Cristovam Buarque: A lição do Tião Salgado

Em setembro de 2000, fui convidado a um seminário em Nova York dentro das comemorações do novo milênio pelas Nações Unidas. O evento, patrocinado pelo Global World Forum, de São Francisco, na Califórnia, reunia centenas de pessoas em diversas salas no Hotel Hilton, em Manhattan. Na sala onde eu faria minha participação, muitos jovens alguns sentados no chão, em frente à mesa. Antes que eu começasse a falar, um deles levantou e perguntou o que eu achava da ideia de internacionalizar a Amazônia, e acrescentou: “Não quero sua resposta como brasileiro. Quero que responda como humanista”.

Diante disso, eu falei que poderia considerar a hipótese de internacionalização da Amazônia se antes fossem internacionalizados todos os poços de petróleo, as armas nucleares, os museus, as cidades históricas, tudo de importante para a humanidade, inclusive as crianças pobres que morrem por falta de comida e remédio. Depois de citar o que deveria ser internacionalizado e as razões que justificassem essa opção, concluí dizendo: “Quando tudo isso for internacional, podemos discutir a internacionalização da Amazônia. Até lá a Amazônia é nossa e só nossa”. Essa fala teve uma grande repercussão, foi traduzida em muitos idiomas; inclusive incorporada em uma coletânea de grandes discursos por brasileiros.

Sempre achei que fiz uma boa conclusão, até o fotógrafo Sebastião Salgado, amigo há 50 anos, dizer que não gostava da conclusão, porque se não formos capazes de cuidar dos patrimônios da humanidade que estão no nosso território, não merecemos tê-los só para nós. Lembrei do Tião Salgado, ao ver o ministro general Heleno dando a impressão de que temos o direito de queimar a Amazônia, porque ela é nossa. Só nossa.

A Amazônia é nossa, mas é um patrimônio mundial. Sua destruição irresponsável, em nome do nacionalismo, é um holocausto verde ao sacrificar a humanidade inteira. Nenhum nacionalismo tem o direito de se opor ao humanismo, porque é imoral e é estúpido, indecente e insensato. Por isso, mesmo sendo nossa, devemos usar a Amazônia com responsabilidade planetária. Tanto quanto os donos do que há dentro de um apartamento não tem o direito de queimar seus móveis, porque têm responsabilidade condominial com os vizinhos.

A Terra é um condomínio de países. Cada um deles precisa ter o sentimento de sua relação com o resto do mundo, especialmente nos tempos em que a tecnologia disponível permite ao menor país desarticular o equilíbrio ecológico, ao explorar suas reservas de petróleo, destruir suas florestas, produzir bombas atômicas ou centrais nucleares. No mundo atual, na Era Antropocena do poder humano descomunal, nenhum país está isolado.

O presidente Bolsonaro comete grave erro diplomático e pecado humanista ao apontar para o presidente francês e para a chanceler alemã e lembrar que desde os romanos a Europa queima suas florestas e que, por isso, eles não têm autoridade para nos criticar quando nós queimamos a nossa Amazônia. Ele até poderia lembrar esse fato histórico, mas dizendo que na realidade atual, em que o equilíbrio ecológico está ameaçado, é hora de protegermos o meio ambiente. Deveria desafiar Macron e Merkel a reflorestarem o mundo; propor uma disputa para ver que país reflorestaria mais do que nós brasileiros; uma disputa humanista no lugar do holocausto verde que o general e o presidente parecem querer cometer em nome de um nacionalismo suicida.

Poderíamos desafiá-los a enfrentar Trump e Putin, que vão explorar petróleo no Polo Norte, e enfrentar o governo japonês que autorizou a caça às baleias; ao Macron desafiar que defina um prazo para desligar todas suas centrais nucleares, tal qual a Alemanha e a Itália fizeram; nos comprometermos a uma política indigenista humanista e desafiar a Europa a respeitar os imigrantes. Defender um pacto mundial, dentro do Acordo de Paris para que Rússia, Canadá, Congo preservem suas florestas.

A Amazônia é nossa, mas nós, brasileiros, temos a obrigação de entendermos que somos também humanos e humanistas, nacionalistas e inteligentes, e, portanto, devemos cuidar bem de nossas florestas, porque elas existem há mais tempo do que o Brasil e porque o mundo, do qual somos parte, precisa delas para sempre. Aprendi a lição do Tião Salgado e tento passá-la a outros, mesmo que generais e presidentes não estejam preparados para entender o quanto o nacionalismo suicida é anti-humanista, insensato e indecente. (Correio Braziliense – 16/07/2019)

Cristovam Buarque, professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Cristovam Buarque: Obstáculos à educação

Todos percebem que o problema da educação de base no Brasil está nos baixos salários e na formação dos professores. Está também na falta de qualidade dos equipamentos, nas edificações e na gestão deficientes das escolas, no descuido com o acompanhamento dos alunos pelos governantes, gestores, familiares e professores. E ainda no pouco tempo diário, anual e ao longo da vida que nós, brasileiros, ficamos na escola, e que a mídia não colabora com a educação. Alguns acham que a causa está no sistema escolar ser municipal, e não federal. Mas poucos percebem que há obstáculos mais profundos que levam a essas causas.

