Eliziane Gama: Empresário bolsonarista, Fakhoury comete crime ao disseminar notícias falsas sobre vacinas e uso de máscaras

Depoente admitiu à senadora em depoimento na CPI da Pandemia conhecer o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, um dos integrantes do ‘gabinete do ódio’ e  conselheiro direto Bolsonaro (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) advertiu o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury  durante seu depoimento à CPI da Pandemia, nesta quinta-feira (30), para que ele não confundisse liberdade de expressão com  a ‘ação criminosa’ de divulgar notícias falsas sobre a pandemia na internet.  

“As suas redes sociais estão infestadas de mensagens mentirosas que induzem as pessoas a se contaminarem. Não confunda isso com liberdade expressão. É ação criminosa”, afirmou a senadora.

Além de financiar sites negacionistas, Eliziane Gama disse que o empresário é um grande disseminador de notícias contra o uso de máscaras e as vacinas.

“O senhor usou a pesquisa do [site] Poder360 sobre o número de mortalidade entre as pessoas idosas para atacar os imunizantes. A intenção é criar confusão na sociedade. Como pode questionar até o uso de  máscara? Isso é criminoso”, criticou. 

Eliziane Gama chegou a pedir à presidência da CPI que, a cada fala “negacionista” do depoente, o presidente da mesa advirta e coloque a verdade à população sobre as medidas sanitárias e de proteção contra a Covid-19. Para ela, não se pode admitir como verdades declarações contrárias ao uso de máscara e de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença.

“Esta CPI tem um nível de audiência muito grande no Brasil inteiro, as TVs estão transmitindo, e a população não pode receber uma informação dele como se fosse verdade, porque não é”,  disse. 

‘Gabinete do ódio’   

Otávio Fakhoury negou à senadora fazer parte do chamado “gabinete do Ódio”,  grupo formado por assessores que trabalham no Palácio do Planalto e atacam adversários políticos do presidente Jair Bolsonaro em páginas da internet.

No entanto, ele admitiu conhecer o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, um dos integrantes do “gabinete” e  conselheiro direto Bolsonaro.

A senadora do Cidadania disse que a negativa de Fakhoury contradiz a postura dele nas redes sociais.

“Veja aqui as publicações de pessoas associadas ao gabinete do ódio. São publicações avassaladoras. Elas ameaçam de morte as pessoas. Elas questionam as pessoas. Liberdade de expressão não pode ser guarida para apologia ao crime, não pode ser guarida para violação de direitos”, afirmou a senadora.

‘Força Brasil’

Otávio khoury é vice-presidente do Instituto Força Brasil, que aparece nas investigações da CPI da Pandemia como intermediário entre a empresa Davati Medical Supply e o Ministério da Saúde. O presidente do instituto é o tenente-coronel da reserva Helcio Bruno de Almeida, que já foi convocado pela comissão por ter mantido contato com servidores do ministério, garantindo que a oferta de vacinas da Davati era legítima. Porém, segundo apura a CPI, a negociação tinha diversos tipos de irregularidades.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment