Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota

Junho foi ruim para o governo. Não por ter ele acumulado derrotas ou sofrido um assédio vencedor da extrema direita. Mas sim porque o governo não saiu das cordas em que sua própria atuação o jogou.

O leilão de importação emergencial de arroz foi suspenso por suspeita de fraude. O governo perdeu no Congresso em áreas estratégicas, como a da reforma tributária. Recebeu de volta, por decisão de Rodrigo Pacheco (PSD-MG), com a anuência de parlamentares petistas, a medida provisória com mudanças no PIS/Cofins. Lula da Silva, por sua vez, peitou o presidente do Banco Central, mas engoliu a manutenção da taxa básica de juros. O ataque a Roberto Campos Neto foi visceral, abertamente político e ideológico, revelando certa fúria descalibrada.

As tribulações governamentais chegaram ao auge com o indiciamento pela Polícia Federal (PF) do ministro Juscelino Filho, das Comunicações, acusado de praticar crimes graves como corrupção passiva, fraude em licitações e organização criminosa.

Não é usual um ministro de Estado ser indiciado com tais acusações. Juscelino está no radar desde o início do governo, sempre contemplado com suspeitas de mau uso dos recursos públicos ou do seu uso em benefício próprio. Não é um novato na área, nem muito menos ingênuo. Integra o pacote que o União Brasil apresentou para ser benevolente com o governo. Os apoios não vieram, ou só vieram em doses pequenas. Em nenhum momento deram sustentação e tranquilidade ao Executivo. Por que então se desgastar com a manutenção de ministros como Juscelino?

A explicação para esses atropelos passa por alguns fatos. O presidente Lula já não é mais o Lula sindicalista, bom de gogó e de articulação, visto por muitos como um “encantador de serpentes”, negociador capaz de dar nó em pingos d’água. Não é por causa do cansaço da idade, por mais que isso exista. Mas é porque está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota, redefinir as escolhas estratégicas e construir um projeto sustentável de sociedade, nas diversas áreas em que isso se manifesta, especialmente no equilíbrio fiscal e no combate à desigualdade social. Nada disso foi alcançado depois de um ano e meio de governo. Pior: ninguém sabe se algo disso será alcançado daqui para frente.

Lula governa com uma relação desequilibrada entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Todos se metem em tudo. O Supremo Tribunal Federal (STF) quer ser protagonista. O Parlamento vive de chantagear o Executivo e deliberar sobre pautas incompreensíveis nas atuais circunstâncias. O Congresso não discute coisas substantivas, deputados saem a tapa e estão preocupados muito mais em atender às suas clientelas do que em pensar o País.

Há um vazio propositivo no País. A sociedade civil e os intelectuais pararam de dialogar, fascinados pela simplificação grosseira das polarizações, como se não estivessem moralmente obrigados a atuar em nome da formulação de um projeto para o País. Não há debate público entre nós.

O governo nem pode alegar que o bolsonarismo o atrapalhe. Em junho, a extrema direita perdeu no projeto de lei (PL) das praias, não conseguiu politizar a tragédia gaúcha, perdeu na questão da descriminalização da maconha e na nefasta tentativa de punir a mulher que abortar depois de um estupro, manobra sórdida desencadeada para “testar o governo” e ver se ele está mesmo disposto a dar atenção aos evangélicos, como falou o deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). A discussão do tema foi bloqueada pela intensa manifestação contrária de diversos setores da sociedade. Foi transferida para o segundo semestre, e muitos acreditam que não terá fôlego para voltar à pauta.

Por fim: Lula precisa administrar os arranjos parlamentares e simultaneamente as lutas internas no PT. O partido parece não fazer questão de ser governo, e há correntes que se alinham com a direção nacional (Gleisi Hoffmann) para “forçar” o governo a caminhar numa direção para a qual não tem pernas e não tem consenso. Enquanto o ministro Fernando Haddad se bate para administrar a economia com cautela e busca equilíbrios, os petistas pedem aceleração reformadora e inflexões “desenvolvimentistas” alavancadas por estatais e grandes empresas. Enquanto o ministro prega reforma tributária e “revisão ampla, geral e irrestrita” dos gastos governamentais, o petismo de oposição defende aumento de gastos e proteção a determinadas empresas nacionais. Isso não deu certo lá atrás, não é provável que funcione agora.

Lula fica no meio, paralisado. Num rompante, diz não saber se a saída é “cortar gastos ou aumentar a arrecadação”. Precisa ouvir o partido e ao mesmo tempo defender seu principal ministro, que não esconde a insatisfação e a dificuldade de enfrentar “a encrenca que é o Brasil”. O momento pede reflexão e calibragem dos motores. O governo precisa dinamizar sua atuação, evitar o desgaste prematuro e dissipar as dúvidas sobre sua capacidade de fazer algo que o distinga até o final do mandato, em 2026. (O Estado de S. Paulo – 29/06/2024)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Universidade não é fábrica

A greve pode ser legítima, mas não é compatível...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!