O primeiro obstáculo está no sentimento nacional de que não somos vocacionados para estarmos entre os melhores do mundo em educação. A mente brasileira não se vê e, por isso, não deseja fazer o Brasil campeão mundial de educação. Somos e queremos continuar sendo os melhores com os pés, não com os cérebros. Sentimos tristeza se a “Bola de Ouro” não vem para um brasileiro ou brasileira, mas nunca lamentamos quando nenhum prêmio Nobel vem para o Brasil.

Cada ano, olhamos mais para a Federação Internacional de Futebol (Fifa), em Zurique, do que para o Comitê do Nobel, em Estocolmo. Todos lembramos da derrota para o Uruguai em 1950, e dos 7×1 que levamos da Alemanha, em 2014, mas raros lembram e lamentam que, ao longo dos 130 anos de República, pelo menos 20 milhões de brasileiros morreram analfabetos em idade adulta e que 11 milhões estão vivos hoje sem ao menos reconhecer nossa bandeira, por não saberem ler “Ordem e Progresso”; enquanto a Alemanha e o Uruguai há anos superaram essa tragédia. Não nos angustia estarmos entre os piores do mundo em educação, é como se isso fosse uma fatalidade à qual estaríamos condenados.

Algo passou na formação da mente brasileira que nos faz valorizar pouco a educação. Mesmo aqueles que investem na escola de seus filhos querem mais assegurar o salário que eles terão do que fazê-los intelectuais educados. Por isso, lamentam quando, ao fim do ensino médio, o filho diz querer ser filósofo ou professor, no lugar de uma carreira que lhe permita ganhar bem. O que nos importa não é a educação em si, mas as vantagens materiais que ela possa oferecer. O descontentamento de uma pessoa com a opção do filho pelo magistério decorre do sentimento nacional de que nos falta vocação para educação e, em consequência, dar atenção à educação e aos nossos professores.

Um segundo obstáculo é mais fácil de explicar. Depois de 350 anos de escravidão, a mente brasileira ainda acha que educação de qualidade não é para todos. No passado, senhores e escravos viam educação como privilégio dos brancos livres. Hoje, ricos e pobres continuam vendo a escola de qualidade como privilégio das classes médias e altas. Não sendo para todos, a educação de qualidade fica limitada a uma parcela da sociedade; e essa parcela não precisa também ser muito educada porque, se muitos estudam pouco, os poucos que estudam não precisam estudar muito. Para entrar na Seleção Brasileira de futebol é preciso disputar com dezenas de milhões de outros jovens da mesma idade, porque a bola é redonda para todos, mas para entrar na universidade é preciso disputar com apenas algumas dezenas que terminaram ensino médio com razoável qualidade.

Um terceiro obstáculo decorre de não termos percebido ainda que o vetor do progresso está no conhecimento. Nossa Constituição diz que educação é um direito de cada pessoa, não uma necessidade de todo o país. Em cada navio negreiro, havia um marujo para impedir que escravos desesperados saltassem ao mar, porque seu suicídio era visto como prejuízo para seu proprietário e para a economia que perderia a força de seus braços. Mas não temos especialistas trabalhando para impedir que os jovens de hoje abandonem as escolas, porque não temos a percepção de que o abandono escolar de cada aluno sacrifica não apenas o futuro da criança ou do jovem, mas de todo o Brasil ao perder o potencial de seus cérebros.

A tragédia da educação brasileira tem muitas razões práticas, mas não vamos superar o atraso e a desigualdade enquanto não tivermos uma mudança de mentalidade e vencermos esses três obstáculos fundamentais.

Não venceremos a guerra pela educação enquanto não entendermos que educação é o vetor do progresso, e acreditarmos e desejarmos que o Brasil pode estar entre os melhores do mundo na qualidade da educação e que essa qualidade deve ser acessível a todos, independentemente da renda e do endereço do aluno. (Correio Braziliense – 02/07/2019)

Cristovam Buarque é ex-senador pelo Cidadania do DF e professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Cristovam Buarque: Três exemplos educacionistas

Em 2016, o site casa.abril.com.br fez uma entrevista com o Rai, onde a jornalista Keila Bis perguntou o que mais tinha impressionado nosso grande jogador quando viveu na França. Ele respondeu que sua maior e boa surpresa foi o fato de sua filha ir à mesma escola que a filha de sua empregada. Rai teve a sensibilidade de perceber que para um brasileiro esse fato era mais surpreendente do que as belezas de Paris, seus monumentos e sucessos econômicos. Mas um francês não se surpreenderia. Há décadas, o acesso à educação de base é igualitário para qualquer criança, independentemente da renda de sua família, apesar de uma certa desigualdade, dependendo do local onde mora.

