Cristovam Buarque: Avançar, não revogar

Hora de propostas cirúrgicas revolucionárias para acabar com a divisão do sistema escolar entre “escolas senzala” e “escolas casa grande”

Em 1889, muitos republicanos denunciaram que a Abolição foi uma reforma tímida, por não dar terra aos ex-escravos, nem escola aos seus filhos; e lamentavam ter sido feita pela monarquia, por um governo do partido conservador. Mas nenhum defendeu a revogação da insuficiente Lei Áurea. Nabuco fez sua defesa enquanto lutava por reforma agrária e educação de base para todos.

Cento e trinta anos depois, o governo de Michel Temer, com o ministro Mendonça Filho, apresenta uma reforma do ensino médio insuficiente. Não vai colocar a educação brasileira entre as melhores do mundo, nem assegura que os filhos dos pobres tenham escola com a qualidade dos filhos dos ricos; e nem mobiliza os recursos necessários para que, mesmo tímida, a reforma seja executada. Mesmo assim, a reforma do ensino médio representa um avanço: sinaliza ampliação de escolas com horário integral, adoção da necessidade de formação profissionalizante, e traz liberdade para que os alunos possam escolher o que desejam estudar. Mas, desta vez, no lugar de defenderem os avanços desta reforma insuficiente e de lutarem por mais avanços e recursos para executá-la, alguns educadores defendem sua revogação.

Quem tem compromisso com a educação de qualidade para todos não deve pedir sua revogação, mas sua ampliação. Denunciar sua insuficiência, mas, no lugar de poucas, defender que todas as escolas sejam em horário integral; no lugar de apenas alguns itinerários de disciplinas, defender que os alunos tenham a máxima liberdade para escolha das disciplinas, conforme suas vocações e talentos preferem; no lugar de alguma ampliação de cursos profissionalizantes, avançar para que o ensino médio seja em quatro anos, e permita a plena “alfabetização para a contemporaneidade”, o que implica todo aluno concluir o curso com o conhecimento necessário para exercer um ofício profissional; no lugar de uma reforma que deixa a responsabilidade de execução para os municípios, propor nacionalizar a educação das crianças, colocando-a sob responsabilidade do governo federal, com um ministério específico para a Educação de Base. Só assim vamos sair das reformas insuficientes e colocar a educação brasileira entre as melhores do mundo e quebrar a divisão entre “escolas senzala” para os pobres e “escolas casa grande” para os ricos.

O que está mal na reforma do ensino médio de 2017 não é ter sido feita por Temer, mas não ter sido feita pelos governos anteriores; não é o que ela contém, mas o que ela não ousou conter.

Será uma pena e uma tragédia se o governo progressista do Lula, no lugar de radicalizar apresentando sua reforma ampla para a educação de base, ficar na história como o revogador de modesta reforma para o ensino médio, apenas porque ela foi feita pelo governo Temer e porque patotas ideológicas conservadoras se opõem a ela, seja por interesses corporativos ou por não terem proposto antes uma reforma radical para dar qualidade e equidade à educação de base.

Ainda bem que os primeiros governos republicanos não revogaram a Lei Áurea, apesar de sua insuficiência e de ter sido um dos últimos atos do Império. Se tivessem revogado, a escravidão continuaria até hoje, enquanto progressistas brancos ficariam discutindo que modestas medidas propor para mitigar o sofrimento dos escravos, sem libertá-los de fato; como até hoje os seus filhos estão ainda escravizados por não receberem a educação que necessitam para enfrentar o mundo contemporâneo; enquanto corporações sindicais e blocos de concepções pedagógicas se digladiam entre si, alheios aos verdadeiros donos da educação: nossas crianças e o futuro do Brasil. O papel dos educacionistas não é revogar propostas homeopáticas, mas apresentar propostas cirúrgicas revolucionárias para acabar com a divisão do sistema escolar entre “escolas senzala” e “escolas casa grande”. A reforma de 2017 é um passo minúsculo, mas na direção certa, revogá-la é um passo atrás, retrógrado, reacionário. (Blog do Noblat/Metrópoles – 02/04/2023)

Cristovam Buarque foi senador, ministro e governador

Leia também

Lula não tem empatia com o centro conservador

NAS ENTRELINHASExiste um problema de desempenho nos ministérios, mas...

A luz do poeta Joaquim Cardozo na arquitetura de Brasília

NAS ENTRELINHASMuitos arquitetos e engenheiros vieram para Brasília com...

Lira teme efeito Orloff ao deixar comando da Câmara

NAS ENTRELINHASO presidente da Câmara se tornou uma espécie...

Lula deve pôr as barbas de molho com o cenário mundial

NAS ENTRELINHASDa mesma forma como o isolamento internacional se...

Pauta conservadora avança no Congresso

NAS ENTRELINHASPano de fundo é a sucessão dos presidentes...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!