Mirtes Cordeiro: Retrato do Brasil

Os generais de plantão não deram ouvidos ao que relataram os seus pares. Normal, têm medo dos fantasmas e não temem a “misericórdia de Deus”.

Se fosse possível fazer uma fotografia do Brasil na atualidade, teríamos uma imagem das desigualdades que cada vez mais impulsionam o lucro dos ricos e angustiam a vida dos pobres.

Alguns veem como bem-aventurança, para os ricos, e misericórdia para os pobres.

E assim seguimos vivendo em busca da sobrevivência para a maioria da população, enquanto a minoria se refestela sobre os ganhos, fruto das oportunidades e do empreendedorismo, que é como se considera o processo de exploração que acontece nestes tempos de globalização.

O Estado, no caso o Brasil, segue destruindo as políticas públicas, resultado de todo o processo de reconstrução democrática do país após a ditadura instaurada em 1964 e que durou até 1985.

Mas os militares voltaram ao poder no formato de eleições, em 2018. Lapso temporal.

Por força da justiça e do empenho de um estudioso historiador, a imprensa repercutiu os áudios dos registros de julgamentos do Superior Tribunal Militar (STM), assuntos de conhecimento de quem foi perseguido pela ditadura e seus familiares, que se tornaram públicos.

Toda a imprensa falou. Nós, que escutamos os áudios pelas redes sociais, pela televisão e pelo rádio sem o poder da censura daquela época, ficamos apavorados pela brutalidade das sandices aplicadas através de torturas em seres humanos e relatadas pelos que tiveram a responsabilidade de impedi-las.

Muitos – homens e mulheres testemunhas oculares e vítimas da crueldade – ainda estão vivos. Famílias inteiras ainda procuram pelos seus mortos para lhes dar uma morada definitiva.

Mantenho numa pasta como relíquia histórica todos os documentos relativos aos julgamentos no STM do meu marido, José Roberto Monteiro, já falecido. Faço isso para que não nos esqueçamos nunca que é preciso, enquanto vida tivermos, humanizar os nossos atos e vivermos para evoluir as nossas mentes, no sentido de praticarmos a ética e a dignidade humana.

Até falaram que os mortos não voltam e que os relatos “não estragaram a Páscoa de ninguém”, em referência a todos os cristãos, disse o presidente atual do Tribunal Militar.

Pobre país, com uma população de muitos milhões de habitantes que celebraram a sua Páscoa, de repente representados por quem desvaloriza a vida, desumanizando a própria existência.

No entanto, necessário se faz prestar atenção no que acontece nos dias atuais, para além dos áudios.

Em 2018, os mortos voltaram na manifestação das ideias malignas e obscurantistas dos vivos que assumiram o poder. Gente denominada de mentes exóticas, por José de Souza Martins, sociólogo.

Diariamente, generais, capitães e seus asseclas, por força do processo eleitoral já em andamento, se valem dos programas partidários pagos com dinheiro do contribuinte para professar suas crenças no “partido conservador, na defesa da família, da propriedade privada e do armamento com armas de fogo para os cidadãos”.

Aos democratas que insistem no fortalecimento da Democracia como um bem a ser assegurado, ao contrário do que pensam os generais, lembramos que no Brasil grande parte das famílias passa fome.

O Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, desenvolvido pela Rede Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), divulgado em 2021, indicou que 55,2% dos lares brasileiros vivenciavam um cenário de insegurança alimentar — um aumento de 54% em relação a 2018, quando esse percentual era de 36,7%. Ou seja: 116,8 milhões de brasileiros não têm acesso pleno e permanente a comida. (Poder 360)

Para o economista Renato Maluf, professor na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e coordenador da Rede Penssan, “a pandemia de Covid-19 agravou esse quadro, mas não é sua causa primeira”. Ele pontua como início desse momento de retorno à fome e à insegurança alimentar a crise econômica iniciada 7 anos atrás e a crise política com o processo de impeachment do governo Dilma Rousseff. Deles [desses 2 episódios] resultaram comprometimento do acesso aos alimentos em razão do desemprego crescente, precarização do trabalho, baixa remuneração, retirada de direitos sociais e o progressivo desmonte das políticas públicas”.

E que as armas de fogo já existem e servem para matar as pessoas.

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, “o Brasil teve um aumento de 4% no número de mortes violentas intencionais em 2020, em comparação com o ano anterior. Ao todo, 50.033 pessoas foram assassinadas no país no ano passado 78% morreram com ferimentos provocados por armas de fogo”. (dados de 15 de jul. de 2021)

Apresentam pautas absurdas – já experimentadas e abandonadas por outros países – travestidas por valores que constam do processo democrático, tentando cada vez mais expandir a milícia, intensificar o autoritarismo vigente nos intestinos do Estado, ludibriar os que professam sua fé e qualificar a família como no modelo patriarcal, defensora sobretudo dos bens matérias.

O Brasil precisa ser colocado numa outra moldura. Estamos no momento exato em que é preciso focar a câmera fotográfica bem postada para as necessidades da grande maioria – desempregada, com fome, sem moradia, vítima de todas as violências – e firmar o compromisso com essa fotografia das necessidades básicas do ser humano.

Afinal de contas, estamos diante de um processo eleitoral e não podemos abdicar da nossa memória política. (Blog do Gilvan – 26/04/2022 https://gilvanmelo.blogspot.com/2022/04/mirtes-cordeiro-retrato-do-brasil.html#more)

Mirtes Cordeiro é pedagoga

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment