‘Transparência deve ser regra’, diz Leila Barros sobre suspensão do Orçamento Secreto pelo STF

Senadora diz que momento é fundamental para aprovação de projeto de sua autoria que obriga a divulgação de forma individualizada da destinação e execução dos recursos provenientes das emendas parlamentares (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

A senadora Leila Barros (Cidadania-DF) disse que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de suspender as emendas do relator-geral do Orçamento da União, conhecidas como Orçamento Secreto do governo do presidente Jair Bolsonaro, barra o ‘toma lá da cá promovido pelo’ Executivo ‘para aprovar seus projetos no Congresso Nacional’.

“Quando se trata de dinheiro público a transparência deve ser regra!”, afirmou em postagem na rede social sobre a maioria dos ministros do STF a favor da publicidade e da suspensão das emendas do Orçamento Secreto.

Votaram com a relatora do caso no Supremo, Rosa Weber,  que suspendeu as emendas de relator em decisão liminar (provisória), na última sexta-feira (05), os ministros Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes. O primeiro a divergir foi Gilmar Mendes, que votou contra a suspensão dos repasses do governo. Faltam os votos de Dias Toffoli, Nunes Marques e do presidente da Corte, Luiz Fux.

“O momento é fundamental para aprovarmos o meu projeto (PLP 6/2020) que obriga os entes federados a divulgarem de forma individualizada todas as informações relacionadas ao processo de destinação e execução dos recursos provenientes das emendas parlamentares. Isso evitará que recursos públicos sejam usados em barganhas envolvendo projeto pessoais de poder”, afirma Leila Barros.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment