Eliziane Gama cobra aprofundamento das investigações sobre denúncia de morte de menina yanomâmi

Senadora participa de diligência da Comissão de Direitos Humanos em Roraima e se reuniu com lideranças indígenas no MPF (Fotos: Reprodução/Roberto Stuckert)

Em audiência no MPF (Ministério Público Federal) com lideranças indígenas e organismos que atuam em defesa dos povos originários nesta quarta-feira (11), em Boa Vista (RR), a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) defendeu o aprofundamentos das investigações sobre  a denúncia de uma menina yanomâmi, de 12 anos, que teria sido estuprada e morta por garimpeiros na comunidade Aracaçá, na Terra Yanomami, em Roraima

“Há informação se de fato morreu alguém, por doença ou assassinato [na comunidade da adolescente]?”, questionou a senadora, que participa de diligência da Comissão de Direitos Humanos do Senado e da Câmara dos Deputados para apurar a denúncia.

O líder Yanomami Edinho disse que muitas lideranças não compareceram à audiência no MPF porque estão sofrendo ameaças.

“A gente repudia toda a tentativa de aproximação com garimpeiro e reforça a necessidade da diligência ir na Terra Yanomami.  Ninguém quer ir lá porque todo mundo tem medo”, afirmou. 

Para a senadora, os depoimentos das lideranças indígenas foram ‘estarrecedores’, apontando para uma série de ilícitos que vão de ameças, assassinatos, estupros e crime ambiental com o garimpo ilegal no território Yanomâmi. 

Eliziane disse ainda que a atividade ilegal do garimpo é crime e tem que ser criminalizada.

“Precisamos respeitar a Constituição Federal e punir os infratores.  As instituições não podem ser coniventes sob o risco de dizimar uma população inteira”, cobrou.

Os parlamentares pretendem ainda obter informações sobre investigação preliminar feita pela Polícia Federal sobre o caso. Além de Eliziane Gama, integram a diligência da Comissão de Direitos Humanos os senadores Humberto Costa (PT-PE), presidente do colegiado, Leila Barros (PDT-DF), Telmário Mota (PROS-RR), Chico Rodrigues (União Brasil-RR) e os deputados federais José Ricardo (PT-AM) e Joênia Wapichana  (Rede-RR).

Eliziane Gama pede comissão para acompanhar investigação de assassinato de garota indígena

‘O Brasil inteiro está estarrecido com o que têm ocorrido em relação aos povos indígenas’, diz a senadora (Foto: Reprodução/O Globo)

A líder da Bancada Feminina do Senado, Eliziane Gama (Cidadania-MA), protocolou nesta quinta-feira (28) requerimento de criação de uma comissão externa para acompanhar o processo de investigação do estupro e morte de uma menina da etnia yanomâni de 12 anos na região de Waikás, em Roraima, e denúncias de invasões de terras indígenas e de violência contra povos indígenas na região Amazônica.

“O Brasil inteiro está estarrecido com o que têm ocorrido em relação aos povos indígenas, como é o caso desse crime bárbaro que, segundo denúncias, teria sido cometido por garimpeiros, o que traz sobre nós a grande responsabilidade do aprofundamento dessa investigação”, disse a senadora, ao informar que também irá solicitar audiência com o diretor da Polícia Federal para pedir providências e ações efetivas sobre o caso.

Para Eliziane Gama, a omissão do governo federal tem contribuído para a escalada da violência contra à população indígena, sobretudo em relação à questão da exploração mineral nas comunidades.

“Tem de haver uma apuração rigorosa desse caso, que expõe o Brasil, os nossos povos indígenas e coloca sobre nós a responsabilidade premente de fazer aquilo que está na Constituição Federal, que é a proteção e defesa dos nossos povos indígenas”, disse a senadora.