Mulheres serão responsáveis pela maior renovação do Cidadania nas eleições de outubro, diz Roberto Freire

Segundo presidente do Cidadania, a ampliação do número de mulheres candidatas torna o partido mais representativo do conjunto da sociedade

Em live com as pré-candidatas a prefeitas pelo Cidadania nesta quarta-feira (15), o presidente nacional do partido, Roberto Freire, mostrou entusiasmo com a quantidade de mulheres que irão disputar as eleições municipais neste ano e disse que a ampliação da presença feminina nas urnas é um passo em direção a um partido mais representativo do conjunto da sociedade.

“São quase 100. Isso é um exército importante pro Cidadania, uma grande conquista. Acredito que é nessa eleição que teremos o maior processo de renovação, um ótimo sinal porque significa que estamos ampliando concretamente a participação da cidadania brasileira”, analisou, ao sustentar que o olhar feminino será essencial na construção de uma nova formação política.

Freire disse que o Cidadania trabalha para ser um partido mais plural e aberto, em que as mulheres ocupem o centro do debate político e participem da condução do país em meio aos muitos desafios que os novos tempos vem trazendo. Ao comentar a conjuntura política, ele  defendeu que as mulheres e homens do Cidadania construam o partido como alternativa democrática entre os extremos.

“Esse governo obscurantista precisa ser enfrentado com uma oposição firme. Isso não significa que o Cidadania votará sistematicamente contra tudo que vier do governo. Mas precisamos ser um partido que aponte para o futuro como alternativa”, defendeu Freire.

Durante o encontro, a coordenadora da Secretaria de Mulheres do Cidadania, Tereza Vitale, disse que o partido está aproveitando o ano eleitoral para ampliar a participação feminina na legenda.

“Por causa das eleições municipais estamos com uma lista de candidatas de excelente qualidade. O Cidadania está envolvido, o que é importante. Se temos apoio, vamos em frente. Mulher gosta de política. Estamos vendo que um bom trabalho da M23 está atraindo mulheres de muita qualidade”, elogiou.

A secretária do M23 no Ceará, Raquel Dias, também comemorou o crescimento de candidaturas de mulheres nessas eleições municipais.

“Vocês que estão nos municípios sabem as dificuldades que as populações estão passando. Estamos atraindo novos nomes, isso é um bom sinal. O Cidadania vem se transformando para atrair mais mulheres. É um partido que deu voz a essas mulheres que estão hoje secretárias nacionais. Espero que a gente pense também em 2022. Vocês que estão se colocando como pré-candidatas a prefeitas saibam que a próxima luta também é muito grande e deve ser levada em conta nesse momento”, observou.

Lideranças do Cidadania pedem união contra Jair Bolsonaro no Janelas pela Democracia

Roberto Freire, Eliziane Gama, Cristovam Buarque, Stepan Nercessian e Raquel Dias participaram do ato suprapartidário nesta quinta-feira; cineasta Zelito Viana também marcou presença a convite do partido, que ainda homenageou os profissionais do SUS lembrando Sérgio Arouca, figura central na idealização so sistema

Continue lendo

Cidadania realiza I Encontro de Secretárias Estaduais da M23 dias 20 e 21, em Brasília

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania realizará nesta sexta-feira (20) e sábado (21), em Brasília, o I Encontro de Secretárias Estaduais M23 (veja abaixo a programação), no Hotel San Marco. O objetivo é fortalecer as secretarias estaduais do núcleo para o novo momento político do Cidadania, debater estratégias para atrair novas filiadas e discutir os preparativos para a participação das mulheres do partido nas eleições municipais do próximo ano.

Segundo a secretária e dirigente do partido, Raquel Dias, o encontro faz parte de uma programação pré-estabelecida voltada para o planejamento estratégico das secretarias do M23 em todo o País.

“O encontro integra uma estratégia de fortalecimento dos agrupamentos das secretarias estaduais no sentido de preparar essas dirigentes para atrair novas filiadas. O objetivo é promover o encontro presencial entre as bases do M23 para elas se conhecerem, se comprometerem com o partido, trocarem experiências e dúvidas, e também entenderem esse novo momento político por qual passamos. É um momento de organização, estruturação e fortalecimento”, disse a coordenadora.

