Hélio Schwartsman: Pacto sinistro

Lira foi um aliado quase incondicional de Jair Bolsonaro

É ético fazer um acordo com o diabo? E com Mefistófeles? Adolf Hitler? Franco? Brilhante Ustra? Al Capone? Marcola? Eduardo Cunha? Arthur Lira?

O leitor sagaz já deve ter adivinhado aonde quero chegar. Em política, transformar princípios morais em valores absolutos tende a ser perigoso. Pode levar tanto ao isolacionismo (eu não negocio nem com A, nem com B, nem com Z) como ao fanatismo (para impor a fé verdadeira, eu esmago quem estiver no caminho). Do outro lado, ignorar por completo considerações morais também traz riscos. Perder a capacidade de distinguir entre o certo e o errado é um deles. Existe uma linha intermediária justa? Onde ela se situa?

Em breve, Arthur Lira será sagrado presidente da Câmara para um segundo período. E sua votação deve ser avassaladora, já que ele conta com o apoio de quase todos os partidos, do PT de Lula ao PL de Bolsonaro. O otimista poderia ver aí um raro consenso democrático. Sou mais pessimista. Para mim, a recondução do deputado alagoano representa um ponto falho do sistema de freios e contrapesos.

Lira, afinal, está sendo recompensado com um novo termo, quando, no meu modo de ler o mundo, deveria ser punido por dois grandes desserviços que prestou à democracia e ao país. Ele foi um aliado quase incondicional de Jair Bolsonaro, a quem blindou de responder no Parlamento por vários crimes de responsabilidade de que foi acusado. Ele também concebeu e executou o chamado orçamento secreto, que desequilibrou bastante a relação entre os Poderes.

Lira consegue driblar Thémis, a deusa da justiça, porque é o favorito dos deputados do centrão, a quem confere mimos variados, e, mesmo para Lula, que não é exatamente kantiano, e a base mais à esquerda, representa opção preferível a um cenário de guerra intestina entre Legislativo e Executivo.

A política é a arte de fazer desidérios éticos caberem nos chamados imperativos da realidade.(Folha de S. Paulo – 01/02/2023)

Leia também

O “transformismo” tomou conta da política brasileira

Tanto nas alianças eleitorais, a começar por São Paulo, quanto nas recentes votações do Congresso, verifica-se a presença ascendente das forças de direita aliadas ao bolsonarismo.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!