Regis Cavalcante: afundamento de bairros causado pela Braskem será tema de campanha em Maceió

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, afirmou em conversa com o Jornal de Alagoas que o partido levará a debate nas eleições de novembro em Maceió, capital do estado, os danos causados pela Braskem em quatro bairros, entre eles o Pinheiro, que estão afundando como resultado da mineração de sal-gema da empresa, afetando milhares de famílias no município.

“Uma cidade abandonada a sua própria sorte, com 4 bairros afundando e toda zona sul da cidade abandonada e entregue a uma indústria química que criminosamente suga das suas minas a esperança e os sonhos dos moradores que assistem suas casas afundando por conta da ganância da Braskem”, aponta.

O tema, conforme o jornal, tem sido evitado pelos outros partidos, que silenciam diante das dificuldades enfrentadas pelos moradores dessas áreas, em negociação direta com a empresa intermediada pelo Poder Judiciário. Na política, fora o Cidadania, o que se vê, aponta o veículo, é omissão.

Regis disse ainda ao jornal que o partido está finalizando um programa para oferecer aos maceioenses, mas que o provável nome a disputar a prefeitura pelo Cidadania deve ser o da professora Fátima Romar. Em Arapiraca, segunda cidade mais importante de Alagoas, o nome já lançado como pré-candidato é o do advogado Hector Martins.

Em conversa com Hector Martins, Regis Cavalcante defende a renovação para superar a crise política

Para presidente do Cidadania-AL, país precisa de novos quadros que dialoguem com a sociedade

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, falou sobre a situação da saúde no país durante live com o pré-candidato a prefeito do município de Arapiraca (AL), Hector Martins, nesta segunda-feira (6). Ele elogiou o Sistema Único de Saúde (SUS) e reconheceu que é preciso fortalecê-lo.

“O SUS é um sistema que funciona. Outros países não têm um sistema público de saúde e um nível de organização como o nosso, mesmo com todas as dificuldades que conhecemos. Precisamos ajustar o SUS a uma realidade de atendimento pleno, a um sistema que chegue a nível de qualidade da dignidade humana”, afirmou.

Na avaliação de Cavalcante, mesmo com um sistema eficiente, a pandemia do coronavírus revelou a deficiência na saúde em muitos estados brasileiros.

“Essa pandemia mostrou a escolha terrível que os profissionais de saúde realizam nos hospitais para definir quem vai viver ou não. É importante ter hospitais, mas também ter a manutenção. Essa pandemia mostrou leitos e equipe médica insuficientes, falta de insumo, mostrou a deficiência de gestão na questão da saúde”, apontou.

Hector Martins criticou a falta de aquisição de respiradores pelo governo do estado de Alagoas.

“As pessoas que precisam ser hospitalizadas, boa parte necessita de um cuidado especial. Você cria uma maquiagem, uma estrutura faraônica para dizer que montou hospital de campanha, mas falta eficiência, faltam equipamentos que fazem com que as pessoas que estão precisando possam reverter o quadro”, condenou.

O presidente do Cidadania em Alagoas concordou e disse que esse é um problema verificado em todo o país.

“É o oportunismo. Tivemos alguns casos de governadores querendo ganhar dinheiro em cima da miséria humana. Precisamos tratar essas questões de forma transparente e coletiva na sociedade. Essa eleição tem ramificações com essas questões, quem se envolveu com essas situações, principalmente nessa questão cara da saúde. Haverá uma mudança profunda nessas eleições porque a população está acordando”, sustentou.

Educação

Os dois também debateram as deficiências na área de Educação, ainda mais evidentes agora na pandemia. Cavalcante lembrou que cerca de 76 mil crianças em Maceió estão fora da escola. “Isso é um caos, uma irresponsabilidade. Educação é base para tudo. Não se investe no saber nesse país. Por isso que acredito na renovação da política, de quadros, para que a gente possa incrementar políticas públicas que sirvam ao público e não a meia dúzia”, assinalou.