Debates

Raquel Dias adiantou que os debates do encontro serão dos mais variados possíveis, com a discussão de temas como a organização política e a legislação eleitoral.

“Os debates vão desde a apresentação dos organismos das Secretarias como ferramentas de organização política, passando pela legislação eleitoral vigente e indo até a gestão de boas práticas internas. Falaremos sobre a formação pré-eleitoral para essas secretárias. Será um momento bastante rico no qual as mulheres do M23 serão preparadas, não só para multiplicar o que for debatido em seus municípios, como também fazer a utilização do conhecimento adquirido para ajudar no fomento de novas candidaturas femininas, e auxiliar as direções locais na formação das chapas para 2020”, destacou.

Eleições

A dirigente falou ainda ao Portal de Notícias do Cidadania sobre os preparativos do M23 para a disputa eleitoral das mulheres do partido. Ela afirmou que a Secretaria Nacional de Mulheres tem realizado pesquisas internas de disputas anteriores para traçar um plano de ação realista, com o intuito de eleger o maior número possível de candidatas femininas.

“Temos sequenciado uma série de planejamentos estratégicos. Passa por pesquisas realizadas por nós que falam sobre os últimos momentos eleitorais das mulheres no PPS, agora Cidadania. Além disso, uma profunda avaliação para a implementação do fundo especial de campanha e dos 30% do recorte do fundo [partidário] voltado para as mulheres. Além disso, estamos preparando as nossas Secretarias para implementar a campanha de filiação que estaremos lançando, ainda nesse ano, para atrair quadros competitivos e garantir qualidade na recepção dessas novas pessoas”, afirmou.

PROGRAMAÇÃO

I Encontro de Secretárias Estaduais M23

De 20 e 21 de setembro de 2019

Local: Hotel San Marco -Brasília/DF

Dia 20/09

9h

Credenciamento

9h15

Formação da Mesa de Abertura

As cinco secretárias e as representantes do Igualdade, do Diversidade e Juventude para a saudação inicial

9h40

1. M23 uma história de luta e ação

Tereza Vitale 

2. As Secretarias M23 como espaço de poder

Raquel Dias

Debate

10h15

Apresentação do balanço de cada M23 estadual

Elissa Felipe – Balanço dos dados gerais 

Secretárias Estaduais – Apresentação de balanço

13h

Almoço

14h30

1. A comunicação como ferramenta de estratégias de organização

Juliet Matos

Lairson Geisel

Debate

2. Comunicação externa e mobilização

Juliet Matos

Lairson Geisel 

Debate

15h30

Intervalo para café

15h45

Boas práticas de gestão interna

Francisco Almeida 

Debate

17h – Legislação Eleitoral, direitos e deveres específicos das mulheres nas campanhas

Dr. Gustavo Ferreira

Debate

18h

Estratégias de atuação no Legislativo

Mariana Rocha

Debate

18h30

Encerramento

20h

Jantar 

DIA 21/09

9h

Oficina de Formação Política Pré-eleitoral

Vereadora Loreny Roberto

Debate

10h

#vidadeverdade

#naodigaquenaoavisei

#amopolíticaassimmesmo

Vereadora Soninha Francine

Debate

12h30

Encerramento

13h

Almoço

14h

Check-out

Mulheres do Cidadania celebram acordo de cooperação com a juventude do partido

No encerramento do 1º Encontro de Mulheres Jovens do Cidadania neste domingo (30), em Brasília, o núcleo de Mulheres M23 celebrou um acordo de cooperação (veja aqui) com o coletivo de juventude J23 por dois anos. O termo foi assinado pelas dirigentes Juliet Matos, secretária nacional do M23 e Indaiá Pacheco, da J23.

Raquel Dias (esq.), secretária do M23

Segundo Raquel Dias, organizadora do evento, integrante do M23 e do Igualdade 23, o acordo faz parte da estratégia de ação da Secretaria Nacional de Mulheres para o empoderamento feminino.

