Viva o Zé Letrinha

O país precisa de uma campanha para a educação como a da vacina

A característica mais visível do Brasil é a desigualdade como a população tem acesso aos benefícios econômicos e sociais — renda, moradia, serviços urbanos, saúde, educação e alimentação. Nossa cara é a concentração, não a distribuição. Única característica universal é a vacinação contra os vírus que contaminam sem respeitar fronteiras de classes: para proteger a parcela rica foi preciso vacinar a parcela pobre. Em 1973, ainda no governo militar, o Brasil criou o Programa Nacional de Imunizações. Em 1986, iniciou o sistema de vacinação simbolizado pelo personagem Zé Gotinha, com a estratégia de vacinar as crianças de todas classes sociais no mesmo dia em todo o território nacional. Começava não apenas uma campanha de vacinação, mas uma filosofia e um instinto nacional para vencer a poliomielite e outras doenças transmissíveis. O país venceu a batalha graças ao envolvimento de todos os partidos, meios de comunicação, cientistas, pais e mães, todos irmanados usando a capacidade logística de transporte terrestre, aéreo e marítimo em uma mesma luta, com um propósito comum.

Este compromisso, contudo, não existe em relação aos problemas que atingem apenas a população pobre. Não fizemos esforço pela educação de qualidade para todos, porque imagina-se que a deseducação não é transmissível. Os educados não seriam contaminados pelo abandono educacional dos outros. Isso impediu, até aqui, uma campanha nacional pela educação universal, nos moldes da vacinação. Não há um instinto nacional que convoque todos os brasileiros para alfabetizar 10 milhões de adultos que não sabem ler, e para assegurar a conclusão do ensino médio com qualidade para todas as crianças e jovens do Brasil, independente da renda e do endereço da família.

“Não há um instinto nacional que convoque 10 milhões de adultos que não sabem ler”

Essa ilusão de imunidade ignora que a deseducação contamina, provoca baixa produtividade, limita a renda nacional, causa desigualdade e pobreza, afeta a qualidade de vida, gera ineficiência nos serviços e nas indústrias, onde os profissionais de nível superior não conseguem dialogar tecnicamente com seus auxiliares. Em ambiente deseducado, ninguém se beneficia plenamente de sua própria educação.

O Brasil inteiro precisa entender que não basta educar alguns em universidades e deixá-los contaminados pela deseducação em geral, definir estratégia para superar a contaminação deseducativa, promover consciência nacional pela educação, como se conseguiu para a imunização sanitária; impregnar em cada brasileiro o valor da escolaridade de cada brasileiro como uma necessidade do país inteiro, não apenas de cada pessoa. Precisamos, inclusive, de um movimento alimentado também por campanhas de divulgação. Foram publicitários, especialmente Washington Olivetto, que criaram no Brasil a mania de “Mexa-se”, levando os brasileiros a descobrir a importância da ginástica e o valor das academias. Está na hora de eles criarem um mexa-se para promover a importância da educação e o valor das escolas.

O presidente da República precisa convidar nossos publicitários para juntos superarmos a ilusão de que deseducação não contamina os educados. Que tal desenharem um Zé Letrinha que seja símbolo da aglutinação nacional pela alfabetização? Uma figura que ajude os brasileiros a concluir o ensino médio com o mais alto padrão de qualidade, independente da renda e do endereço. (Revista Veja – 24/11/2023)

Leia também

Cristovam Buarque: Lula e Netanyahu

A corajosa declaração de Lula deixa-o ao lado dos humanistas contra a desumanidade.

Marco Aurélio Nogueira: Luiz Werneck Vianna (1938-2024)

Homenageá-lo hoje é manter viva a memória de um combativo, erudito, generoso e indignado intelectual, que olhou um país desigual, injusto e violento como o Brasil com lucidez e esperança.

Flávio Dino amplia a interlocução de Lula com Supremo

Gilmar e Toffoli foram os principais interlocutores do Supremo com o mundo político, mas Lula tem, agora, outros dois ministros de suas relações de confiança. Há limites éticos para isso.

As dívidas da democracia

Por sorte, dessa vez, o atentado da máfia golpista fracassou devido à incompetência e ao despreparo do líder, um militar da reserva que, por pouco, não foi expulso do Exército por indisciplina na década de 1980.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!