Alessandro Vieira pede mais tempo para discussão de projetos sobre preço de combustíveis

Senador diz que o PLP 11/2020 é complexo e não poderia ser discutido com emendas aceitas na hora da votação (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), foi um dos parlamentares que defendeu, nesta quarta-feira (24), mais tempo para a discussão do PLP 11/2020, que trata do valor do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) cobrado sobre os combustíveis. Ao lado do projeto de lei (PL  1472/2020), que cria um fundo para estabilizar os preços dos combustíveis, as propostas fazem parte do pacote de ações para a área em apreciação pelos senadores. Em função da falta de acordo, a votação das medidas para conter o aumento no preço dos combustíveis foi adiada para o dia 8 de março.

Alessandro Vieira afirmou que, apesar de todo o esforço de o relator do PLP 11/2020, senador Jean Paul Prates (PT-RN), o projeto é complexo e não poderia ser discutido com emendas aceitas na hora da votação, já que tem potencial de gerar perda de arrecadação para os estados.

“Eu recebo o relato de uma potencial redução de arrecadação, só no meu estado de Sergipe, de R$ 257 milhões. Isso não pode ser definido de uma forma tão acelerada, açodada, ainda que a questão exija nosso trabalho urgente”, disse o líder do Cidadania.

O senador Jean Paul Prates apresentou em plenário o texto substitutivo ao PLP 11/2020 e chegou a acolher uma emenda para possibilitar a votação ainda nesta quarta-feira (23), mas presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), diante da polêmica decidiu adiar a votação para a semana depois do Carnaval.

“É bastante simples e se aplica a esse caso, com muita clareza, o adágio popular que diz que para todo problema complexo existe uma solução rápida, elegante e completamente errada. Vejam, é de alta complexidade essa situação. É um projeto bem-intencionado, ninguém discute. Mas ele gera impactos relevantes”, disse Alessandro Vieira, ao pedir mais tempo para a discussão.

Em 16 de fevereiro, a apreciação dos projetos no plenário já havia sido adiada, em meio às negociações entre governo e parlamentares em busca de um consenso. Se aprovados, ambos os projetos ainda precisarão passar pela Câmara dos Deputados. (Com informações das agências de notícias)

Leia também

Tragédia no Rio Grande do Sul: Webinar da FAP debate enchentes e crise climática

Comunicação FAPEspecialistas participam de evento online, com transmissão por...

Nota de Pesar: Eliseu Neto

O Cidadania23 lamenta comunicar com profundo pesar a perda...

Cidadania no Maranhão recebe presidente nacional do partido, Comte Bittencourt

O Diretório Estadual do Cidadania no Maranhão promove nesta...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!