A dirigente disse que o desafio do acordo é dar voz às mulheres por meio de candidaturas femininas na eleição municipal de 2020, e fazer com que as participantes do encontro conquistem mais mulheres para a luta contra o preconceito e a consolidação de direitos.

“Queremos fazer valer o acordo para que de fato ele saia do papel e nos ajude a reforçar enquanto grupo social”, disse Raquel, ao agradecer a presença de representantes de mulheres jovens do partido de 15 estados no encontro.

Experiência Parlamentar

Integrantes do M23 durante o encontro

A deputada estadual do partido em Sergipe, Kitty Lima, e as vereadoras Jéssica Serra (Terra Roxa-PR) e Loreny Caetano Roberto (Taubaté-SP) falaram no encontro de suas experiências na política da atividade parlamentar. Elas relataram as participantes do encontro, em uma roda de conversar, suas experiências com a campanha eleitoral e as dificuldades partidárias e legais  para o exercício do mandato: preconceito, discriminação e machismo.

A secretária do M23, Tereza Vitale, disse que o núcleo está atento a questão do machismo nas instâncias partidárias e que o combate a essa prática dever ser enfrentadas por todas as mulheres do partido. “Nossa luta [contra o machismo] se dá no coletivo: uma fortalecerá a outra”, afirmou.

Redes e fake news

A última roda de conversa do evento foi sobre redes sociais e fake news, com o coordenador de Comunicação do Cidadania, Lairson Giesel, e a secretária do M23, Juliet Matos.  

Encontro foi encerrado neste domingo

Lairson abordou as mídias sociais e deu exemplos de como usá-las de forma responsável. Ele também defendeu que a tecnologia deve ser utilizada como ferramenta para combater a desinformação nas redes sociais. 

A fake news sobre os fatos de grande repercussão foi um dos temas abordados por Juliet. A dirigente chamou atenção para necessidade que se tem de prestar atenção aos grupos que propagam notícias falsas. Para ela, é preciso cada vez mais criar redes para denunciar fake news.  

Poesia

O encontro foi encerrado pelo Slam – DéF com a apresentação de poesias de temática feminina. No sábado (29), o grupo também se exibiu em um “batalha de poesias” entre as integrantes. 

1º Encontro de Mulheres Jovens: Formação política para o empoderamento feminino

O 1º Encontro de Mulheres Jovens do Cidadania foi aberto neste sábado (29), em Brasília, com a participação de representantes femininas do partido de 15 estados. Promovido pelo núcleo de Mulheres do partido M23, o evento dá sequência a estratégia de formação política das militantes para o empoderamento feminino na luta contra à violência e à discriminação no Brasil.

A mesa de abertura do encontro contou com a participação do presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire; da deputada estadual do partido em Sergipe, Kitty Lima; das vereadoras Jéssica Serra (Terra Roxa-PR), presidente da Câmara Municipal; Loreny Caetano Roberto (Taubaté-SP), 2ª vice-presidente da Câmara; Juliet Matos, Secretária Nacional do M23; e de Indaiá Pacheco, do núcleo de Mulheres e da Juventude 23.

Ao fazer a saudação , Raquel Dias (Igualdade 23 e M23), uma das organizadoras do encontro, falou sobre a “política inclusiva” da Secretaria de Mulheres de dividir recursos do núcleo com as “facetas femininas” dos demais agrupamentos do partido, como o Juventude 23, Igualdade 23 e Diversidade 23.

Encontro de Mulheres Jovens em Brasília

“As mulheres do Igualdade estiveram aqui na semana passada [no 1º Encontro de Mulheres Negras], as mulheres da J23 estão presentes nesta mesa”, reforçou.

Segundo ela, a estratégia da Secretaria de Mulheres é transformar sua “plataforma geral em plataforma inclusiva”.