Mas nem sempre foi assim. O esforço para que a educação fosse de qualidade e igual para todos começou na França, em 1881, quando o governo iniciou a reforma liderada pelo ministro Jules Ferry. A partir de então, a educação pública de qualidade para todos se tornou uma obsessão nacional, mesmo em tempos de guerra ou crises econômicas. Não foi apenas a França que fez essa opção nacional, de todas suas forças políticas priorizando a educação de suas crianças, para com isso formar uma nação rica e justa. Nem foi apenas à França que essa opção trouxe desenvolvimento e riqueza.

Quando o Estádio Beira-Rio foi inaugurado, em Porto Alegre, em 1969, o local das arquibancadas mais pobres era chamado de Coreia. Esse nome era dado porque a Coreia do Sul era símbolo de pobreza. Sua renda anual per capita era de US$ 1,7 mil, metade da brasileira de então; o produto industrial era de 11,2% do PIB e toda sua indústria era simples; enquanto, no Brasil, a indústria era 25,4% do PIB com alguns produtos sofisticados. Em 50 anos, a Coreia do Sul deu o salto e hoje sua renda per capita é superior a US$ 20 mil, e a brasileira é inferior a US$ 10 mil. A indústria coreana está na ponta tecnológica em relação às mais avançadas do mundo. Essa inversão se deve às estratégias deles e à nossa: eles fizeram uma revolução na educação de suas crianças e investiram no desenvolvimento da ciência e da tecnologia; nós deixamos a educação de base em segundo plano e não conseguimos dar o salto na ciência e na tecnologia.

A Irlanda é outro exemplo. Faz alguns anos, aproveitei uma viagem à Inglaterra e fui visitar aquele país. Queria entender como foi possível sair da péssima situação de sua educação nos anos 1970, para uma situação privilegiada 30 anos depois. Soube que o salto foi resultado de uma estratégia decidida em um acordo entre políticos, sindicalistas e empresários, que acertaram que dali para frente a prioridade central do país seria educação, ciência e tecnologia. Quaisquer que fossem os resultados das eleições, os governos dariam prioridade à educação de base: nenhuma criança seria deixada para trás, nenhum cérebro seria desperdiçado. O resultado é que a Irlanda é um país dinâmico, sem pobreza.

Ao saber que esse acordo nacional pela educação havia sido construído em um castelo em Kork, falei ao então embaixador do Brasil, Stélio Amarante, que me organizasse uma viagem até essa cidade. Ele me disse que as estradas do país eram péssimas e apesar de ser um país pequeno a viagem exigiria dias. Portanto, eu não teria tempo de sentir o local onde havia sido realizada aquela reunião decisiva. Olhei para o embaixador e perguntei como era possível um país que havia dado o salto na educação, ciência e tecnologia não ter conseguido fazer uma rede de boas estradas. Ele olhou para mim e disse “por isso mesmo!”. Fez um longo silêncio e completou: “optaram pela educação, concentraram seus recursos na escola. Agora, vão fazer as estradas”.

Essa resposta do embaixador foi uma lição maior do que tomar conhecimento do Acordo de Kork. O Brasil dificilmente faria um acordo desse tipo, porque não fizemos opção pela educação nem temos ainda o entendimento de que os recursos dos governos são escassos e é preciso fazer escolhas com prioridades de onde gastá-los. Nossos líderes partidários ou sindicais quereriam “priorizar” tudo e imediatamente, nenhum setor abriria mão de gastos que interessasse. Continuamos preferindo a mentira demagógica de fazer tudo ao mesmo tempo, deixando educação para trás, porque ela não aparece aos olhos do eleitor. Salvo depois de feita, nos resultados obtidos na construção do país, como fizeram França, Irlanda, Coreia do Sul. (Correio Braziliense – 18/06/2019)

Cristovam Buarque, professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Cristovam Buarque: Não basta melhorar

Uma entrevista é como dueto musical entre entrevistado e entrevistador. Na edição de 12 de maio no Correio Braziliense, as jornalistas Ana Paula Lisboa, Dad Squarisi e Mariana Niederauer e o professor Mozart Neves Ramos fizeram esse concerto em que o leitor sente prazer. Além disso, deram uma aula de como enfrentarmos a tragédia de nossa deseducação. Na ótica do educador, conseguiram dizer como fazer uma escola e uma sala de aula que atendam às exigências dos tempos atuais.

Precisamos agora passar à visão educacionista que nos diga como levar essas ideias para as 200 mil escolas e aos dois milhões de professores que atendem aos 50 milhões de alunos da educação. Como levar para todo o país as boas experiências de escolas e de cidades em prática hoje no país.

O primeiro passo é não nos contentarmos em comparar onde estamos em 2019 com onde estávamos 1989, e buscarmos fazer o necessário para em 2049 estarmos tão bons quanto os melhores do mundo. Para isso, temos duas dificuldades: ainda não nos vemos como um país campeão em educação no mundo, nem temos o sentimento de que no Brasil toda criança deve ter acesso à educação com a mesma qualidade, independentemente da renda e do endereço da família.

