Cristina Serra: Ofensiva anti-indígena em Brasília

Votação prevista para esta terça-feira (22) na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara é a expressão concreta da boiada passando para extinguir direitos dos povos indígenas. O texto em votação (PL 490/2007) agrupa 14 projetos num saco de maldades avassalador.

Entre outras medidas, propõe transferir do governo federal para o Congresso a competência de demarcar terras indígenas, abre a possibilidade de anular demarcações já feitas, legaliza garimpos, permite a exploração econômica predatória e fragiliza a proteção de povos isolados. Indígenas estão acampados em Brasília para tentar impedir esse correntão.

Diante de tamanho ataque, adquire especial relevância a votação prevista para o dia 30 de junho no STF que envolve disputa entre o governo de Santa Catarina e a terra indígena Ibirama-Laklãnõ, da etnia Xokleng. A decisão terá repercussão geral, servindo de baliza para as demais instâncias judiciais.

No centro da controvérsia está a tese do chamado “marco temporal”, sustentado pelos ruralistas.

A tese considera que os indígenas só teriam direito às terras por eles ocupadas até a promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988. A perversidade embutida nesse argumento é desconsiderar o histórico de expulsões e remoções forçadas a ferro e fogo.

Nesse sentido, a história dos Xokleng é exemplar. Conforme estudos do antropólogo Silvio Coelho dos Santos (1938-2008), em pleno século 20, eram comuns as expedições de “bugreiros” para massacrar os Xokleng e tomar suas terras, a mando de oligarcas locais.

O depoimento de um desses “bugreiros”, recolhido pelo antropólogo, é autoexplicativo: “Primeiro, disparavam-se uns tiros. Depois, passava-se o resto no fio do facão. O corpo é que nem bananeira, corta macio. Cortavam-se as orelhas. Cada par tinha preço”. É preciso virar a página de violência contra os indígenas no Brasil, em definitivo. Espera-se que o STF confirme o direito dessas populações aos seus territórios e a viver em paz. (Folha de S. Paulo – 22/06/2021)

Cristina Serra é paraense, jornalista e escritora. É autora dos livros “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”

Leia também

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Confronto entre Irã e Israel escala a guerra de Gaza

NAS ENTRELINHASMuitos são os sinais de que um conflito...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!