Polarização política vai além dos índices de aprovação de Lula

NAS ENTRELINHAS

O ex-presidente Bolsonaro, mesmo impedido de disputar eleições, continua sendo a principal e mais influente liderança de oposição ao governo federal

Pesquisa divulgada, nesta quinta-feira, pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) mostra que a polarização política entre governo e oposição tem uma base objetiva, a avaliação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela opinião pública: 13% consideram a administração do petista ótima; 25%, boa; 30%, regular; 9% ruim; e 21%, péssima. Em relação a setembro, quando se realizou a pesquisa anterior do Ipec, a avaliação positiva de Lula caiu dois pontos percentuais, passando de 40% para 38%, e a reprovação aumentou cinco pontos, ou seja, subiu de 25% para 30%.

O modo como Lula governa é aprovado por 51% e desaprovado por 43% (6% não sabem ou não responderam). Confiam no presidente da República 48%, enquanto 50% não confiam, para 3% que não sabem ou não responderam. A expectativa em relação ao governo não foi um bom resultado: 32% consideram melhor do que esperavam, 30% igual e 35%, pior. Trocando seis por meia dúzia, a pesquisa é um copo pela metade, uns consideram boa, ou seja, quase cheio, outros consideram ruim, isto é, quase vazio. No fundo, os dados mostram que há espaço de sobra para a oposição ao governo manter o presidente Lula sob forte pressão nas eleições municipais.

De certa forma, os números do Ipec corroboram a avaliação da cúpula do PL, liderada por Valdemar Costa Neto, de que o ex-presidente Jair Bolsonaro, mesmo impedido de disputar eleições, continua sendo a principal e mais influente liderança de oposição ao governo. A recepção que obteve no Congressos na terça-feira, no lançamento da frente parlamentar das escolas militares, principal bandeira do governo Bolsonaro na educação, reforça essa avaliação, bem como a recepção popular que encontra quando vai a locais públicos.

O primeiro impacto relevante dessa pesquisa será nas eleições para a Prefeitura de São Paulo, na qual Bolsonaro e Lula se digladiam, nos bastidores. O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), que já tem o apoio do governador Tarcísio de Freitas, com ela, torna-se refém do apoio de Bolsonaro, que deve exigir a indicação de seu companheiro de chapa.

O nome proposto pelo PL é o do deputado estadual Gil Diniz, mas Nunes prefere a secretária estadual de Políticas para a Mulher, Sonaira Fernandes (Republicanos), a indicada do Palácio dos Bandeirantes. É uma forma de manter certa distância de Bolsonaro, que está incomodado com isso e, por sua vez, ameaça apoiar o deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), nome descartado por Valdemar Costa Neto.

Xadrez eleitoral

Do outro lado, estão o deputado federal Guilherme Boulos (PSol-SP), que liderava a disputa pela Prefeitura de São Paulo, no fim de setembro (27), segundo o instituto Paraná Pesquisas, com 35,1% das intenções de voto, contra 29% de Nunes (MDB). A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) aparecia em 3º lugar, com 7,5%, seguida do deputado Kim Kataguiri (União Brasil-SP), com 5,3%. Vinicius Poit (Novo), com 2,8%, estava em último lugar. É a melhor pesquisa para o atual prefeito de São Paulo até agora.

É aí que Lula entra em campo, para preservar a base eleitoral que lhe deu a vitória contra Bolsonaro na capital paulista, por 53,54% a 46,46%, no segundo turno das eleições de 2022, margem mais confortável do que o resultado nacional, que terminou em 50,90% a 49,10%. Boulos não tem como não entregar a vice de sua chapa para o PT, que sempre teve candidato próprio. O problema é que o PT não tem um nome capaz de aglutinar os eleitores que votaram em Lula. Na melhor das hipóteses, teria um quarto dos votos, o que é muita coisa, mas abarca também os eleitores de Boulos.

É por essa razão que Lula trabalha para atrair de volta ao PT a ex-prefeita Marta Suplicy, atual secretaria de Relações Internacionais da Prefeitura de São Paulo, aliada de primeira hora de Nunes, mas adversária de Bolsonaro, a quem chamou de psicopata. A ex-petista era protagonista da “volta, Lula” no governo de Dilma Rousseff, cuja candidatura à reeleição provocou o rompimento entre ambas. Como Boulos não tem experiência administrativa nem relações com a elite paulista, Lula considera Marta a vice ideal. O problema é convencer tanto a cúpula do PT quanto a ex-prefeita.

O jogo eleitoral paulista reflete a complexidade da polarização política na sociedade, na qual Lula e Bolsonaro ponteiam. O petista foi eleito muito mais pelo antibolsonarismo do que pela força do PT. Ainda que tenha a segunda bancada na Câmara, a legenda se enfraqueceu muito nas eleições de 2020: o número de prefeituras sob seu controle caiu de 254 para 183, perda de 28%. Com a vitória de Lula, filiou mais 45 prefeitos, número que nem se compara aos do PSD, de Gilberto Kassab, que saltou de 660 para 968 prefeituras. Poderoso secretário de Governo e Relações Institucionais do governador Tarcísio de Freitas, Kassab apoia Nunes. (Correio Braziliense – 08/12/2023)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

Os últimos dias do reinado de Lira

Lira precisa do apoio de Bolsonaro e do PL para eleger seu candidato a presidente da Câmara, Elmar Nascimento, o que explica a sua agenda contraditória.

Ao negociar dívidas, Pacheco empareda o governo

Haverá uma queda de braços entre a Fazenda e os governadores, principalmente Tarcísio de Freitas (SP), Romeu Zema (MG), Cláudio Castro (RJ), Eduardo Leite (RS) e Ronaldo Caiado (GO).

Tudo começou com Luís XIV: “O Estado sou eu”

Na Presidência, Bolsonaro comportou-se como se fosse a personificação do Estado, imaginou que os presentes que recebeu na Arábia Saudita fariam parte do seu patrimônio pessoal.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...
Artigo anterior
Próximo artigo

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!