Por isso, a proposta de termos educação igual às melhores do mundo e igual para cada criança é vista como uma ingenuidade, uma impossibilidade ou demagogia. Vencer essa modéstia e essa maldade são nossos maiores obstáculos. Se não nos convencermos disso, vamos continuar comemorando pequenos avanços, mas ficando para trás em relação ao resto do mundo.

O professor Mozart e suas entrevistadoras nos ensinaram com extrema competência como mudar os pneus com o carro em movimento. Mas, se além disso, queremos também saltar para termos uma das melhores educações do mundo, vamos precisar mudar os pneus do carro e o carro também. O atual frágil sistema educacional municipal está melhorando, mas não nos coloca entre os melhores e não nos levará a uma escola de qualidade igual para todos. Para o salto, enquanto vamos melhorando o sistema municipal atual, será preciso também implantar um novo sistema nacional, paulatinamente por cidades, ao longo de 20 ou 30 anos. Para isso será necessário:

1. O Brasil entender que educação não é apenas um direito de cada brasileiro, como diz a Constituição; é mais que isso, é o motor do progresso econômico e da justiça social; ter cada um de seus cérebros em escolas de qualidade é uma necessidade do Brasil.

2. Concentrar o trabalho do MEC na educação de base.

3. Aos poucos, adotar pelo governo federal a educação de base nas cidades sem condições de dar uma boa escola a suas crianças.

4. Nessas cidades, implantar escolas novas, com professores de uma nova carreira federal, muito bem remunerada, com exigências de dedicação exclusiva e avaliações periódicas, em prédios novos e muito bem equipados com o que houver de mais moderno na área de tecnologias pedagógicas. E todas as escolas funcionando em horário integral.

5. Cada escola teria gestão descentralizada e liberdade pedagógica. A adoção federal deveria ser voluntária por opção da cidade, não por imposição da União. E seria feita com responsabilidade fiscal.

6. Considerando a média de 30 alunos por sala, para ter uma boa escola, o custo anual de cada aluno seria em torno de R$ 15 mil. Esse custo/aluno/ano permite pagar um salário mensal de R$ 15 mil ao professor dessa nova carreira. Se o Brasil voltar a crescer a 2% ao ano, ao final de 30 anos, esse novo sistema federal exigiria apenas 6,5% do PIB para atender aos atuais 50 milhões de alunos.

Isso tudo é possível financeiramente, mas muito difícil politicamente e quase impossível mentalmente porque nós brasileiros, eleitores e eleitos, não temos grandes ambições intelectuais como nação, e menos ainda temos compromisso de igualdade na educação. Além disso, não queremos alimentar uma ambição que exige décadas, porque nos contentamos com pequenos avanços rápidos. Por isso, é mais provável que continuemos avançando e ficando para trás, ampliando três brechas: entre educação dos ricos e dos pobres, entre nossa educação e a de outros países, e entre nosso nível educacional e as exigências educacionais para os tempos atuais. (Correio Braziliense – 21/05/2019)

Cristovam Buarque, ex-senador pelo Cidadania-DF e professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

 ‘Esse governo vai provocar o que parecia impossível. Piorar a educação’, afirma Cristovam Buarque

O ex-ministro da Educação e ex-senador Cristovam Buarque (Cidadania) acompanhou pela televisão os protestos que tomaram as ruas do País contra os cortes no orçamento das universidades realizado pelo governo de Jair Bolsonaro com um misto de entusiasmo e frustração. À BBC News Brasil, ele se disse “feliz com o despertar das universidades”, mas “triste” pela ausência da Educação Básica no centro das manifestações.

Mariana Schreiber – News Brasil em Brasília

Enquanto estudantes protestavam em quase 200 cidades do país, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, justificava os cortes em audiência no Congresso devido à crise fiscal herdada do governo Dilma Rousseff e dizia que a prioridade da gestão Bolsonaro é ensino básico, fundamental e técnico.

A promessa, porém, não convence Cristovam Buarque, para quem a agenda do ministro Weintraub de combate ao “marxismo cultural” em escolas e universidades é de causar “arrepios”.

“Eu não vejo (o governo) com condições de fazer nada pela educação. Eu nunca pensei que um dia pudesse ter um governo que provocasse um retrocesso numa coisa tão atrasada como a educação brasileira. Mas o governo que está aí vai provocar um retrocesso, na educação de base e na universidade também”, critica.

Cristovam Buarque, que foi ministro da Educação no primeiro ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003) e saiu após ser demitido por telefone, tem como principal agenda a defesa da federalização do ensino básico, hoje competência dos municípios.

Ao comentar os governos do PT, seu antigo partido, ele acusa Lula e Dilma Rousseff de “concentrar os esforços no ensino superior e abandonar a educação de base”.

“E por que fez isso? Por razões eleitoreiras, porque a universidade dá voto, a educação de base não dá voto. O Lula conseguiu vender a ideia do consumo do diploma”, afirma.

“As pessoas entram na universidade para ter um diploma, não para ter conhecimento. O Lula conseguiu fazer isso, porque ele usou como uma ascensão (social), não como uma alavanca do progresso. Minha maior frustração foi essa”, reforça.

Buarque, que não conseguiu renovar seu mandato de senador pelo Distrito Federal na eleição de 2018, conversou com a BBC News Brasil de Recife, sua cidade natal, onde passa alguns dias entre palestras e um retiro na praia para escrever. Pretende lançar dois livros, um com diagnósticos sobre os erros dos governos “democráticos progressistas” e outro sobre o quer para o futuro do país.

Diz que está “achando a vida ótima”, mas conta que sente saudade dos debates no Congresso. “Outro dia recebi novos parlamentares na minha casa, disse que me senti um passarinho com saudade da gaiola. Eu saí tão feliz da gaiola que era o Senado, mas, quando vejo essa crise, penso que podia estar falando lá”.

Confira os principais trechos da entrevista.

BBC News Brasil – O presidente disse que os manifestantes que foram às ruas contra os cortes nas universidades são “massa de manobra” e “idiotas úteis”. Qual sua avaliação dos protestos?

Cristovam Buarque – Com todo respeito, essa fala do presidente não merece comentário. Quanto às manifestações em si, eu fico muito feliz em ver a universidade despertando, mas, ao mesmo tempo, fico triste que não estejam despertando para um o contingenciamento tão ou mais grave do que o contingenciamento financeiro (das universidades), que é o contingenciamento estrutural por causa da má qualidade da educação básica.

Eu não vi pela televisão um cartaz contra a existência ainda de analfabetismo de adultos no Brasil, não vi um cartaz pedindo a federalização da educação de base, não vi pedindo o aumento do piso salarial do professor da educação de base, não vi pedindo que se consiga aumentar o número de jovens que terminam o ensino médio com qualidade.

Eu fico alegre com o despertar, mas fico triste que só se desperte na hora do (contingenciamento do) ensino superior.

BBC News Brasil – Por que o ensino superior mobiliza mais que a educação básica?

Buarque – Primeiro, porque nenhum governo quis até aqui trazer o assunto da educação de base para o governo federal. Não existe Ministério da Educação de Base no Brasil. O Ministério da Educação, na verdade, é o Ministério do Ensino Superior. A educação de base é deixada para os municípios.

BBC News Brasil – Mas o Ministério da Educação não tem um papel de coordenação?

Buarque – Tem teoricamente, mas não consegue. Como coordenar sem executar? Os professores são municipais, os recursos são municipais e estaduais. A única contribuição do governo federal para a educação de base são os livros didáticos, a merenda e o Fundeb (um fundo que repassa recursos a Estados e municípios), mas o salário dos professores vem dos municípios, coitados, que não podem pagar mais que os R$ 2 mil do piso salarial, e centenas nem estão conseguindo cumprir o piso.

Então, eu fico feliz com as manifestações, e triste que a pauta se limita ao ensino superior. O gargalo está na educação de base e a gente não consegue mobilizar a sociedade para bater nesse ministro por causa da educação de base. E não consegue porque ele vai dizer que essa é uma questão dos prefeitos. Nós precisamos ter um ministério para a educação de base.

BBC News Brasil – O governo diz que não tem recursos. Como poderia federalizar o ensino básico em meio à crise fiscal?

Buarque – Tem que ser gradual. Não tem dinheiro para fazer no Brasil inteiro, mas dá para fazer primeiro em cem cidades, depois 200 (o país tem 5.570 municípios). Até porque a federalização que eu defendo não é o governo federal assumir o sistema municipal que está aí. Não vai adiantar nada.

A minha proposta é começar a implementação de um novo sistema federal, que vá substituindo o municipal ao longo de 30 anos, pagando R$ 15 mil de salário para novos professores, com turmas de 30 alunos. A minha proposta é começar a implementação de um novo sistema federal, que vá substituindo o municipal ao longo de 30 anos, pagando R$ 15 mil de salário para novos professores, com turmas de 30 alunos

Se a economia crescer em média 2% ao ano, após 30 anos, o novo sistema custaria 6,5% do PIB. É muito dinheiro, por isso eu eu falo em 30 anos, porque tem que ser com responsabilidade fiscal. Sem isso, por mais dinheiro que você ponha na educação, se vier inflação, a educação piora, porque os professores vão ter que parar a cada três meses para pedir aumento de salário. Então, não vai dar resultado.

A Coreia do Sul, que hoje tem uma das melhores educações do mundo, levou 40 anos.

BBC News Brasil – O processo de melhorar a educação básica é longo. Como vê a capacidade e o interesse desse governo em iniciar esse processo?

Buarque – Eu não vejo com condições de fazer nada pela educação. Esse governo vai provocar algo que parecia impossível: um retrocesso.

Eu sempre lutei minha vida toda contra o estado atrasado da educação. Eu nunca pensei que um dia pudesse ter um governo que provocasse um retrocesso numa coisa tão atrasada como a educação brasileira. Mas o governo que está aí vai provocar um retrocesso.

Eu já tive uma grande frustração com o nosso governo, dos democratas progressistas, Lula, Dilma. Com esse governo aí eu não tenho nem frustração, porque eu não esperava nada dele.

BBC News Brasil – O senhor está preocupado com a possibilidade de piorar o que já é ruim?

Buarque – Exatamente. O que era perto de zero, vai ficar quase zero. Vai ter um retrocesso na educação de base e na universidade também.

Agora, o Bolsonaro é passageiro. O problema é que no Brasil nós temos dois problemas fundamentais. Uma é que nós brasileiros não acreditamos plenamente que o Brasil pode ser campeão mundial de educação, que podemos ter dez prêmios Nobel em 30 anos. Na mente do brasileiro, somos bons para o futebol, não para a cabeça.

E, segundo, é que está entranhado no Brasil que filho de pobre não estuda na mesma escola que filho de rico. Do mesmo jeito que durante 350 anos a mente brasileira não acreditava que brancos e negros tinham o mesmo direito. Foi preciso 300 anos de aceitação, 50 anos de luta abolicionista, até que um dia a população percebeu que era uma vergonha ter escravidão.

Mas a população não descobriu ainda que é uma vergonha ter escola para rico diferente de escola para pobre.

BBC News Brasil – Qual foi sua principal frustração na Educação com o governo do PT?

Buarque – Concentrar os esforços no ensino superior e abandonar a educação de base. E por que fez isso? Por razões eleitoreiras, porque a universidade dá voto, a educação de base não dá voto. O Lula conseguiu vender a ideia do consumo do diploma.

As pessoas entram na universidade para ter um diploma, não para ter conhecimento. E de fato, uma família que tem um filho com diploma na parede, mesmo que não traga conhecimento que lhe permita um emprego bom, essa família fica muito feliz. O Lula conseguiu fazer isso, porque ele usou como uma ascensão (social), não como uma alavanca do progresso. Minha maior frustração foi essa.

BBC News Brasil – Voltando aos protestos, o governo justifica o contingenciamento dizendo que não há recursos suficientes. Os cortes são inevitáveis?

Buarque – É provável que falte dinheiro, mas está sobrando em outro canto. Tire de outro lugar. Não justifica tirar dinheiro da educação por causa da crise num país que, apesar da recessão, ainda tem um PIB de mais de R$ 6 trilhões.

O ministro da Fazenda deu uma ideia interessante: usar o dinheiro recuperado da Petrobras (R$ 2,5 bilhões) para as universidades. Aquele dinheiro que o (procurador da Lava Jato Deltan) Dallagnol criou um fundo, por que não ir para as universidades?

Eu apoio os protestos, mas eu estou frustrado também porque ainda não é luta. As pessoas não estão indo para a rua lutar, elas estão indo reivindicar. A diferença é que ao reivindicar você pede mais dinheiro e ao lutar você pede mais dinheiro dizendo de onde deve tirar.

Eu não vi uma faixa dizendo para que o dinheiro que foi recuperado da corrupção fosse para a educação. Eu não vi uma faixa sugerindo acabar com subsídios e isenções para a indústria automobilística. São R$ 300 bilhões! O corte das universidades é na casa de R$ 2 bilhões. O governo abriu mão de R$ 300 bilhões, e não foi esse não, foi o governo da Dilma.

BBC News Brasil – Diante da crise, o senhor acha que seria correto instituir mensalidade?

Buarque – A cobrança de mensalidade não vai reduzir o rombo das universidades. O número dos que podem pagar um custo de uma universidade é tão pequeno que eles vão deixar de ir para a universidade. Em todo o lugar do mundo que a universidade é paga ela é financiada por bolsas de estudo. Alguém tem que pagar (as bolsas), tem que aumentar imposto de alguém, fazer com que os empresários ofereçam bolsa.

BBC News Brasil – O governo Bolsonaro considera que as universidades estão dominadas por um espectro ideológico de esquerda. Segundo o ministro da Educação, é preciso expurgar o marxismo cultural dessas instituições. O senhor vê uma unidade ideológica dentro das universidades?

Buarque – Não tem (unidade). É uma babaquice desses caras. Ninguém falava em (Karl) Marx mais. Bolsonaro despertou Marx, que estava dormindo. O marxismo é uma das teorias sociais mais belas que teve no mundo, mas ficou superada pela realidade. A robótica, a inteligência artificial, a globalização, a crise ecológica aposentaram o marxismo.

Eles são contra também o marxismo cultural nas escolas. Nossas escolas não ensinam nada, como é que podem ensinar marxismo cultural, se é que existe isso. Eu confesso que já estudei muito Marx, sei o que é marxismo, mas não sei o que é marxismo cultural. Para Continue lendo

Cristovam Buarque: Nossa UnB

Brasília se emocionou com a cirurgia que separou as irmãs siamesas Mel e Lis e se orgulhou com a equipe médica. Isso não seria possível sem o Instituto Hospital de Base e a Universidade de Brasília (UnB), como destacou o professor Antônio Lassance. Nenhuma outra instituição deu maior contribuição ao desenvolvimento científico que as universidades. Um governo patriótico, que entenda os rumos da era do conhecimento, deve ampliar recursos para o ensino superior e, ao mesmo tempo, enfrentar a tragédia da educação de base. Precisamos sair da calamidade do analfabetismo e dar um salto para colocar o Brasil entre os países com melhor educação no mundo. A decisão de cortar recursos da UnB e de outras universidades federais mostra um governo cego para os novos rumos da história.

Igualmente grave é que as oposições ao governo Bolsonaro tampouco parecem ter propostas alternativas que assumam a importância da educação para o futuro do país. O governo trata as universidades com desprezo porque elas não pertencem ao seu grupo ideológico, mas na comunidade acadêmica muitos tratam a instituição como se pertencesse a seus alunos, professores e servidores e não ao povo brasileiro que financia seus gastos.

O governo combate as universidades e ameaça sua sobrevivência. E as oposições as defendem, sem perceberem o desastre fiscal que atravessamos, nem indicar tecnicamente de onde tirar recursos necessários para servir ao país, eliminando corrupção, desperdícios, mordomias e privilégios nos três Poderes. Também não deixam mesmo qual é o projeto para a universidade, justificando seu papel na construção do futuro. Mais do que reivindicar, é hora de lutar por recursos, mostrando que tirar da universidade é matar o progresso.

O governo atual não entende qual é o papel das universidades e quer descaracterizá-las; as oposições, com uma visão “neoliberal social”, continuam a vê-las como escada de ascensão para os que nela entram. Não conseguem enxergar as universidades como alavanca para o progresso econômico e social. O ensino superior é um instrumento de ascensão pessoal para quem se forma, mas a formação não é apenas para beneficiar o indivíduo, mas servir ao conhecimento e à formação de profissionais que permitam melhorar o país.

Mesmo políticas que parecem destinadas a beneficiar indivíduos só se justificam em instituições públicas se beneficiam o país. Ao mudar a imagem do Brasil, mudando a cor da cara da elite brasileira, as cotas para afrodescendentes beneficiam mais todo o país do que o jovem negro cotista. O atual governo não gosta das cotas e as oposições as veem como escada para o jovem beneficiado, não como uma alavanca para o Brasil.

Por isso, enquanto o governo ameaça a sobrevivência da universidade, as oposições não acenam com um projeto que vá além da sobrevivência e justifique para o povo o papel delas como vetor decisivo para o progresso. A universidade pública deve ajudar o Brasil a sair da tragédia da educação de base, começando pela erradicação do analfabetismo, construindo métodos e políticas para que todos os jovens brasileiros terminem o ensino médio com qualidade, independentemente da renda e do endereço da família, desCPFlizando e desCEPlizando a qualidade do ensino ofertado.

Com sua ojeriza ao pensamento científico, sua intolerância ideológica, o governo está ameaçando a sobrevivência das universidades, mas as oposições não estão apresentando os argumentos necessários para o povo defender suas instituições, como patrimônio do brasileiro.

Em 1964, a UnB sofreu ataque gravíssimo, quando 200 professores foram demitidos, alguns presos, outros exilados, dezenas de alunos expulsos. Mas ela sobreviveu, cresceu e ficou mais forte. Ela vai sobreviver a este governo e pode sair mais inteligente, comprometida e eficiente. Para isso precisa ficar mais sintonizada com o futuro, não com o presente, e mais com o país, não com sua própria comunidade, mais com a tolerância não com seitas, mais com o mérito menos com apadrinhamentos; lutar por mais recursos, mostrando eficiência, austeridade e adotar papel preponderante na revolução educacional, tendo ambiciosa estratégia de promoção de conhecimento científico e tecnológico.

Sobretudo, é preciso entender que a UnB é nossa, do país e de seu povo. Não pertence ao governo obscurantista que passará, tampouco a suas corporações; e que, diferentemente do governo, a UnB voltará a ser tolerante com todas posições políticas, sem sectarismos, porque ela é nossa, é de todos. (Correio Braziliense – 07/05/2019)

Cristovam Buarque, ex-senador (Cidadania-DF), e professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Cristovam Buarque: Conspiração Interna

Negar educação de qualidade para uma criança por causa de sua renda ou endereço impede o progresso econômico e social

Em um excelente ensaio, que deveria ser lido por todos, publicado na Veja, o Professor Claudio de Moura Castro descreve de uma forma raramente vista, a importância da educação para o desenvolvimento de cada país. Como se fizéssemos uma conspiração contra o Brasil, a mente brasileira impede o salto na educação brasileira.

Mesmo aqueles que se dedicam e defendem a educação, lutam para sair da tragédia, não para o Brasil dar o Salto na educação: ficarmos entre os melhores do mundo e oferecermos a mesma qualidade independente da renda e do endereço da criança, desCEPlizar e DesCFPlizar a educação.

