessado. O curso é realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania, e será totalmente gratuito e online. As inscrições (faça aqui) seguem até o dia 29 de janeiro e o início das aulas está previsto para fevereiro.

A apresentação teve transmissão ao vivo pelo site e pela página da FAP no Facebook. Estiveram presentes no evento o diretor-geral da fundação, jornalista Luiz Carlos Azedo; o diretor-financeiro da entidade, Ciro Gondim Leichsenring; e o professor de ciência política e conselheiro da FAP Hamilton Garcia.

O coordenador-geral da Jornada da Cidadania explicou que o curso é uma alternativa à população, diante de “tempos sombrios, ignorância e radicalismo no país”. Segundo ele, o objetivo do curso é formar e capacitar filiados e cidadãos em geral acerca de conteúdos relevantes à política, com foco em diretrizes programáticas e posicionamento ideológico.

Entre as finalidades da Jornada da Cidadania, de acordo com o professor de direito, também está a oferta de conhecimento para que os alunos desenvolvam pensamento crítico, questionem e participem construtivamente do debate público, seguindo uma das principais diretrizes da FAP. Toda essa formação resultará, ainda, na preparação de candidatos para as eleições de 2020.

O curso terá 36 horas, planejadas para serem distribuídas por 14 semanas. Na plataforma de educação a distância e interativa, os inscritos terão acesso, por meio de login e senha, a 14 videoaulas de 15 minutos cada uma e a 42 pílulas de conteúdo de três minutos cada.

Além disso, os inscritos também terão acesso a estudos dirigidos, por meio de capítulos de livros, artigos e outros formatos de textos disponibilizados na plataforma digital. Conteúdos multimídia, como vídeos, filmes, tedX e podcasts, também serão oferecidos aos alunos durante o curso online. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Veja, abaixo, mais detalhes da Jornada da Cidadania

Pilares

  1. Ética e integridade na ação política;
  2. Estratégia e liderança;
  3. Fundamentos de teoria política e democracia;
  4. Comunicação eficaz;
  5. Casos de sucesso.

Conteúdo programático | Aulas raízes (15 minutos cada uma)

  1. Política pra quê?
  2. As Democracia estão em risco?
  3. Comunicação política eficaz
  4. A política como vocação
  5. Liderança e estratégias de mobilização
  6. Liberalismo
  7. Socialismo/comunismo
  8. Liberalismo progressista
  9. Estado de Direito versus Ciberpopulismo
  10. Defesa de causas e construção de narrativas
  11. Ética e integridade
  12. Políticas públicas e planejamento no poder público
  13. Conformidade e regras eleitorais
  14. O futuro eleitoral da política e dos partidos na era digital

Aulas pílulas (3 minutos cada uma)

  1. O que é democracia?
  2. Ser ético: seu chefe te pediu algo errado? Caso Calero
  3. Importância da página de internet
  4. Case robôs
  5. O que é emenda parlamentar?
  6. Perfil do líder
  7. O que parlamentar pode fazer para melhorar a vida do cidadão na prática?
  8. O que é Constituição?
  9. Análise sobre Olavo de Carvalho
  10. Redes sociais não bastam para defender uma causa social
  11. Por que entrar para a política e a importância da construção partidária
  12. Como usar o Youtube
  13. Atribuições e competências dos três poderes
  14. Ser ético 2: Como lidar com fake News?
  15. Fiscalização e controle social
  16. Cargos públicos e corte de privilégios
  17. Como mobilizar pelo Facebook?
  18. Estratégia: O que é?
  19. Case eleições
  20. Como usar o Whatsapp?
  21. O que fazer para ter credibilidade na política?
  22. Como usar o Instagram?
  23. Ser ético 3: E o caixa 2?
  24. Como contar uma história?
  25. O que é e o que faz uma frente parlamentar?
  26. Origem da crise democrática norte-americana
  27. Liderança positiva
  28. Twitter
  29. O que é pacto federativo?
  30. Meio ambiente e sustentabilidade na política
  31. Como fiscalizar a prefeitura da minha cidade?
  32. Política pública: O que é?
  33. Pesquisa para defesa de uma causa
  34. Importância do monitoramento das redes pela prefeitura
  35. Ser ético 4: Proteção da intimidade e a vida privada
  36. Engajamento e valorização voluntários
  37. Dicas para mobilizar melhor
  38. Papel de um bom vereador
  39. Gestão de voluntários

‘Bolsonaro é um iliberal’, afirma Alberto Aggio no IV Encontro de Jovens Lideranças

Historiador participou de debate com cofundador do Movimento Agora, mediado pelo consultor político Caetano Araújo (Foto: FAP)

“Bolsonaro é um não liberal, um iliberal, no sentido contemporâneo”.

