Marcus André Melo: A ditadura imaginária do Judiciário

A hipérbole de abuso judicial sistêmico é ideia fora de lugar

Atribuída à Rui Barbosa, a afirmação de que a pior forma de ditadura é aquela exercida pelo poder Judiciário é repetida sem que, aparentemente, ele a tenha proferido. E mais: sem que ela seja consistente com sua visão das instituições. A expressão não faz sentido histórica ou conceitualmente; salvo como hipérbole para algum ativismo judicial e desacertos.

O agente do abuso do poder nos sistemas políticos modernos é o ocupante do Executivo, e em algumas raras situações, os corpos legislativos. Nos sistemas políticos pré-modernos —regimes sultanísticos e autocracias dinásticas— há uma indiferenciação de poderes; neles “ditadura togada” sequer faria sentido. Nas democracias, o abuso —quando ocorreu e produziu degeneração— deveu-se invariavelmente à usurpação pelo Executivo de funções judiciárias e legislativas.

O arbítrio do Judiciário não é outra coisa senão a longa manus do Executivo. Sem acesso às armas ou ao cofre, o Judiciário é o poder “menos perigoso” na apta expressão de Hamilton. Entre nós a crítica de Nelson Hungria durante a crise do governo Café Filho, recriminando os que pareciam “supor que o Supremo Tribunal, ao invés de um arsenal de livros de direito, dispõe de um arsenal de obuses e de torpedos”, é exemplar. Como o é também sua boutade: deparando-se com uma “insurreição, tudo que a Corte pode fazer é expedir mandado para cessá-la”.

Em regimes presidencialistas, o Judiciário adquire forte protagonismo e independência apenas em períodos de governo dividido, quando o Executivo é minoritário nas duas casas. A fragmentação de poder político impede uma ação concertada do executivo para interferir na Corte.

O Judiciário tipicamente não tem incentivos para tomar decisões que se distanciem da preferência majoritária mediana devido ao risco associado à opção nuclear: o descumprimento de suas decisões. Esses incentivos tendem a levar à autocontenção e ao cultivo de “virtudes passivas”.

Mas o STF não é ator monolítico nem os atores têm informação completa sobre os demais jogadores, alguns dos quais com preferências extremas.

O equilíbrio é, portanto, instável. O fundamental aqui é que há vários atores interessados em que as decisões sejam acatadas; esta é uma demanda sistêmica e não institucional do Judiciário. Ela será mais intensa quanto mais fragmentado o poder político e consolidada a democracia.

Se a ditadura imaginária do Judiciário não faz sentido para o jogo da separação de poderes, a hipérbole vale para escolhas morais coletivas. Para minorias com preferências intensas pode até parecer tirania da maioria. E também, é claro, para desacertos e (variadas) disfuncionalidades da Corte. (Folha de S. Paulo – 13/09/2021)

Marcus André Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!