Na última terça feira, na Assembleia do movimento Todos pela Educação foi dito que uma das nossas tarefa é convencer a população brasileira, a Mente do Brasil”, de que:

Nesta Era do Conhecimento, educação não é apenas um direito de cada pessoa, mais ainda, educação é o motor do Progresso.

É possível, em um prazo de anos, o Brasil ter uma educação tão boa quanto as melhores do mundo, ficarmos e entre as primeiras classificações no PISA.

Que negar educação de qualidade para uma criança por causa de sua renda ou endereço impede o progresso econômico e social, impede aumentar a renda nacional e de distribuí-la com justiça, conforme o talento da pessoa.

A maior tarefa dos que desejam fazer do Brasil um país educado é convencer o Brasil de que é preciso e é possível fazer isto, apesar de que em “nossa mente” estão entranhadas quatro ideias: a) nossa vocação é para o futebol, não para a inteligência, para as quadras, não para as escolas; b) escola com qualidade não é possível para todos, como antes não era para os escravos agora não seria para os pobres; c) que o motor do progresso está na economia e não na base da economia que é a educação; d) que a distribuição de renda passa antes pela distribuição do conhecimento, pelo cérebro antes do bolso, pela escola antes do banco, e pelo boletim escolar antes do contracheque. (Blog do Noblat/Revista Veja – 03/05/2019)

Cristovam Buarque é ex-senador (Cidadania-DF)

Cristovam Buarque: Lava-Tudo

A Operação Lava-Jato conseguiu o grande feito de despertar uma consciência nacional contra a corrupção no comportamento dos políticos brasileiros. Mas ainda não houve um verdadeiro despertar da consciência nacional contra as outras formas de corrupção.

Já prendemos políticos que desviaram para seus bolsos o dinheiro que deveria ser destinado ao gasto com a população, mas não condenamos políticos que cometem a corrupção nas prioridades, desviando recursos públicos sem consequência social. O gasto de quase dois bilhões para um estádio de futebol em Brasília, a poucos quilómetros de distância de onde vivem dezenas de milhares de pessoas sem saneamento, foi um ato de corrupção, mesmo que não tivesse havido pagamento de propina e roubo de dinheiro para o bolso de políticos.

Mesmo obras necessárias e urgentes implicam corrupção quando seus gastos são elevados pela monumentalidade desnecessária. A maior parte das edificações no Legislativo e no Judiciário carrega a corrupção do desperdício pela ostentação. O mesmo pode- se dizer dos luxuosos prédios do Ministério Público, instituição que luta contra a corrupção no comportamento dos políticos, mas tolera a corrupção nas prioridades e a corrupção do desperdício.

E o que dizer de uma obra necessária que, embora austera, carrega a corrupção da ineficiência pelo descaso com os assuntos e gastos públicos? As ferragens, areia, cimento de obras paradas formam esqueletos da corrupção da ineficiência. Da mesma maneira, há corrupção no relaxamento dos serviços que não atendem bem ao público, por culpa do mau funcionamento da máquina ou pela má postura de servidores.

Há corrupção nos desperdícios para atender a mordomias e privilégios que desviam dinheiro público para beneficiar servidores do topo de carreiras do Estado. Além de se apropriar de dinheiro público, para atender a interesses privados, a corrupção das mordomias e privilégios corrói a credibilidade do Estado, provocando perda de credibilidade na democracia e no Estado.

A Operação Lava-Jato trouxe a consciência e a indignação com a corrupção no comportamento da classe política, que rouba para seus bolsos, mas não desnudou a corrupção da deseducação que compromete o futuro do país ao deixar o Brasil com um dos piores sistemas educacionais, e o mais desigual no mundo, e por termos ainda dez milhões de adultos analfabetos, no máximo 20% dos nossos jovens terminando o ensino médio com razoável qualidade.

A corrupção da deseducação rouba cruelmente, ao comprometer a eficiência econômica e impedir a justiça social. Essa é a pior das corrupções porque incinera o futuro de nossas crianças e por elas o futuro da Nação; e ainda esconde as outras corrupções pela falta de consciência.

A corrupção ecológica vandaliza o futuro ao devastar nossas matas, sujar nossos rios, poluir nosso ar. A corrupção monetária pela inflação, que seduz os populistas, rouba o assalariado do valor de seu salário, pago com dinheiro falso e desorganiza o empresário que fica sem um padrão para o valor nominal dos insumos que compra e dos produtos que vende.

O Brasil descobriu a corrupção no comportamento de políticos que roubam, mas é preciso perceber e acabar com as demais formas de corrupção que comprometem o bom funcionamento e o futuro do país, nas prioridades, nas mordomias, na ostentação, na ineficiência, na irresponsabilidade, na deseducação, na ecologia e na inflação.

Mais do que uma Operação Lava-Jato, precisamos de uma Operação Lava-Tudo para todas as formas de corrupção. (O Globo – 30/04/2019)