O Antagonista: As perguntas de Simone Tebet para Lula, Bolsonaro e Ciro Gomes

Pré-candidata do MDB à Presidência da República participou do Papo Antagonista com Cláudio Dantas nesta quinta-feira (23)

Simone Tebet (MDB-MS), pré-candidata do partido à Presidência da República, foi questionada por Claudio Dantas, no Papo Antagonista desta quinta-feira (23), se ela teria perguntas a fazer para os três principais concorrentes da disputa eleitoral – Lula (PT), Jair Bolsonaro (PL) e Ciro Gomes (PDT).

O que ela perguntaria:

Para Lula:
Por que ele não reconhece que o governo dele errou e protagonizou o maior escândalo de corrupção da história do Brasil, que foi o Petrolão, inclusive com membros do meu partido, o que eu não nego? O PT deve um pedido de desculpas à nação e nunca o fez.”

Para Jair Bolsonaro:
“Por que ele é candidato à reeleição, se ele disse que não dá pro cargo?
 Se ele não dá muito jeito pra coisa, por que deixar a população brasileira sofrer tanto com a incompetência e inoperância, é um governo de um presidência negacionista e insensível, que não conhece as mazelas do país nem suas potencialidade.”

Para Ciro Gomes:
“Eu tenho um carinho pelo Ciro, me dou bem com ele – ele é um sonhador e um romântico. Ele acredita piamente que seu posicionamento econômico é o melhor para o Brasil. E eu perguntaria para ele se ele estaria disposto a rever alguns de seus conceitos, e quem sabe construir conosco uma aliança pelo Brasil.” 

(O Antagonista – 23/06/2022)

Roberto Freire: O Brasil tem uma chance com Simone

Brasil real, a inflação em um ano chegou a 11,73% em maio, mas, para os mais vulneráveis, considerando só o primordial, que é alimentação, ela bateu em 27%, que foi o aumento de preços no mesmo período para a cesta básica. No Brasil de mentirinha, aquele dos discursos do presidente Jair Bolsonaro, a grande questão é a urna eletrônica que deu a ele e aos filhos, de forma legítima, inúmeros mandatos, incluindo o atual.

Nesse país inventado pelo presidente extremista, o comunismo virou a outra grande ameaça à vida dos brasileiros. Quando, em realidade, são as armas e balas cujas regras de comércio e aquisição ele afrouxou que vêm ceifando vidas inocentes Brasil afora em acidentes em casa ou em ações de traficantes e milicianos se passando por caçadores e colecionadores para reunir verdadeiros arsenais contra a vida.

Num outro Brasil, esse inventado por Luís Inácio Lula da Silva, nunca houve roubalheira na Petrobras, apesar dos bilhões de reais devolvidos pelos investigados e condenados aos cofres públicos, e os vilões da história não seriam os corruptos e a corrupção, mas a Lava Jato e Sergio Moro. Dilma Rousseff, na fantasia lulista, nenhuma responsabilidade teria sobre a crise que desde 2015 atinge o país e o impeachment não passaria de um golpe.

Os brasileiros, pessoas reais, não os militantes extremados dos dois presidentes, vivem no Brasil que precisa tratar a segurança pública como coisa séria, não como bandeira ideológica. Vivem no Brasil em que a honestidade no trato da coisa pública é uma premissa da atuação política e não uma escolha pessoal de cada um. Vivem no Brasil em que a miséria, a fome e o desemprego são os principais problemas nacionais e parlamentares, prefeitos, governadores e presidente são eleitos para resolvê-los.

Essa polarização que ignora a realidade dos milhões de brasileiros será quebrada pela pré-candidatura de Simone Tebet, nome do MDB, do PSDB e do Cidadania para as eleições de outubro. Uma mulher, mãe de família, católica e com experiência de gestão, que sabe que problemas reais exigem soluções reais e que a divisão dos brasileiros só interessa aos dois grupos que desejam ver o Brasil refém do passado, cada um a seu modo, seja o de Dilma, seja o da ditadura.

