Carlos Andreazza: Perversão de Estado

Não pensemos que a recente mensagem antimáscara de Bolsonaro seja mera isca para desviar atenções. Nem sempre é isso ou só isso. Sabe-se que o sujeito tem razões para produzir fumaça. Está acuado pela CPI; pela revelação de que, presidente da República, mobilizara-se — como um lobista, falando ao primeiro-ministro da Índia — para defender os interesses de empresas privadas importadoras de insumos à produção brasileira de cloroquina. E isso enquanto a comissão inicia a etapa de quebra de sigilos.

Razões para que a rede bolsonarista dedique-se ao diversionismo e tente levar a pauta a outro terreno. Exemplo do emprego bem-sucedido dessa tática desviante é haver tomado o último fim de semana o debate sobre se terá sido a motocada blasfema do mito a maior da história da humanidade.

Sim: fumaça. Mas não somente. A mensagem de um presidente é sempre influente. Tanto mais se um populista. Ele sopra o apito. Fala a seus sectários. O recado chega à ponta. Chegou. O disparo antimáscara foi certeiro. A pregação cumpriu o objetivo. Mais tarde, conforme o padrão, Bolsonaro mudaria — ajustaria — a embocadura. É como procede. E então o que era um parecer ultimado — vendido com a gravidade de um decreto — transforma-se num pedido, não impositivo, de estudo ao novo Pazuello, um tal de Queiroga. Repito: o tiro já alcançara a meta, inclusive a de humilhar o ministro da Saúde, um Pazuello que usa máscara.

O ministro da Saúde é — sempre foi — Bolsonaro. E, para Bolsonaro, a máscara compõe um conjunto opressor — é como o bolsonarismo subverte e se apropria da ideia de liberdade.

Bolsonaro prega a vida normal, daí por que minimize — desde o início da peste — a gravidade do vírus. Por isso quis a Copa América. Vida normal. Povo na rua. Por isso aglomera. Uma compreensão que integra a lógica da imunidade de rebanho em que investiu como política de Estado — e a que esteve subordinada a difusão do tratamento precoce. Pela ordem: propagar a cloroquina como proteção contra o vírus, instilar confiança nas pessoas para que fossem às ruas — e para que se contaminassem, sem interromper atividades, até o que seria a imunização coletiva.

Essa projeção explicará o último quadrimestre de 2020, e por que não se cuidou de contratar o maior número de vacinas para o quanto antes. Os celerados pensavam que não seria necessário. Apostou-se na imunidade por contágio e em que, por esse motivo, entraríamos em 2021 com a pandemia em decadência — o Brasil a ser um caso de sucesso para estudo. Essa também sendo a razão por que se deixou cessar o auxílio emergencial em dezembro. Guedes e seus osmar-terras apostaram num crescimento econômico que contemplaria os mais pobres a partir de janeiro — o que ainda não conseguiram seis meses depois.

Sem dúvida que o país se constituiu em caso a ser estudado. O experimento social, que teria Manaus como cobaia, falhou miseravelmente; graças a um governo que, por meio de placebo, operou pela sustentação artificial do vírus entre nós. Acercamo-nos dos 500 mil mortos — e com os sobreviventes pobres ainda mais pobres. O bolsonarismo, porém, não desiste. Não tardou para que degenerasse a perversão em nova variante. E agora temos a teoria conspiratória de que haveria supernotificação de vítimas como forma de desqualificar — de criminalizar — o tratamento precoce.

É sob essa versão que o presidente tem afirmado ser o Brasil um dos países em que menos se morre por Covid-19, graças à cloroquina, mas que isso nos seria omitido pela manipulação dos números. Obra do establishment, dos governadores ditadores e corruptos. Diz Bolsonaro que o tratamento precoce funciona; que não seriam quase 500 mil os ceifados. E faz isso — o presidente da República — valendo-se de um documento fraudado, atribuído ao TCU e inserido no sistema do tribunal por um auditor bolsonarista. Eis a página — de corrupção institucional — em que estamos. Chegou-se mesmo ao ponto em que fanáticos confrontam o TCU com a peça que o TCU afirma ser falsa. Eis a página — de corrupção dos fatos —em que estamos.

É claro que Bolsonaro investirá contra a vacina, apregoando-a — em mentira consciente e criminosa — como experimental. (Um investimento também contra a Anvisa.) É claro que investirá contra o uso de máscara. A guerra artificial que o bolsonarismo trava: a máscara como uma espécie de lockdown individual — a máscara como inimiga imaginária e instrumento de controle social na mão de tiranos à espreita. A mensagem tem apelo popular. Vender normalidade é popular. É o que faz Bolsonaro, o defensor das liberdades.

Repito: ele é um populista, líder sectário. Fala, pois, para parcela específica da sociedade. Mas pode ir novamente além. Porque capta o cansaço das pessoas. Percebe que há mesmo uma queda — um relaxamento — no uso de proteção e se associa à onda. Bolsonaro é um girassol publicitário. Vira-se, orienta-se, para onde está o calor. Tem faro. E, a rigor, explora tendências que ele mesmo ajudou a criar e difundir via zap profundo. Mente e atinge; sendo o desmentido sem efeito.

As pessoas estão cansadas da pandemia e — ante a perspectiva de se vacinar — baixam a guarda; buscam quem lhes confirme os anseios. Bolsonaro é depravado: explora um fastio relativo a uma doença que ele trabalhou para que se alongasse entre nós. (O Globo – 15/06/2021)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!