A afirmação é do historiador e do diretor-executivo da FAP (Fundação Astrojildo Pereira). Na noite desta quinta-feira (17), ele participou de um debate sobre liberalismo e progressismo no Brasil, durante o IV Encontro de Jovens Lideranças, que será realizado pela entidade, até o próximo sábado (18), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Goiânia. A FAP é vinculada ao Cidadania.

O diretor-executivo da FAP e doutor em sociologia Caetano Araújo foi o mediador do debate, que também teve a participação do cientista político Leandro Machado, cofundador do Movimento Agora. O evento reúne 75 jovens de todo o Brasil e tem transmissão ao vivo pelas redes sociais e site da fundação.

Alberto Aggio, que também é professor titular da Unesp (Universidade Estadual Paulista), disse que a oposição democrática tem a tarefa de impedir que o presidente estabeleça novo regime político no Brasil (veja aqui o vídeo)

“A oposição tem de defender a Constituição de 1988. Depois de um ano de governo, está claro que Bolsonaro quer, e não pode, instituir um regime político iliberal no país”, analisou.

Na avaliação do historiador, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, representa um obstáculo para que Bolsonaro institua o novo regime político no País. Segundo o debatedor, Maia pode ser visto até como neoliberal, já que acredita nas propostas do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Aggio também disse que os partidos estão muito oligarquizados.

“É preciso democratizar os partidos. No Brasil, as instituições públicas estão dominadas pelo corporativismo”, observou.

Ele também disse que, para conquistar coesão social, visão progressista de mundo, com cosmopolitismo, é necessário que se pense em termos de regulação.

“A regulação tem de andar em par com os interesses e liberdades da sociedade. Esse é o novo caminho que vai na direção do que chamo de esquerda democrática, que não tem nenhuma razão para deixar de dialogar com liberais progressistas”, acentuou o professor da Unesp.

Leandro Machado, por sua vez, afirmou que hoje se fala mais em progressismo por causa de questões identitárias e liberdades individuais. No entanto, conforme ressaltou, “um determinado campo político não pode sequestrar essa pauta para se tornar significado dele”.

“Quando isso vira algo exclusivo de um campo político, a gente deixa prontamente que essas ideias sejam atacadas por outro campo político”, asseverou.

O cofundador do Movimento Agora destacou que o extremismo está ganhando espaço dos dois lados no Brasil.

“Qual é a nossa responsabilidade quando a gente vê esse meio, a social-democracia, esfacelado, corroído, sem conseguir conversar e propor um sonho novo para este mundo?”, questiona.

Ele acrescentou que a sociedade vive a era da globalização. “Essa era tem levado a avanços fantásticos, mas trouxe muitas desigualdades”.

Durante a mediação do debate, Araújo também fez comentários, parte deles respondendo a perguntas dos participantes. Ele disse que tem uma visão bastante pessoal sobre centro político. Segundo ele, a expressão era mais adequada em outros períodos.

“No momento em que há várias oposições superpostas, essa categoria de centro perde a metáfora. Tenho reserva com o uso da metáfora centro. É mais proveitoso definir em cada dimensão a sua posição”, sugere. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Veja ao vivo o segundo dia do IV Encontro de Jovens Lideranças

Evento é realizado pela FAP em Corumbá de Goiás. Programação do dia tem dinâmica sobre diversidade

A FAP (Fundação Astrojildo Pereira) transmite, ao vivo, no seu site e em sua página no Facebook (veja aqui), o segundo dia do IV Encontro de Jovens Lideranças, em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. A programação desta quinta-feira (17) inclui aulas sobre democracia, dinâmica sobre diversidade e debate sobre liberalismo e progressismo no Brasil. O evento seguirá até o próximo sábado (18).

No total, 75 jovens participam do encontro. No salão principal do encontro, onde é feita a transmissão ao vivo, o sociólogo e professor da UnB (Universidade de Brasília) Elimar Nascimento ministra aula sobre a nova exclusão social, democracia e sustentabilidade. O historiador e professor Marcus Vinicius Oliveira aborda o tema “Democracia em risco: a política no mundo contemporâneo”. Como as aulas são simultâneas, a transmissão ao vivo da aula de Oliveira será transmitida em tempo real nesta sexta-feira (17).

Na parte da tarde, a socióloga e psicanalista Almira Rodrigues fará comentários sobre a dinâmica de diversidade chamada quatro olhares. A atividade será mediada pela coordenadora-geral do IV Encontro de Jovens Lideranças, Terezinha Lelis. No final da tarde, haverá um show da cantora Linna Karo.

À noite, os alunos deverão participar de um debate sobre liberalismo e progressivo no Brasil, com a participação do cientista político Leandro Machado, cofundador do Movimento Agora; e do historiador, diretor-executivo da FAP e professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista) Alberto Aggio. O debate será mediado pelo doutor em sociologia e diretor-executivo da FAP Caetano Araújo. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Batalha de poesias encerra primeiro dia do IV Encontro de Jovens Lideranças

Participantes do evento assistiram à apresentação em forma de protesto realizado por jovens da periferia de Brasilia (Foto: Reprodução/FAP)

Apresentação de poesias em forma de protesto encerrou, na noite desta quarta-feira (15), o primeiro dia do IV Encontro de Jovens Lideranças, em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. Realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania, o evento reúne quase 100 pessoas, incluindo 75 jovens de 26 Estados e do Distrito Federal, além de palestrantes e organizadores.

Toda a programação do encontro é transmitida ao vivo pelo site e redes sociais da FAP (veja aqui). As gravações também ficam disponíveis para o público na internet. Além de apresentação cultural, o evento tem aulas para formação política e cidadã, além de dinâmicas em grupo.

No final do primeiro dia do encontro, os participantes assistiram à batalha de poesias do Slam DéF, que é formada por jovens da periferia de Brasília. Entre os competidores estavam o poeta Werick Wesley da Silva, conhecido como Banzo; e as poetisas Luana Rocha de Queiroz, a Nega Lu; e Naiara de Jesus Barbosa, chamada pelos colegas de Araian Poeta. O coordenador da competição é o professor de língua portuguesa Will.

Formação política

O IV Encontro de Jovens Lideranças é um evento de formação política e cidadã sustentada na promoção do conhecimento e em debates. Dessa forma, segundo os organizadores, a batalha de poesias levou ao público a reflexão de temas relevantes, como machismo, feminicídio, racismo, assédio sexual e outras formas de preconceito e crimes contra a comunidade LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexo).

Inovação e sustentabilidade

À tarde, o engenheiro civil e presidente do conselho da Fundação Amazônia Sustentável, Benjamin Sicsu, ministrou palestra sobre inovação e sustentabilidade. Ele sugeriu que a FAP crie um grupo de discussão online para aprofundar outras questões relacionadas ao meio ambiente, como saneamento básico.

Durante a palestra, muitos jovens fizeram perguntas e comentários sobre experiências de suas cidades relacionadas ao tema. Eles ressaltaram a importância de a juventude olhar para temas imprescindíveis à vida humana e estabelecer uma pauta mais forte em defesa do meio ambiente.

“A participação dos jovens foi muito boa. Quanto maior a participação, melhor o debate”, disse Benjamin.

A abertura oficial do evento foi realizada pelo diretor-geral da FAP, jornalista Luiz Carlos Azedo, que conclamou os jovens a terem comprometimento com as atividades do encontro, a fim de saírem dele com o maior aprendizado possível para compartilharem em suas cidades. Ele também destacou que o objetivo do evento não é fazer “doutrinarismo”.

“Nosso intuito é estimular vocês a pensarem com a própria cabeça e dar informação para que pensem sobre a realidade política, econômica e social do país”, disse Azedo. “A metodologia do encontro não é de reunião de partido. É um encontro de formação política, com treinamentos e dinâmicas de trabalho em equipe, para desenvolvermos liderança e cooperação em ambiente competitivo”, afirmou.

O diretor-geral da FAP lembrou aos participantes do encontro que o encerramento oficial do evento será realizado no sábado pelo presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

FAP transmite ao vivo o IV Encontro de Jovens Lideranças a partir desta quarta-feira

Estratégia da FAP vai permitir que o debate chegue a um maior número de pessoas, avalia Cristovam Buarque, presidente do Conselho da fundação

Internautas de todo o mundo poderão acompanhar ao vivo a cobertura do IV Encontro de Jovens Lideranças, que será realizado a partir desta quarta-feira (15), em Corumbá de Goiás, a 125 quilômetros de Brasília. Com programação até o próximo sábado (18), o evento terá transmissão em tempo real nas redes sociais e no site da FAP (Fundação Astrojildo Pereira), realizadora do evento e vinculada ao Cidadania.

Presidente do Conselho Curador da FAP, Cristovam Buarque destaca que a transmissão ao vivo do IV Encontro de Jovens Lideranças segue a tendência da sociedade, que está cada vez mais conectada em toda o mundo.

“O veículo que os jovens mesmo gostam é a internet. O encontro em si é o ponto de partida, o estopim, cujas discussões devem ultrapassar os muros”, diz ele.

“O verdadeiro debate não se limita dentro de muros. É preciso derrubar os muros para que a gente se comunique com as pessoas. A transmissão ao vivo, além de ser contemporânea com a linguagem dos jovens, é uma maneira de chegar ao maior número de pessoas”, acentua.

No encontro, os jovens terão a oportunidade de participar de uma imersão política em formato de curso de liderança e treinamento para trabalho em equipe, com palestras, aulas, debates, dinâmicas de grupo, além de atividades lúdicas e recreativas. Também participarão do encontro os multiplicadores da Jornada da Cidadania.

Cristovam afirma que o IV Encontro de Jovens Lideranças tem duas grandes finalidades. A primeira delas, segundo ele, é fazer a juventude debater problemas nacionais.

“Isso tem sido difícil hoje porque os partidos se segmentaram e perderam o sentimento de nação, de conjunto, de humanidade”, afirma. “Com o encontro, estamos tentando trazer debates sobre assuntos globais, a condição humana e as disputas de classe, que estão ausentes das discussões hoje”, acrescenta.

O segundo objetivo do IV Encontro de Jovens Lideranças, de acordo com Cristovam, é fortalecer a própria juventude.

“Se não conseguir mobilizar os jovens para uma agenda transformadora e progressista, o partido deixa de existir. O partido não pode ser coisa de velhos, embora necessite de velhos por causa da memória, mas o partido precisa da juventude”, afirma.

Coordenadora-geral do encontro, a psicóloga Terezinha Lelis acredita que o momento é muito especial para a realização do evento.

“Justamente porque podemos colocar a tecnologia a serviço da democracia e dialogar com os jovens”, destaca.

“Sempre falamos que os jovens são o futuro, mas, na verdade, eles são a possibilidade, neste presente, de serem diferentes do que a velha política tem feito”, afirma.

Terezinha lembra que o assunto ganha ainda mais relevância neste ano por causa das eleições que serão realizadas em outubro.

“É uma possibilidade de discussão ampla, profunda e reverberada em todo o Brasil”, diz a coordenadora do encontro. “A FAP está de parabéns pela realização do evento, mais uma vez, já que segue a sua própria linha de produzir e aumentar conhecimento, além de investir na formação dos jovens”, ressalta.

O consultor do encontro, José Augusto Neves reforça que a transmissão ao vivo do IV Encontro de Jovens Lideranças mostra o compromisso da FAP com a transparência, além do propósito da fundação de procurar soluções para o Brasil independentemente de posições políticas.

“Significa querer construir uma nação de verdade, onde haja oportunidade para todo mundo, principalmente para jovens, negros, mulheres e comunidade LGBTI”, ressalta, referindo-se à sigla da diversidade de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexos.

Juventude representada

A coordenadora nacional de Organização da Juventude 23, grupo de mobilização de jovens do Cidadania, Gisele Cristina Estrela ressalta que o IV Encontro de Jovens Lideranças é muito positivo para integrar e aproximar o segmento de todo o País.

“O encontro serve como um momento muito proveitoso de discussão política e de conhecimento”, afirma ela, que já participou de duas das três edições do evento realizadas até o ano passado.

Gisele diz que a juventude vem se organizando interna e externamente em alguns estados, mas, segundo ela, em outros, ainda há grande evasão.

“O encontro serve mais para formação política e cidadã e o intuito é que cada jovem participante compartilhe o conhecimento em seus estados e municípios”, diz ela.

O coordenador nacional de Movimentos Sociais da Juventude 23, Bruno de Arruda Rodrigues, afirma que o IV Encontro de Jovens Lideranças é muito importante por causa da troca de conhecimento entre jovens de todos os 26 Estados e do Distrito Federal.

“Acredito que a juventude precisa ser mais ouvida e integrada na organização. É importante a ocupação dos espaços da juventude por pessoas que entendam as pautas da própria juventude. A construção do conhecimento, nesse sentido, deve ser coletiva”, sugere.

Palestrantes confirmados

Entre os palestrantes confirmados, estão o presidente do Conselho da Fundação Amazonas Sustentável, Benjamin Sicsu; o doutor em história e membro do Conselho Curador da FAP Marcus Vinicius Oliveira; a socióloga e psicanalista Almira Rodrigues; o cientista político Leandro Machado e o historiador e diretor-executivo da FAP Alberto Aggio.

Também estão confirmados como palestrantes o pós-doutor em Comunicação Sergio Denicoli, sócio-diretor da AP Exata; o prefeito de Vitória (ES) e médico Luciano Rezende; o professor de direito e coordenador da Jornada da Cidadania, Marco Aurélio Marrafon; o doutor em história Victor Missiato e a campeã mundial de artes marciais e campeã nacional do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, Jordâna de Castro Saldanha. A programação detalhada do encontro será divulgada no local do evento. (Cleomar Almeida/ Assessor de Comunicação da FAP)