Para o pré-candidato do partido em Arapiraca, também nesta área há clara deficiência de gestão. Martins disse que a Educação transforma e o investimento na área não pode ficar apenas no discurso de campanha.

“Nossa educação pública poderia ser a melhor do mundo, mas infelizmente nossos gestores, muitos que inclusive se elegem com a bandeira da educação, quando têm o poder da caneta fecham os olhos e infelizmente isso continua da mesma forma de antes”, alertou.

Como ex-presidente da Ordem dos Advogados do município, Martins falou ainda da escolha do Cidadania para a entrada na política. “O propósito do partido coincide com a minha visão de mundo. Tinha muito medo de errar, de entrar numa sigla e me arrepender por ser algo contrário às minhas ideias. Me senti muito acolhido e em casa”, elogiou.

Em live com Lessa, Regis Cavalcante defende política ambiental no centro do debate político

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, mostrou preocupação com a agenda ambiental, durante live com o presidente do PDT em Alagoas, Ronaldo Lessa, nesta quarta-feira (1). “A política é fundamental para mover a vida de todos nós e a política ambiental é o desafio para quem quer fazer da política algo em defesa do bem comum. O compromisso com a natureza, com o meio ambiente é fundamental”, defendeu. Durante o bate papo, ele falou sobre o bairro de Fernão Velho, que ainda concentra uma parte da Mata Atlântica. 

“É uma APA que vem sendo, inclusive, ameaçada até pelas autoridades públicas. Ela é um pedaço importante de Maceió do ponto de vista da preservação, de algo que é fundamental hoje e a realidade que estamos enfrentando determina isso. Uma realidade onde há um resquício de Mata Atlântica que tem sido preservada com um esforço grande. Fernão Velho precisaria ter uma administração pública que começasse a ver o potencial que tem do ponto de vista do empreendedorismo”, alertou.

Na avaliação de Cavalcante, a pauta ambiental é importante como programa futuro de governo e deve ser tratada como questão de saúde, educação e desenvolvimento. “Nunca imaginei viver uma pandemia. Não é uma gripezinha e não é só uma questão do Brasil. Temos um presidente que desdenha da preocupação sanitária, é uma insensatez enorme. Fora o trato na questão ambiental, que, hoje, as pessoas percebem rapidamente. Na nossa juventude, quando se falava em questão ambiental, se falava que era coisa de hippie, de quem não tinha compromisso com o desenvolvimento”, apontou.

Sobre o cenário político atual, Cavalcante afirmou que o governo Bolsonaro ameaça a democracia. “É um projeto para sequestrar a democracia. Isso não vai acontecer porque o respeito à Constituição se impõe e essa jovem democracia brasileira está reagindo, porque ele pensava mesmo em dar um autogolpe e ser presidente da República. O PT, é bom registrar, concorreu para a fragilização institucional e deixou esse cidadão solto a verbalizar um discurso conservador atrasado. Ele sempre teve pendor autoritário, não enganou ninguém. Ele é incapaz de governar. O Brasil está órfão de presidente”, criticou.

O presidente do Cidadania-AL disse acreditar que Bolsonaro enfretará desgaste profundo se continuar com essa agenda. “As pesquisas estão mostrando que 75% acreditam na democracia, não querem autogolpe, não querem fechar o Congresso e nem a Suprema Corte. Ele está na contramão da história”, apontou. Para Cavalcante, o presidente coloca até mesmo as Forças Armadas em risco. “Ele mandou o Exército brasileiro fabricar cloroquina e já há estoque para 18 anos de um medicamento que não é eficaz contra Covid. Está comprometendo a imagem da instituição”, avaliou. 

Conteúdo relacionado:

Em 2019, o Presidente Estadual do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, denunciou crime ambiental em Maceió.

Cidadania convoca dirigentes para 1º Encontro Nacional de Contabilidade e Finanças

A Secretaria Nacional de Finanças do Cidadania promove o 1º Encontro Nacional de Contabilidade e Finanças do partido na próxima sexta-feira (3). Marcado para as 10h30, o evento on-line é voltado para presidentes e tesoureiros estaduais do Cidadania, mas conforme Regis Cavalcante, secretário nacional de Finanças, é importante que os filiados que trabalham diretamente com legislação e financiamento eleitoral participem.

