Fernando Gabeira: Fake news e solidão

Uma das causas profundas da crise democrática é a naturalidade com que se usou o termo realidade alternativa

A leitura de alguns temas complicados me leva a escrever sobre uma palavra simples do nosso cotidiano: solidão. Rumos políticos, ecológicos e filosóficos apontam para ela.

No momento em que se discute o controle das redes sociais, é preciso lembrar que vivemos uma política definida como pós-verdade. O tsunami de fake news, teorias conspiratórias e desinformação talvez seja apenas a face visível.

Uma das causas profundas da crise democrática é a naturalidade com que se usou o termo realidade alternativa. Refiro-me a governos, não apenas a indivíduos. Trump, que se sentia no direito de contar o número de pessoas na sua posse de forma diferente de todos os outros observadores.

Colin Powell foi à ONU, em fevereiro de 2003, e apresentou uma série de imagens sobre armas de destruição em massa do Iraque. Tudo fake news. A Rússia começou com a dezinformatsiya, termo cunhado pela KGB. Depois introduziu a maskirovka, uma forma de iludir. Hoje já tem métodos mais sofisticados como o controle reflexivo (upravlenie), que consiste em disseminar notícias que forcem o adversário a tomar como racional uma decisão que interessa aos próprios russos.

A internet, com suas bolhas e rapidez de propagação, acabou consagrando o mundo da pós-verdade. Só que, como diz Hannah Arendt, precisamos de um mundo comum de fatos (a Terra gira em torno do Sol, dois mais dois igual a quatro). É nesse mundo que compartilhamos um senso comum. Alguém diz algo, e o outro sabe o que tem em mente ao usar a palavra. A perda desse senso comum é um desastre para a democracia.

— Mais do que o estado de crise da democracia liberal contemporânea, a pós-verdade é o sintoma de um problema mais profundo que, em termos filosóficos, deveria ser classificado como hiperindividualização ou subjetivismo radical, algo expresso melhor usando uma palavra de nosso vocabulário comum: solidão — diz Mirko Alagna no artigo “O chão tremendo aos nossos pés: verdade, política e solidão”, publicado na revista Soft Power.

Enquanto a crise democrática avança para a solidão, a ameaça é grande no campo ambiental. Muitos que reconhecem o aquecimento global defendem que o avanço tecnológico resolverá todos os problemas. Como lembrou John Gray, viveríamos numa espécie de bolha marcada por uma profunda solidão, já em curso com a progressiva extinção das espécies.

O grande filósofo moderno Nietzsche, ao afirmar que Deus estava morto, acreditava sinceramente que caminhávamos para uma liberdade maior, livres da mortificação e culpa impostas pela religião. Mas a liberdade de criar seus próprios padrões morais era vista por ele também como um nomadismo, uma distância da sociedade, enfim, uma solidão olímpica do homem superior. Ao combater a metafísica, acabou se abraçando a ela.

O resultado é também uma profunda solidão.

Os caminhos que nos trouxeram aqui foram os da liberdade individual. Antígona, a personagem grega, simboliza essa luta. A liberdade é um grande valor ocidental. Mas o próprio autor da tragédia, Sófocles, acentuava que todas as ações humanas que ignoram limites levam à destruição.

Camus perguntava na sua leitura de Nietzsche: liberdade de que ou liberdade para quê? Pode ser uma indagação útil para a formulação de uma política pós-liberal. Ainda não conheço seus contornos, mas acredito que regulamentar as redes sociais é um dos seus passos embrionários.

Na semana passada, a revista Atlantic intitulava um trabalho sobre extremismo político e religioso nos EUA com a expressão “nova anarquia”. É possível que tenhamos chegado perto de uma nova expressão do anarquismo, mas sem o romantismo e a fundamentação do passado. Apenas um mundo de teorias conspiratórias, sem base real compartilhada, um espaço hostil a qualquer relação de confiança. (O Globo – 20/03/2023)

Fernando Gabeira, jornalista e escritor

Leia também

Dos delitos e das penas, as razões da saidinha

NAS ENTRELINHASO fim das saidinhas é uma vingança coletiva...

O que fazer, desde já?

Como abrir a via para uma política de novo...

Um adeus a Ziraldo

Acaba de falecer um dos homens mais criativos do...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!