Em nota, Jorge Kajuru denuncia tentativa de punição por críticas a Davi Alcolumbre

Espero não ver o Senado Federal – para o qual fui eleito por mais de um 1,5 milhão de votos dos eleitores de Goiás – tentar punir um de seus integrantes por causa de uma manifestação democrática’, diz o senador (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) divulgou nota pública, neste sábado (06), na qual denúncia ‘estranhas as movimentações’ nos ‘bastidores do Senado’ com o objetivo de punir o parlamentar por críticas feitas ao ex-presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

No texto, Kajuru diz esperar da imprensa “justiça e solidariedade” na análise de “eventual fato político”, caso venha a se concretizar: o seu nome ser levado a julgamento no Conselho de Ética do Senado.

“Nota do senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO)

Ao longo de minha carreira como profissional de comunicação, por mais de quatro décadas, sempre me pautei pelo princípio de que todo cidadão tem direito à informação – precisa, correta e com base no interesse público.

Nessa luta, busquei sempre também defender os colegas jornalistas e radialistas, quando vítimas das mais variadas pressões na sua árdua missão de fazer valer um direito fundamental do cidadão.

Sempre me rebelei contra qualquer tipo de ameaça, agressão e censura ao trabalho jornalístico – por solidariedade e por acreditar que a liberdade de imprensa é um dos pilares da democracia.

Torço para que tal histórico seja considerado pela imprensa na análise de eventual fato político, caso venha a se concretizar: meu nome ser levado a julgamento no Conselho de Ética do Senado, por causa de críticas por mim feitas ao ex-presidente da Casa, Davi Alcolumbre.

Espero a solidariedade e justiça de toda a minha eterna classe do rádio, jornal e televisão. Lembro que em meu primeiro ano de mandato, em 2019, tive a iniciativa em relação à TV Globo e fui o segundo quanto à Folha de S. Paulo – na proposição de homenagens aos dois veículos de comunicação. Isso num momento em que o Governo tentava destruí-los. Lembrei que, para ambos, tal ação que feria princípios democráticos valia como ATESTADO DE IDONEIDADE.

Considero estranhas as movimentações com o objetivo de me punir, que tenho acompanhado nos bastidores do Senado. Sobretudo porque não observei nada parecido em dois anos de mandato, nem mesmo quando um colega foi flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca.

Espero não ver o Senado Federal – para o qual fui eleito por mais de um 1,5 milhão de votos dos eleitores de Goiás – tentar punir um de seus integrantes por causa de uma manifestação democrática, agredindo assim o direito de expressão garantido no artigo 5º da Constituição de 1988.

Brasília, 6 de fevereiro de 2021.”

Para Marcelo Calero, isentar de punição proprietário rural que atirar em invasor é “maluquice”

O deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) classificou como “maluquice” o projeto do governo Bolsonaro que pretende isentar os produtores rurais de punição, caso atirem em invasores em suas propriedades. Segundo o parlamentar, faltou seriedade do presidente ao tratar do tema, já que o sistema judicial brasileiro “dá mais peso à vida do que à propriedade”.

“O projeto é uma maluquice, simples assim. Se Bolsonaro quisesse tratar a sério o tema, e não jogar para a plateia, teria proposto aumento de pena para a invasão. No Brasil, país cristão, o sistema judicial dá mais peso à VIDA do que à propriedade. E assim deve ser”, publicou Calero, nesta terça-feira (30), nas redes sociais.

Em outra postagem, o deputado afirmou que Bolsonaro precisa entender as consequências de suas declarações.

“Presidente não fala nada em ‘tom de brincadeira’. Presidente é Presidente. Tudo o que fala tem uma repercussão gigante. Derruba ou eleva a bolsa, derruba ou eleva o dólar, coloca a credibilidade de um banco em cheque – ou não. Bolsonaro: assuma a condição de Presidente!”, escreveu.