“Nosso objetivo é socializar ao máximo as informações básicas necessárias a uma boa campanha para não sobrecarregar as instâncias municipais, que serão o foco principal do processo eleitoral neste ano, com a renovação de mandatos para as prefeituras e vereança. O que pode e o que deve ser feito de acordo com a legislação vigente. Todo o nosso corpo técnico estará à disposição para tirar dúvidas”, adiantou.

Uma das preocupações, por exemplo, segundo Cavalcante, é com a prestação de contas eleitorais que, neste ano, devem ser realizadas de forma mais célere em razão do provável adiamento das eleições, de outubro para novembro deste ano. “A tarefa esse ano será redobrada em razão dos prazos mais exíguos. Quanto melhor for o processo durante a campanha, mais fácil será atender à Justiça Eleitoral”, observou.

Com o encontro virtual, será possível alinhar o conhecimento no estados sobre as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), melhores práticas de contabilidade, Lei dos Partidos Políticos, procedimentos de pré-campanha e convenções eleitorais para 2020. Confira abaixo a programação:

Programação:

10h30 – Abertura: 
Roberto Freire – Presidente Nacional
Regis Cavalcante – Tesoureiro Nacional

11h00 – Roseane Nogueira – Contadora: 
Prestação de contas partidária
Regularização CNPJ

11h30 – Dr. Gustavo Ferreira – Advogado
Pré-campanha
Convenção Partidária

Regis Cavalcante defende frente em prol da democracia e repudia autoritarismo de Jair Bolsonaro

Presidente do Cidadania em Alagoas falou sobre a possibilidade de impeachment do presidente da República

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, falou nesta quinta-feira (11) sobre a atual conjuntura política nacional, durante a live “Ato Pela Democracia, Contra o Racismo e em Defesa da Vida”. Na ocasião, ele se solidarizou com as mais de 40 mil vítimas da covid-19 no país e culpou o governo Bolsonaro pela velocidade da doença no país.

“Não respeita a dor de milhares de famílias vítimas dessa doença. Há um descaso em relação à vida dos mais pobres, um discurso alimentado de ódio. Cotidianamente, usa as redes sociais para desdenhar desta realidade cruel que estamos atravessando”, protestou.

Para Cavalcante, o momento é de respeito à vida dos brasileiros e à democracia. “Podemos construir um país mais coeso e compromissado com as causas sociais. Todos aqueles que vivenciaram momentos autoritários nesse país, que têm horror à ditadura e ditadores, não podem concordar com essa realidade”, disse.

Basta

Ele também falou sobre os movimentos que estão surgindo pró-democracia. “Essa é a luta que devemos desempenhar nesse momento, fazer com que todos os brasileiros e instituições de compromisso com a democracia mostrem seu repúdio, nesse momento em que as ruas não podem ser ocupadas, a essa forma de chantagear a sociedade, de querer impor um autogolpe nesse país, fazendo com que as instituições, especialmente os poderes, sejam desrespeitados”, apontou.

Durante o bate papo, Cavalcante também condenou a participação do presidente em manifestações pró-governo que incitam a violência contra o Judiciário e Legislativo. “Precisamos ampliar com todos os democratas a possibilidade de fazer uma grande movimentação nesse país, respeitando o devido isolamento social, para dar um basta nessa postura e caminharmos, se for necessário, ao impeachment do presidente”, defendeu.

Cidadania em Igreja Nova (AL) debate eleição municipal de 2020

Encontro no último sábado (19) reuniu representantes do partido da capital e o presidente estadual da legenda no estado, Régis Cavalcante (Foto: Reprodução)

No último sábado (19), líderes do Cidadania de Alagoas se encontraram com representantes do partido em Igreja Nova para discutir aspectos e os preparativos para as eleições municipais em 2020.

João Amorim, presidente do Cidadania de Maceió, explicou a importância de organizar todo o grupo no interior do estado e na capital.

