Evo Morales renuncia à presidência da Bolívia

Presidente boliviano diz que decidiu deixar o cargo “para que não continuem maltratando parentes de líderes sindicais, prejudicando a gente mais humilde” (Foto: Reprodução)

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo (10), em um pronunciamento transmitido a partir da cidade de Cochabamba, sua renúncia ao cargo, em meio à escalada dos protestos que se seguiram à eleição de 20 de outubro no país.

Ao lado de Morales, o vice-presidente Alvaro García Linera também anunciou que deixa seu posto. Posteriormente, o ex-presidente boliviano falou sobre o assunto em suas redes sociais.

“Queremos preservar a vida dos bolivianos”, disse Morales no pronunciamento. Ele disse que decidiu deixar o cargo “para que não continuem maltratando parentes de líderes sindicais, prejudicando a gente mais humilde. Estou renunciando e lamento muito esse golpe”.

Imagens de TV mostraram oposicionistas comemorando nas ruas de La Paz. A pressão sobre Morales aumentou depois que o comandante das Forças Armadas bolivianas, William Kaiman, sugeriu, na tarde deste domingo, que Morales renunciasse para permitir a “pacificação e a manutenção da estabilidade, pelo bem da nossa Bolívia”.

Mais cedo, Morales havia anunciado a realização de novas eleições e a substituição dos integrantes do Tribunal Superior Eleitoral boliviano, mas não conseguiu melhorar os ânimos dos adversários. Na ocasião, ele disse que sua “principal missão é proteger a vida, preservar a paz, a justiça social e a unidade de toda a comunidade boliviana”.

O anúncio da nova eleição foi feito depois de a OEA (Organização dos Estados Americanos) ter divulgado um informe sobre uma auditoria do processo eleitoral, em que o órgão recomendou a realização de um novo pleito.

Antes da renúncia de Morales, a imprensa boliviana noticiou a realização neste domingo de diversos ataques a residências, incluindo casas de familiares de Morales, e a prédios públicos. No Twitter, o ainda presidente havia denunciado que “fascistas” tinham incendiado a casa dos governadores de Chuquisaca y Oruro, e também de sua irmã, Esther Morales, em Oruro. Emissoras de rádio e TV estatais, como a Bolívia TV, foram alvo de protestos.

Depois que manifestantes atacaram a sua casa, o presidente da Câmara dos Deputados, Víctor Borda, também renunciou ao cargo neste domingo.

Eleição polêmica

As eleições presidenciais bolivianas ocorreram em 20 de outubro. Morales obteve 47,07% dos votos, enquanto seu principal concorrente, Carlos Mesa, alcançou a 36,51%. Pelas regras eleitorais bolivianas, Morales foi declarado eleito, por ter obtido mais de 10% de votos além de Mesa.

A apuração dos votos, no entanto, foi acompanhada por polêmica, com acusações de ambos os lados. Uma missão de observação da OEA apontou problemas como a falta de segurança no armazenamento das urnas e a suspensão da apuração.

Diante da polêmica, Morales e líderes oposicionistas sugeriram que a OEA auditasse o resultado das eleições – e Morales convidou países como Colômbia, Argentina, Brasil e Estados Unidos a participarem do processo. Desde então, os protestos populares se acirraram, com oposicionistas chegando a estabelecer um prazo para que Morales deixasse o cargo. (Agência Brasil)

João Vitor Xavier assume presidência do Cidadania de Minas Gerais

O deputado estadual  João Vitor Xavier foi eleito neste sábado (06), em Belo Horizonte, presidente do Cidadania em Minas Gerais (veja abaixo). A eleição teve chapa única e obteve o voto unânime dos 55 membros do Diretório Estadual aptos a votar.

Na condução da legenda, ele terá pela frente a missão de lançar candidatos próprios no maior número possível de municípios – especialmente aqueles maiores, o que ajuda a fortalecer a chapa de vereadores.

De olho na disputa pela PBH, João Vitor Xavier assume comando do Cidadania

Recém-filiado à legenda, o deputado estadual foi eleito neste sábado presidente estadual do Cidadania. Meta é disputar a prefeitura nas principais cidades de Minas, incluindo a capital

Isabella Souto – Estado de Minas

De olho na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte no ano que vem, o deputado estadual João Vitor Xavier foi eleito, neste sábado, presidente do Cidadania (ex-PPS), partido ao qual se filiou há pouco mais de um mês. A eleição teve chapa única e obteve o voto unânime dos 55 membros aptos a votar.

Na condução da legenda, ele terá pela frente a missão de lançar candidatos próprios no maior número possível de municípios – especialmente aqueles maiores, o que ajuda a fortalecer a chapa de vereadores.

Sem esconder as pretensões eleitorais no ano que vem, o parlamentar afirmou que já tem mantido conversas com o DEM e o Patriotas – partidos que inclusive participaram da solenidade de filiação de Xavier ao Cidadania em busca de uma aliança. Atualmente a legenda tem apenas um vereador em Belo Horizonte, que integra a base independente da Casa.

“Belo Horizonte é uma das prioridades e precisa de outra opção, percebemos desde a eleição passada que há uma parcela da população que tem uma visão diferente do que está acontecendo na cidade, e gostaríamos de debater com elas e apresentar nossas propostas”, afirmou João Vítor.

Na eleição passada, o Cidadania – que ainda tinha o nome de PPS – apoiou a candidatura de João Leite (PSDB), com a indicação de Ronaldo Gontijo para candidato a vice. A chapa foi derrotada por Alexandre Kalil (PSD) no segundo turno da disputa.

Já é dada como certa a candidatura à reeleição de Alexandre Kalil – recentemente o prefeito se filiou ao PSD e assumiu a presidência do partido no estado. Questionado sobre a expectiva em relação a uma disputa com o atual prefeito, João Vitor Xavier foi enfático.

“Na eleição passada, metade dos prefeitos candidatos à reeleição perdeu. O governador do Estado (Fernando Pimentel, do PT) tentou a reeleição e perdeu. Isso é natural na política, ninguém ganha de véspera. Esperamos levantar e organizar um debate com parcela sgingficativa da sociedade que não se sente representada hoje”, argumentou.

O Partido Popular Socialista trocou o nome para Cidadania em março deste ano. Na ocasião, o presidente nacional do partido, Roberto Freire, alegou que a agenda socialista havia fracassado. Antes de chegar à nova denominação, o PPS ainda tentou a fusão com outras legendas, como o PV e a Rede. Sem sucesso nas negociações, optou apenas pela mudança na nomenclatura.