Embora nem de longe sejam equivalentes, são ambos caminhos indesejáveis para o país. Com Simone, teremos a chance de reconciliar Agronegócio e Meio Ambiente, firmando o Brasil não apenas como uma potência agrícola, mas também verde. Transformando a floresta em pé em fonte de biotecnologia e trazendo bilhões em créditos de carbono, que poderão ser investidos até mesmo no próprio agro. Teríamos uma espécie de selo verde que garantiria ainda mais mercados para o produto nacional.

Com Simone, a Segurança Pública voltará a ser de responsabilidade do Estado, resguardada por meio das polícias. Armas que hoje estão causando tragédias familiares e ampliando o poder de bandidos deixarão de ser uma ameaça cada vez mais fácil à vida de mulheres, crianças e jovens negros, principais vítimas de violência. Com Simone, o Brasil terá a chance de enfrentar a inflação, fazendo as reformas que o país precisa. Para gastar com o povo e não com privilégios de uns poucos.

Com Simone, o Brasil terá uma chance de resolver o presente e preparar o futuro.

Existe um caminho. Só precisamos acreditar.

Eu acredito.

(Artigo publicado no Orbis News – 23/06/2022)

CPI deve investigar envolvimento do ministro e do presidente no escândalo do MEC, diz Simone Tebet

‘Agora, essa CPI tem de sair’, afirmou a parlamentar (Foto: Reprodução/Internet)

A senadora Simone Tebet disse nesta quarta-feira (22) que a CPI do MEC no Congresso Nacional deve estabelecer até que ponto vai o envolvimento do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e do presidente Jair Bolsonaro no recente escândalo envolvendo a pasta.

“Agora, essa CPI tem de sair”, afirmou a parlamentar.

“Eu participei da CPI da Covid e é o mesmo modus operandi. É um governo paralelo dentro do próprio governo. Foi assim no Ministério da Saúde, com o ‘vacinoduto’, que só não vê quem não quer. Só setores da Procuradoria-Geral da República não enxergam que ali, sim, houve uma tentativa de se cometer crimes como corrupção, tráfico de influência, advocacia administrativa, superfaturamento, compra de vacinas não comprovadas e de mandar dinheiro para paraíso fiscal. Só num dos contratos que descobri, os valores chegavam a 45 milhões de dólares”, disse a pré-candidata.

A afirmação foi feita em entrevista coletiva, realizada após um evento na CNC (Confederação Nacional do Comércio), em Brasília. Na ocasião, a senadora afirmou que como pré-candidata do centro democrático à Presidência da República, que reúne MDB, PSDB e Cidadania, vai acelerar o ritmo da pré-campanha, retomando a visita a estados brasileiros.

“Temos pressa de percorrer o Brasil”, disse a parlamentar. (Assessoria da pré-candidata)

Em podcast do Estadão, Simone Tebet fala sobre plano para avançar nas pesquisas

Entrevista aborda como a pré-candidata ao Planalto em 2022 pretende se projetar nacionalmente e suas chances de chegar ao segundo turno (Foto: Reprodução/Internet)

O episódio desta segunda-feira (20) do ‘Estadão Notícias’ (veja aqui) ouve a pré-candidata à Presidência da República Simone Tebet (MDB), apoiada pelo Cidadania e PSDB. Além da senadora sul-mato-grossense, o repórter de ‘Política’ do Estadão, Pedro Venceslau, detalha  as estratégias da equipe de campanha de Tebet no processo eleitoral. E para analisar os desafios que ela vai enfrentar, o jornal conversou com o cientista político da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Eduardo Grin.

O ‘Estadão Notícias’ está disponível no Spotify (veja aqui), Deezer (veja aqui), Apple Podcasts (veja aqui), Google podcasts (veja aqui), ou no agregador de podcasts de sua preferência.

Apresentação: Emanuel Bomfim

Produção/Edição: Jefferson Perleberg, Bárbara Rubira, Gabriela Forte e Gabriela Meireles

Montagem: Moacir Biasi