“Eu acredito que nós teremos um bom resultado [nas eleições municipais], expressivo e é necessário, tendo em vista o cenário atual nas três esferas do governo. O Cidadania vem crescendo e esse resultado vai refletir futuramente nos municípios”, ressaltou Amorim.

De acordo com o presidente estadual do Cidadania, Régis Cavalcante, o fortalecimento e a consolidação do partido é importante para discussão social e democrática da política.

“É preciso mudar a forma de se fazer política no País e isso começa pelas Câmaras Municipais, que hoje são verdadeiros ‘puxadinhos’ do Poder Excutivo”, disse.

Além da novidade, que será a chapa própria de candidato a prefeito, o Cidadania em Igreja Nova está determinado a lançar chapa de vereadores e aposta no bom desempenho político da sigla do partido na cidade. (Assessoria Cidadania Alagoas)

Em pleno século 21, Brasil ainda desperta preocupação com o trabalho infantil

O secretário de Finanças do Cidadania e ex-secretário de Crianças e Adolescentes de Maceió, Regis Cavalcante, classificou como lamentável a sociedade ainda se defrontar com a questão da exploração infantil em pleno século 21 no País, ao comentar o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, comemorado nesta quarta-feira (12). Ele afirmou que é preciso investir recursos na fiscalização e em escolas de tempo integral para acomodar esse público com o objetivo de garantir um futuro na sociedade.

“Situação incrível”

“É incrível que ainda no patamar de desenvolvimento social e das novas realidades, como o acesso a informação e a revolução tecnologia, ainda nos defrontemos com situações dessa natureza. Principalmente nos rincões e lugares mais afastados do País. É preciso mudar essa ótica perversa contra a criança e o adolescente. É preciso investimentos e foco dos conselhos tutelares em âmbito municipal e estadual, para identificar essas casos e tomar as medidas cabíveis. Investir em campanhas educativas sobre esse aspecto. A máxima é que lugar de criança é na escola. De preferencia em horário integral”, defendeu.

Entre 2014 e 2018, o Ministério Público do Trabalho registrou mais de 21 mil denúncias de trabalho infantil no Brasil.

Futuro cidadão

Regis Cavalcante também destacou a importância da família e do Estado na educação e formação de crianças e adolescentes.

“As famílias têm responsabilidade. A responsabilidade de educar e formar é das famílias e do Estado, e nesse caso específico do município. É importante que esses setores superam esses aspectos que são tão terríveis para a formação de um futuro cidadão”, disse.

Trabalho infantil

O trabalho infantil no Brasil ainda é algo que ainda desperta preocupação na sociedade. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2016, o Brasil tem 2,5 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos no mercado de trabalho. Desse total, 66,2% correspondem a pretos pardos .

O perfil econômico das famílias com crianças de 5 a 17 anos em situação de trabalho infantil, 49,83% possuem rendimento mensal per capita menor do que meio salário mínimo. Em 2016, 76,3% desse grupo trabalham em atividades não agrícolas se 23,7% no campo.

As regiões Nordeste e Sudeste registram as maiores taxas de ocupação, respectivamente 33% e 28,8% dos 2,5 milhões em situação de trabalho infantil. Em números absolutos os estados de São Paulo (314 mil), Minas Gerais (298 mil), Bahia (252 mil) e Maranhão (147 mil) ocupam os primeiros lugares no ranking. Nas outras regiões, ganham destaque os estados do Pará (193 mil), Paraná (144 mil) e Rio Grande do Sul (151 mil).

Em relação a acidentes e mortes, o Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), do Ministério da Saúde, registrou entre 2007 e 2018 43,777 acidentes de trabalho com crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos. No período, 261 meninos e meninas perderam a vida enquanto trabalhavam.

Além disso, o Ministério Público do Trabalho registrou entre 2014 e 2018 mais de 21 mil denúncias de trabalho infantil. Foram ajuizadas 968 ações e firmados 5.990 termos de ajustamento de conduta com o objetivo de coibir condutas irregulares. (Com informações das agências de notícias)