Míriam Leitão: A reação ao vandalismo em Brasília foi coordenada por governo que nem assumiu

Governo Bolsonaro permanece com os instrumentos de poder na mão, mas não age nem toma providências

O vandalismo nas ruas de Brasília na noite de segunda-feira foi mais um episódio que mostra esse momento inédito que o Brasil tem vivido desde a eleição. O governo Bolsonaro permanece com os instrumentos de poder na mão, mas não age nem toma providências. Ele praticamente abdicou do poder que tem, e o vazio tem que ser ocupado por quem ainda não tem os instrumentos de ação.

A palavra da autoridade foi ocupada pelo governo que não assumiu. Flávio Dino, ministro da Justiça indicado por Lula, ao lado do próximo diretor da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, é que deram explicações, tranquilizaram a população, tomaram providências e fizeram articulação com o governo do Distrito Federal, que com suas forças de segurança controlou a situação. Tanto que eles deram uma entrevista ao lado do secretário de segurança do Distrito Federal.

A ação do novo governo ao ataque demonstra que a antecipação do anúncio de alguns ministros, como o da Justiça, foi um acerto do presidente Lula. O ministro Anderson Torres fez uma nota no Twitter, mas a articulação estava sendo feita pelo futuro comandante da pasta.

As cenas lamentáveis, com queimas de carro e de ônibus e impedimento do acesso de ir e vir, mostram que o ministro Alexandre de Moraes acertou na cerimônia de diplomação ao usar palavras fortes como extremistas, golpistas, antidemocráticos e criminosos.

A omissão e leniência do governo federal é criminosa. Porque o crime pode ser praticado por ação ou omissão. O presidente Bolsonaro silencia para não ser envolvido, mas seu silêncio o responsabiliza.

O episódio de ontem dá um sinal de que as forças de segurança precisam se preparar e agir preventivamente para a posse do novo governo. Os manifestantes não são muitos, não têm condições de parar a cidade, então fazem um vandalismo itinerante. É uma minoria radicalizada.

Além disso, os golpistas estão bem aparelhados, estão hospedados em hotéis, circulam de carro por Brasília, tem boa infraestrutura montada nos locais de manifestação com banheiro químico e alimentação. Há informações que alugaram casas. Estão amparados por capital, por financiamento e a origem desses recursos tem que ficar esclarecida. Este dinheiro está financiando ataques contra a democracia. (O Globo – 13/12/2022)

Leia também

Dos delitos e das penas, as razões da saidinha

NAS ENTRELINHASO fim das saidinhas é uma vingança coletiva...

O que fazer, desde já?

Como abrir a via para uma política de novo...

Um adeus a Ziraldo

Acaba de falecer um dos homens mais criativos do...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!