“[É ]ouvir as especifidades das mulheres e permitir que as políticas públicas defendidas por nós, mulheres do Cidadania, sejam de inclusão de todas faces e desafios do que é ser mulher nesse País”, disse, ao explicar que ao final do encontro será celebrado um acordo de cooperação entre J23 e M23.

Roberto Freire lembrou que a vitória e conquista de qualquer movimento só acontecem quando ganham a sociedade. “Enquanto ele ficar só entre nós, ele se perde”, provocou, lembrando que o partido (PPS-PCB) foi o primeiro a discutir o aborto.

Mulheres do Parlamento

Deputada estadual Kitty Lima

A secretária nacional do M23, Tereza Vitale, destacou a importância da presença das mulheres no Parlamento. Ela disse que o encontro dá continuidade a formação política do grupo feminino do partido para a conquista de direitos e busca de espaços na política para o empoderamento das mulheres.

Após a abertura, as mulheres participaram de dinâmica de grupo e assistiram ao vídeo “Agradeça a uma feminista”. A programação do dia foi encerrada pelo grupo Slam – DéF, de Brasília, com uma “batalha de poesias”. O Slam – DéF também se apresentou no início dos trabalhos com poesias de temática feminina.

Participam do encontro representantes do Cidadania do Pará, Paraná, Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, São Paulo, Sergipe, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

Saúde e redes sociais

O 1º Encontro de Mulheres Jovens prossegue neste domingo (29) com relato do ex-deputado federal Arnaldo Jordy (Cidadania-PA) sobre os resultados da CPI do Tráfico de Pessoas no Brasil, roda de conversa sobre a saúde da mulher e o uso das mídias sociais com responsabilidade.

1º Encontro de Mulheres Indígenas e Negras celebra acordo de cooperação com Igualdade 23

O 1º Encontro de Mulheres Indígenas e Negras celebrou, no encerramento de encontro neste domingo (23), em Brasília, um Acordo de Mútua Cooperação (veja aqui) entre os coletivos das Mulheres 23 e o Igualdade 23. A parceria visa cooperação técnica e política entre as duas instâncias partidárias para a execução de programas de trabalho, projetos, atividades e eventos de interesses recíprocos. O documento foi assinado pela Coordenadora Executiva do Igualdade 23, Jullyana Vieira de Sousa, e a secretária nacional de Mulheres do Cidadania, Raquel Dias. 

No evento também foram debatidos temas como empreendedorismo, formulação de políticas públicas e elaboração de legislação específicas. O encontro inédito começou no sábado (22) e discutiu a participação feminina da política (veja aqui), com apresentação de dança, exibição de documentários e roda de conversa com as participantes. 

A idealizadora do encontro e fundadora do Igualdade 23, Raquel Dias, destacou que o Acordo servirá como uma ferramenta para ser utilizada pelas participantes do evento em seus estados e municípios.

“Apresentamos um acordo que será uma ferramenta para serem utilizadas pelas mulheres alvo desse encontro em seus estados. O documento estabelece que a cada dois anos realizaremos encontros como esse. Elas terão um ano para que essas mulheres participantes possam se evidenciar em suas cidades atraindo mais pessoas para o partido e o movimento político. O Igualdade, que agrega os segmentos dos negros e indígenas, formulará um planejamento baseado nas conversas que aqui tivemos. Começamos aqui”, afirmou.

Especificidades

A organizadora do evento e secretária do Mulheres 23, Tereza Vitale, afirmou que o encontro “superou as expectativas” e possibilitou o entendimento das dificuldades enfrentadas pelas mulheres negras e indígenas no País.

“Empoderamento de todas”

“Apesar de todos os problemas que tivemos, valeu muito a pena. Ouvimos coisas inacreditáveis. Algo que nós, brancos, não temos condições de ouvir em lugar nenhum. Trouxeram as suas culturas para perto da gente. Com esse encontro, o Mulheres 23 está mais bem preparado para lidar com as políticas públicas voltadas para mulheres negras e indígenas. Temos que entender que as mulheres não são as mesmas. Cada grupo e etnia possuem especificidades. Temos que conhecê-las para trabalhar em prol do empoderamento de todas elas. Isso significa dar condições para que elas possam lutar junto das suas comunidades”, disse.

