Muitos militares não assimilaram a nova doutrina de defesa

NAS ENTRELINHAS

A velha doutrina de segurança nacional se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso quando os EUA apoiaram o Reino Unido contra a Argentina

Está disponível no site do governo federal (www.gov.br) o Livro Branco de Defesa Nacional (LBDN) encaminhado ao Congresso em 20 de julho de 2020, ou seja, há quase quatro anos. Como diz a sua apresentação, “é o mais completo e acabado documento acerca das atividades de defesa do Brasil”. Apresentado em meados do governo de Jair Bolsonaro, o texto original fora concluído em 2012. Os ex-ministros da Defesa Nelson Jobim e Raul Jungmann estão entre os que mais se empenharam para que fosse consolidado.

O documento dorme nas gavetas do Congresso, nem os políticos nem os militares quiseram discutir esse assunto: “vocês não mexem conosco que também não mexemos com vocês”. Errado. Enquanto o Congresso se omitia, o ex-presidente Jair Bolsonaro trabalhava dia e noite para desmoralizar o processo eleitoral brasileiro, de onde vem o “governo do povo, pelo povo e para o povo”, com o propósito de implantar um regime “iliberal” e se manter no poder, com apoio das Forças Armadas. Para isso, cevou o Congresso com verbas e tentou subjugar o Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsonaro supostamente tentou dar um golpe de estado antes, durante e depois das eleições de 2022. Na linha do ex-governador carioca Carlos Lacerda (UDN): “O sr. Getúlio Vargas, senador, não deve ser candidato à presidência. Candidato, não deve ser eleito. Eleito, não deve tomar posse. Empossado, devemos recorrer à revolução para impedi-lo de governar”(Advertência oportuna, Tribuna da Imprensa, 1º de junho de 1950). Esse roteiro viria a se repetir como farsa em 8 de janeiro do ano passado.

Lacerda, então governador da antiga Guanabara, foi um dos líderes políticos do golpe de 1964 e mirava as eleições presidenciais de 1965, que foram suspensas. Teve seus direitos políticos cassados. Sucessivos generais, por 20 anos, se revezaram na Presidência: Castelo Branco, Costa e Silva, Emílio Médici, Ernesto Geisel e João Figueiredo. Segundo o falecido historiador Nelson Werneck Sodré, autor do clássico História Militar do Brasil, “gostaram do poder”. Parece que agora os nossos políticos aprenderam a lição. Não embarcaram no golpe de Bolsonaro.

A força da história se faz presente quando uma velha contradição não se resolve. Assim é a questão militar no Brasil, entre outras coisas, porque o Estado antecedeu a nação. O mito fundador de nosso Exército é a Batalha de Guararapes (1648/49), quando os holandeses foram expulsos do Brasil, mas sua constituição histórica se deu ao reprimir duramente movimentos separatistas e/ou republicanos (Revolução Pernambucana, Confederação do Equador, Cabanagem, Balaiada, Farrapos, por exemplo) para manter a ordem, sempre que a justiça federal não eram suficientes para afirmar o poder central nas províncias.

Nova doutrina

Massacrado o povo, o velho Senado, com sua “política de conciliação”, lamberia as feridas das elites derrotadas. Foi assim que se manteve a nossa integridade territorial e se formou o Estado brasileiro. Entretanto, após a Guerra do Paraguai (1864-1870) e Abolição (1888), o protagonismo militar na política brasileira viria a emergir com toda força. No ano seguinte, os militares destituíram o imperador Pedro II e proclamaram a República. O golpismo bem-sucedido em 1989, 1930 e 1964 viria a ser sua principal característica. Tomara que os acontecimentos de 8 de janeiro do ano passado representem o fim desse longo ciclo histórico, que deveria ter se esgotado com a Constituição de 1988, mas teve sua recidiva após a eleição de Jair Bolsonaro, em 2018.

A causa da recidiva foi a divisão ideológica das Forças Armadas, que sempre provoca quebra de hierarquia e indisciplina. Foi assim no Movimento Tenentista (década de 1920), na Aliança Nacional Libertadora (1935) e após a dissolução da Força Expedicionária Brasileira (FEB), em 1945. Durante o regime militar, após o grande expurgo de militares legalistas, a coesão se restabeleceu tendo por base o anticomunismo da Guerra Fria, que consolidara sua centralidade na doutrina militar.

O Livro Branco representa uma nova doutrina de defesa, em bases democráticas e pacifistas. Ultrapassa a velha doutrina de segurança nacional do regime militar, que se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso com a Guerra das Malvinas, entre a Argentina e o Reino Unido, quando o aliado principal, os Estados Unidos, apoiou diplomática e militarmente os ingleses e não os argentinos. Essa nova doutrina de defesa, contra a qual se insurgiram Bolsonaro e seus generais palacianos, que conseguiram dividir ideologicamente as Forças Armadas, não foi assimilada plenamente nas casernas, nem chegou ao conhecimento da sociedade civil.

Augusto Heleno e Braga Neto são de uma geração que ingressou nas escolas militares quando a carreira era mais do que uma via de ascensão à alta classe média, mas o caminho de acesso ao poder político central. Por isso, são reacionários e saudosistas do regime militar, sonham com um passado idealizado. O fracasso de 8 de janeiro pode ser o fim de um ciclo histórico, se a nova elite militar em formação, responsável pela sua elaboração, liderar a implantação da nova doutrina e a coesão das Forças Armadas, com base nos altos estudos, na hierarquia e na disciplina, e não apenas no adestramento militar, como acontece com as forças especiais. (Correio Braziliense – 18/02/2024)

Leia também

Lula não tem empatia com o centro conservador

NAS ENTRELINHASExiste um problema de desempenho nos ministérios, mas...

A luz do poeta Joaquim Cardozo na arquitetura de Brasília

NAS ENTRELINHASMuitos arquitetos e engenheiros vieram para Brasília com...

Lira teme efeito Orloff ao deixar comando da Câmara

NAS ENTRELINHASO presidente da Câmara se tornou uma espécie...

Lula deve pôr as barbas de molho com o cenário mundial

NAS ENTRELINHASDa mesma forma como o isolamento internacional se...

Pauta conservadora avança no Congresso

NAS ENTRELINHASPano de fundo é a sucessão dos presidentes...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!