Felipe Salto: Por quem os sinos dobram

A motivação para o fim do teto de gastos nunca foi o social, nem foi pelos mais pobres ou pelo bem comum

A quem servirá o cavalo de pau na política fiscal? O desmonte do teto de gastos e do Bolsa Família é revelador. A responsabilidade fiscal e a responsabilidade social são simultaneamente atacadas, quando deveriam andar de mãos dadas. O argumento é de que não haveria outro caminho. Sempre há. A conta será paga pelos mais pobres.

Antes de tudo, registre-se: não há regra fiscal perfeita. Esse tipo de construto jamais teria o condão de transformar a miséria do nosso desenvolvimento econômico e das políticas mal-ajambradas da última década. Para isso, seria preciso ter projeto, liderança, compromisso e ação, sob regras de restrição orçamentária, claro.

O fim do teto de gastos, que denunciei neste espaço em 28 de setembro, sempre foi fonte de preocupação da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal. Em agosto de 2020, o Conselho Diretor da IFI alertou, em documento, sobre os riscos de mudar voluntariosamente o teto de gastos.

Política é poder, ensinou Norberto Bobbio. Nas democracias, delega-se poder a um grupo, por meio do voto, para que conduza o país à luz da Constituição e das leis, isto é, dos objetivos da coletividade. Quando a elite dirigente se perde em meio à falta de objetivos e de sensibilidade social e aposta no vale-tudo para manter-se no poder, essa lógica desmorona.

Se as veleidades pessoais se sobrepõem ao interesse comum, prejudica-se a discussão democrática de regras, de políticas públicas e de como financiar o Estado. Não por outra razão, membros da área técnica do Ministério da Economia deixaram a equipe.

O teto nunca foi a última maravilha do mundo. Mas, como mostrou José Márcio Camargo no Estadão de sábado (Um barco à deriva, 23/10, B2), as medidas anunciadas na semana passada levantaram a âncora fiscal no meio da tempestade. Isso nada tem que ver com a discussão possível e necessária sobre o melhor arcabouço a orientar as contas públicas. Aliás, já está claro que partiremos do zero em 2023.

A melhora da arrecadação destacada pelo governo para justificar o abandono do teto veio da inflação, que perpassa todo o quadro fiscal e econômico em 2021. O aumento da arrecadação tributária decorrente de inflação alta é manjado; não tem nada de bom. Também a dívida sobre o PIB diminuiu, mas porque o denominador inchou com a inflação. Os irresponsáveis que comemoraram esse “feito” fiaram o desmonte do teto.

Essa mudança e o calote nos precatórios, medidas abrigadas na mesma Proposta de Emenda à Constituição n.º 23, detonam a responsabilidade fiscal. Assimila-se oficialmente a contabilidade criativa.

Para ter claro, o teto de gastos será recalculado desde 2017. A inflação de junho acumulada em 12 meses dará lugar à correção pela inflação até dezembro de cada ano (para 2017, variação de 7,2%). Essa “sincronização” é um truque. Ora, nada garantiria que o cálculo proposto redundasse num teto mais distante das cabeças de Bolsonaro e Guedes, exceto o passado. Já se sabe qual foi a inflação em cada período e, assim, basta calcular o teto para 2022 sob a nova regra para ver o que acontece.

De modo direto, a regra atual corrige o teto de 2016 (ano-base) a 2022 em 32%. A nova regra o elevará em 36%. Assim, caso a inflação termine 2021 em 8,7%, o espaço aberto será de R$ 47,5 bilhões. Já o calote dos precatórios gerará folga de R$ 47,4 bilhões. Rombo total: R$ 94,9 bilhões.

É o fim do teto de gastos. O reajuste prometido no âmbito do Auxílio Brasil, novo programa a substituir o consagrado Bolsa Família, e a extensão do Auxílio Emergencial (até dezembro de 2022) vão custar R$ 47 bilhões. Cabe perguntar: para onde vão os outros R$ 47,9 bilhões?

A motivação nunca foi o social. A IFI calculou que seria possível pagar integralmente os precatórios de 2022, com gasto social adicional de cerca de R$ 14 bilhões. A contabilização correta dos precatórios do Fundef (fundo da educação dos anos 1990) abriria outros R$ 16 bilhões, como argumentei no artigo da quinzena passada.

Não é novo o efeito que os ciclos eleitorais produzem sobre a decisão de gastar. Mas o limite é dado pela lei. Mudá-la oportunisticamente disparará o cenário pessimista. O processo é rápido: os juros precificados para o fim de 2022 já estão em dois dígitos e a dívida voltará a subir. A economia crescerá muito pouco no ano que vem, os empregos não virão e a inflação persistirá.

O tiro poderá sair pela culatra se a inflação corroer parte dos ganhos das transferências sociais. Será ainda pior se os gastos adicionais forem direcionados ao tipo de despesa discricionária que se pode fazer em tão pouco tempo: praças mal-acabadas, pinguelas, enfim, dinheiro jogado para o ar.

“Nenhum homem é uma ilha (…); a morte de todo homem me diminui, porque sou parte na humanidade; e então nunca pergunte por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.” Parafraseando John Donne: perguntem, leitores e leitoras, por quem os sinos dobraram com a morte do teto. Não foi pelo gasto social, pelos mais pobres ou pelo bem comum. (O Estado de S. Paulo – 26/10/2021)

FELIPE SALTO, DIRETOR-EXECUTIVO E RESPONSÁVEL PELA IMPLANTAÇÃO DA IFI. AS OPINIÕES NÃO VINCULAM A INSTITUIÇÃO.

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!