Alvaro Costa e Silva: A reinterpretação do Oito de Janeiro

Enquanto golpistas viram ‘descontentes’, militares nem sequer são alvos de investigação

Antes o revisionismo histórico demorava um bom tempo —uma, duas, cinco décadas?— para começar a ser divulgado. A ação hoje é imediata. A história mal acabou de acontecer diante de nossos olhos e já tem início sua reelaboração ou “ressignificação”, para usar uma palavra da moda.

Os golpistas do Oito de Janeiro não são golpistas. São jovens e velhos descontentes. A invasão das sedes dos três Poderes não foi uma etapa do golpe —combinada com a tentativa de explodir bombas no aeroporto de Brasília e de fazer bloqueios em rodovias e refinarias, a presença de fanáticos financiados e acampados na porta dos quartéis e a existência do documento de ruptura inconstitucional escondido no armário do ex-ministro da Justiça— e sim um movimento natural de quem não concordava com a eleição do novo governo e queria, apenas, expressar sua opinião.

Com tanta gente inocente, não haveria razão para prender 1.420 patriotas em flagrante ou nas operações da Polícia Federal. Tampouco a possibilidade de a Advocacia-Geral da União pedir a condenação definitiva de 54 pessoas por sua participação na trama. Menos ainda bloquear, a pedido da AGU, R$ 20,7 milhões de indivíduos, empresas e entidades investigadas por financiar atos de vandalismo. Célere, a revisão histórica classifica as decisões como revanchismo e abuso de poder.

Curioso é que os que têm influência de verdade no poder dispensam as narrativas. Até agora nenhum membro das Forças Armadas foi alvo de denúncias do Ministério Público ou de operações da PF, embora oito militares da ativa lotados na Presidência durante o governo Bolsonaro tenham se infiltrado nos acampamentos.

O ministro Francisco Joseli Parente Camelo, futuro presidente do Superior Tribunal Militar, afirmou que atuará com “toda a Justiça” caso receba processos envolvendo militares no Oito de Janeiro. Aguardemos mais essa interpretação da história. (Folha de S. Paulo – 14/02/2023)

Leia também

Estupros, a cultura que nasce dentro de casa

NAS ENTRELINHASA ideia de que mulher que se dá...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!