Segundo a dirigente, as participantes agora serão “encorajas em verbalizar em suas regiões tudo o que foi debatido no encontro” e disse que o Mulheres 23 apoiará, com mais enfase, iniciativas das mulheres negras e indígenas do Cidadania.

“Essas mulheres vão levar para os seus estados e municípios tudo o que foi conversado aqui. Nós estamos fazendo um pacto entre o Mulheres 23 e essas mulheres. Somos um organismo com mais tempo de existência e por esse motivo iremos apoiar a volta dessas mulheres para os seus espaços, para que possam contribuir com o partido. O Cidadania precisa de todos, mas é preciso um olhar especial para essa parcela da sociedade”, defendeu.

Indígenas na política

Para dirigente partidária e principal representante indígena do partido, há 11 anos no PPS – hoje Cidadania -, e defensora dos direitos indígenas, Silvana Terena, o evento possibilitou o acumulo de experiências e trocas de cultura com mulheres indígenas de outras etnias e negras.

“Inédito e histórico”

“Eu acredito que esse primeiro encontro vai ficar na nossa história. Estou há 11 anos no partido e ele me empoderou muito como mulher e indígena no meu estado [Mato Grosso do Sul]. Antigamente os povos indígenas não compreendiam porque as pessoas brigavam tanto por um partido político, mas hoje é diferente. Quando ingressei o partido me agregou muitas coisas dentro da minha própria militância. Se você tem na sua comunidade o voto, consegue conquistar espaço de poder e decisão, e para as mulheres indígenas isso não é diferente. Esse primeiro encontro é inédito e histórico. Saímos daqui com uma bagagem de experiência e trocas de cultura aperfeiçoando tudo que acumulamos ao longo da vida. Levaremos e compartilharemos em nossas regiões essa bagagem”, disse a integrante da etnia Terena.

Passo importante

Já para Raquel Dias, ao falar das mulheres negras, avaliou que o encontro representa um passo importante por possibilitar a compreensão do cotidiano da comunidade negra feminina.

“Compreender o cotidiano de luta”

“Um passo importante e fundamental [o encontro]. Nos possibilitou visualizar as questões relacionadas as especificidades de luta dessas mulheres. Podemos irmanar experiências com o Mulheres 23 para que tudo que foi debatido seja levado para as suas comunidades. Por meio das representações que tivemos nesse encontro poderemos estabelecer novas demandas, novas pautas e novos momentos. Agora desejamos que elas repassem tudo que foi construído aqui para que possamos atrais mais mulheres para a causa e o partido. Elas agora possuem a força e munição necessárias para reproduzirem a essência desse encontro nos diretórios municipais e estaduais do Cidadania e produzir, dentro dessas especificidades, pautas em seu poder local”, avaliou.

Cidadania Mulher realiza 1º Encontro de Mulheres Negras e Indígenas, em Brasília

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania realiza, nos dias 22 e 23 de junho, em Brasília, o 1º Encontro de Mulheres Negras e Indígenas. O evento será realizado no hotel San Marco (Setor Hoteleiro Sul ), com início às 14h no sábado (22) e às 9h no domingo (23). O encontro será transmitido ao vivo pela internet.

Segundo a coordenadora do coletivo e dirigente partidária, Raquel Dias, o encontro debaterá as especificidades das mulheres negras e indígenas como as dificuldades enfrentadas por esse público e as políticas públicas adotadas para atender essa parcela da sociedade.

Raquel Dias, dirigente do Cidadania

“No dia 25 de julho de 1992 a ONU criou o Dia Internacional das Mulheres Negras, Latino-americanas e Caribenhas. Essas mulheres não se viam representadas nos movimentos feministas daquele período. Queremos saber quais são as lutas que as mulheres indígenas travam pela terra, e luta que as mulheres negras travam pela vida, já que os números sociais são de grandes mazelas. Queremos identificar ainda qual a contribuição econômica dessas mulheres para o País. É isso que queremos discutir nesse encontro”, disse.